Na saída, aprendizados para o resto da vida | Jornal Plural
10 jun 2021 - 9h53

Na saída, aprendizados para o resto da vida

Extensão universitária mostra aos alunos novas realidades e possibilidades da comunicação

O Núcleo de Comunicação e Educação Popular (Ncep) e suas diretrizes extensionistas têm contribuído fielmente para a aproximação entre universidade e sociedade, tão necessária nestes dias em que a produção acadêmica é alvo constante de ataques políticos e desinformação. Mas que impactos reais o projeto tem feito nas nossas vidas e na vida das pessoas?

Nós que participamos da gestão 2020, ampliamos, diariamente, a nossa visão sobre comunicação e o comunicar. Afinal, do que vale a informação se ela não chega para todos? Ela é real se calamos a periferia e grupos marginalizados na hora de retratar a realidade? No Ncep, não aprendemos uma forma alternativa de produção midiática, vivemos na pele o que é, ou pelo menos o que deveria ser, a produção midiática, em uma relação de troca com nossos parceiros.

O projeto surge com as ferramentas necessárias (oficinas, equipamentos, rodas de conversa) e eles produzem materiais de um impacto singelo, mas muito visível. Nosso trabalho é, semanalmente, fazer a comunicação chegar em lugares que não encontram espaço na mídia homogênea de forma democrática. É dar um impulso para que esses grupos possam contar suas histórias: gravar um podcast, produzir uma revista ou publicar até mesmo um livro de crônicas. 

Além desses impactos no público, o Ncep marca a vida dos extensionistas de forma singular. Todo ano é uma tristeza diferente quando algum aluno deixa a gestão para explorar novas experiências na graduação. Quando saem, a experiência da extensão em comunicação popular e educomunicação vai junto, na bagagem. Carregam os efeitos desse pilar da Universidade Pública nas aulas, nas pesquisas e nos estágios. É impossível não se sensibilizar com o trabalho dos nossos parceiros e com a sua busca por um mundo melhor. 

E é isso que também aprendemos e queremos alcançar, como jornalistas, publicitários ou relações públicas. Mônica Santos, estudante de jornalismo, por exemplo, quer “escrever, documentar, informar em uma linguagem que todos entendam, que não exclua ninguém”. Para a Giovana Frioli, aluna do mesmo curso, o Núcleo possibilitou enxergar a comunicação como “um potencializador das discussões sociais e das reflexões sobre o acesso aos direitos, […] e que deve ser feita em parceria e em conjunto com seu público, a fim de aproximar e humanizar”.

Engana-se quem acredita que se doar para um projeto de extensão vai prejudicar o desempenho em outras atividades acadêmicas. “Foi um relacionamento recíproco entre as aulas e o núcleo. As disciplinas me fizeram pensar mais abertamente sobre as oficinas, e os projetos trouxeram sentido e motivo para o conteúdo teórico. O núcleo também me moldou como pessoa”, conclui Tayane Melo, estudante de Publicidade e Propaganda, curso estigmatizado pelo viés mercadológico da profissão.

É comum que estudantes se surpreendam com o outro lado dessa forma de comunicar quando integram a gestão do projeto. Com o Marcos Eduardo, não foi diferente: “O Ncep me fez ver a publicidade além do olhar mercadológico, esse olhar de vendas. […] Quando as atividades começaram a rolar, entendi que existe um lado muito mais humano na comunicação e na publicidade”. Ele acredita que foi a experiência mais completa e enriquecedora que viveu dentro da Universidade.

A relação entre comunicação, poder público e periferias também passa a ser vista com outros olhos depois que conhecemos nossos parceiros, surge uma nova percepção da vida em comunidade e de seus desafios enquanto população invisibilizada. Para Hiago Rizzi, o aprendizado tem sido útil em seu trabalho: “Entender que a cidade também é feita de periferia e que o poder público está falhando com as comunidades enquanto tenta construir uma imagem de qualidade de vida, […] me faz a cada dia colocar em cheque para quem estou comunicando.”

* Todos os relatos colhidos são de ncepers das gestões 2018 e 2019, de quem recebemos conhecimentos e trocamos experiências. A todos que já fizeram parte do Ncep, nossa admiração, agradecimento e torcida por sucesso. 

Leia mais sobre o Ncep:

Um novo jeito de ver a periferia

Educando o olhar

Vila Torres: Um lugar de pertencimento

A reinvenção do projeto de extensão

Humanidade estrangeira na extensão

Quando a amizade é a melhor terapia

Na saída, aprendizados para o resto da vida

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias