Chapa derrotada contesta eleição na UFPR | Jornal Plural
4 set 2020 - 12h10

Chapa derrotada contesta eleição na UFPR

Candidato que teve 14% dos votos entra com impugnação da consulta feita à comunidade acadêmica. Mais de 17 mil professores, alunos e técnicos votaram

A chapa derrotada na consulta à comunidade acadêmica da UFPR entrou nesta quinta-feira (3) com um recurso para tentar anular a votação. O atual reitor, Ricardo Marcelo Fonseca, candidato à reeleição, teve 83% dos votos na consulta, e deve encabeçar a Lista Tríplice que será enviada ao presidente Jair Bolsonaro.

A chapa encabeçada pelo professor Horácio Tertuliano, de oposição, apresentou nesta quinta uma impugnação formal dizendo que o processo de votação eletrônico pode não ter seguido os protocolos de segurança necessários. Em função da pandemia, todo o processo foi realizado pela internet.

Os argumentos apresentados pela Chapa 1 para contestar os resultados vão desde uma suposta falta de transparência (o candidato reclama, por exemplo, de não ter recebido os e-mails dos eleitores para verificação, e de ter recebido a lista de votantes só um dia antes da eleição) até uma possível contaminação dos dados por arquivos previamente instalados no computador que fez a totalização dos votos.

Tentando nomeação de Bolsonaro

A chapa que agora contesta a eleição aparentemente pretende manter sua candidatura na Lista Tríplice a ser enviada ao presidente para seleção do novo reitor. Tradicionalmente, o candidato derrotado se retira da disputa, numa forma de respeito à vontade da comunidade acadêmica. A atual eleição contou com mais de 17 mil eleitores, dentre professores, técnicos e alunos.

A proximidade ideológica entre o grupo de Horácio Tertuliano e o presidente Jair Bolsonaro faz crer que, mesmo tendo sido derrotada na consulta com uma diferença grande de votos, a Chapa 1 pretende ser nomeada para a Reitoria da UFPR. O mandato do novo reitor se inicia em dezembro e dura quatro anos.

Horácio Tertuliano, que é diretor do Setor de Tecnologia, vem afirmando que a universidade é doutrinadora, dominada pela esquerda, e que é excessivamente assistencialista. Sua vice, professora Ana Paula Cherobim, chegou a defender a cloroquina e a chamar o coronavírus de vírus chinês.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias