Servidores protestam contra congelamento de salários | Jornal Plural
26 ago 2020 - 20h45

Servidores protestam contra congelamento de salários

Pressão é para retirar da pauta da Alep projeto que impede reajuste e progressão de carreira

Com cruzes, equipamentos de proteção individual e muito barulho, servidores públicos estaduais protestaram nesta quarta-feira (26), em Curitiba, contra a proposta do governo Ratinho Jr (PSD) para congelar salários do funcionalismo público até dezembro de 2021. O projeto, que também pretende impedir promoções e progressões de carreira, pode entrar na pauta da Assembleia Legislativa (Alep) na próxima semana.

O ato foi em frente ao Palácio Iguaçu, no Centro Cívico. “Nós denunciamos nesse ato protocolar, com todas as precauções para prevenção de infecções pelo novo coronavírus, a falta de diálogo com os servidores, tanto por parte do governador quanto da Assembleia Legislativa”, afirma Hermes Leão, presidente da APP-Sindicato.

“Nesses cinco meses de pandemia, usando o pretexto da diminuição na arrecadação, o governador editou decretos e enviou propostas para a Alep que atacam diretamente os servidores, retirando seus direitos. Com a Assembleia não foi diferente, os deputados nos traíram e ignoraram acordo para que não fosse votado nenhum projeto de retirada de direitos”, enfatiza o sindicalista.

Segundo a coordenadora do Fórum das Entidades Sindicais (FES), Marlei Fernandes, já existe entendimento de que não é necessário congelar direitos dos servidores, inclusive com parecer da Procuradoria Geral do Estado. “O governo segue atacando funcionárias e funcionários públicos de um lado e de outro concedendo isenções fiscais que chegam a R$ 11 bilhões por ano para grandes empresas e grandes proprietários de terras”, diz ela.

A manifestação lembrou a campanha do FES ‘A vida está acima do lucro’, iniciada em março com o ‘Manifesto em favor da vida, do SUS e dos serviços públicos’. Os servidores do Paraná também lembraram o 30 de agosto de 1988, quando o então governador Álvaro Dias reprimiu ato pacífico de professores com bombas, cães e com a cavalaria da Polícia Militar.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias