Vacina contra Covid-19 será testada em outubro no PR | Jornal Plural
4 set 2020 - 15h03

Vacina contra Covid-19 será testada em outubro no PR

Voluntários são profissionais de saúde; testagem na população está prevista para início de 2021

Estudo publicado nesta sexta-feira (4) pela revista The Lancet, uma das mais importantes publicações científicas do mundo, abriu a “caixa-preta” da vacina russa contra a Covid-19 e mostrou que o imunizante é capaz de produzir anticorpos sem provocar reações graves. Os resultados foram recebidos com particular empolgação pelo governo do Paraná, que, mesmo antes do compartilhamento público das primeiras evidências, já havia fechado acordo com a Rússia para testar e, futuramente, produzir a vacina no Estado.

Se não houver mudança nos trâmites, os testes devem começar em outubro. Uma possível testagem em massa dos paranaenses é prevista para o começo do próximo ano e a produção da vacina por aqui pode começar no segundo semestre de 2021.

“Esse artigo é muito importante e responde eventuais dúvidas”, afirmou, em coletiva virtual de imprensa, nesta sexta-feira (4), o diretor-presidente do Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), Jorge Callado. “Os resultados dizem que as reações adversas são as mínimas possíveis e que o potencial de imunização é bastante satisfatório. Isso é importante para dar sequência ao que estamos fazendo”, disse ele.

Até então, uma série de dúvidas sobre a eficácia da Sputnik V, nome dado à vacina, pairava entre a comunidade científica. Em 11 de agosto, o governo russo surpreendeu o mundo ao registrar o primeiro imunizante contra a Covid-19 antes de divulgar as respostas das fases 1 e 2 – agora mostrados pela The Lancet – e da realização da fase 3 dos ensaios clínicos, que tem doses em larga escala. Um dia depois, o Paraná já anunciava ter dado início a tratativas de um possível acordo de testagem e produção do imunizante no Estado.

Agora, com parte dos resultados publicada, o governo de Ratinho Jr (PDS) respira aliviado. O Tecpar informou previsão de testar 10 mil pessoas no Paraná ao longo da fase 3 dos testes, que devem começar em outubro. Pelo trâmite, o grupo de pesquisadores debruçados sobre os resultados – já compartilhados com o governo do Estado há 18 dias – devem submeter à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) o pedido de autorização para os ensaios até o fim de setembro. Entre a liberação e o começo dos testes, são cerca de 45 dias.

Testes

Em um primeiro momento, os voluntários serão servidores de saúde dos Hospitais Universitários geridos pelo Estado. No entanto, o instituto não descarta trazer para este universo pessoas de outros grupos de risco.

“Poderão ser idosos, hipertensos, diabéticos, os que se encaixam nos protocolos que definem o grupo de risco. Não necessariamente eles terão que ter algum vínculo com órgãos do governo do Estado”, declarou Callado.

Cada voluntário receberá duas doses, em um intervalo de 21 dias. Os lotes com a vacinas só chegarão ao Paraná após a autorização da Anvisa e não serão comprados, mas doados pelo instituto financiador da vacina na Rússia, o Gamaleaya. Os primeiros indicadores de eficácia, imunização e segurança começam a ser coletados cerca de 60 dias após a aplicação da primeira dose.

O cronograma estipula três meses para os ensaios clínicos. Se os resultados forem satisfatórios, e a Anvisa registrar o imunizante, a população paranaense pode começar a receber as doses no início do próximo ano.

Produção

Ainda faz parte do acordo com a Rússia tornar o Paraná o polo de produção da vacina no Brasil – em caso de eficácia e segurança comprovadas e de uma possível liberação e registro do imunizante pelos órgãos competentes.

Para isso, o acordo prevê transferência de tecnologia para o Paraná. O Tecpar acredita que, se não houver intervalos maiores entre os protocolos necessários, a produção das doses por aqui pode começar já a partir do segundo semestre de 2021.

“A transferência de tecnologia é fundamental para a produção das vacinas e ela tem várias fases, algumas mais e outras menos complexas. Vai desde o envase até receber o insumo farmacêutico ativo. Para atender toda a demanda, o Paraná terá que passar por adequações nas suas plantas de produção e consórcios com outras fabricantes não estão fora do nosso planejamento”, pontuou o diretor do Tecpar.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias