Por que, mesmo com o frio intenso, os abrigos de Curitiba têm vagas sobrando? - Jornal Plural
29 jul 2021 - 19h22

Por que, mesmo com o frio intenso, os abrigos de Curitiba têm vagas sobrando?

O Plural ouviu os dois lados para entender a rejeição das pessoas em situação de rua aos serviços da FAS

Não é novidade que a população em situação de rua parece uma pedra no sapato de Rafael Greca, que volta e meia faz uma fala torta ou apresenta um projeto de lei que dificultaria a vida dessas pessoas. Nos últimos dias, em suas redes sociais, o prefeito lamentou algumas vezes os “leitos aquecidos livres” da Fundação de Ação Social (FAS). Na semana passada, o site da Prefeitura de Curitiba também anunciou que todas as noites sobram vagas nos abrigos do município, sem ouvir quem se nega a aceitar ajuda do serviço público.

“É muito complexo isso, né?”, avalia Vanessa Lima, do Projeto Mãos Invisíveis, que desde 2017 atende a população vulnerável da cidade. “Eu acho que a partir do momento que você tem a baixa adesão que a FAS tem, o mínimo que deveria acontecer é uma autocrítica. É preciso se questionar e efetivamente buscar saber por que o pessoal não adere ao serviço. Há todo um histórico de negação.”

O Plural quis saber por que, afinal, mesmo com as temperaturas baixas, sobram vagas nos abrigos. Fomos buscar respostas com quem entende do assunto: Soraia (nome fictício, a pedido da entrevistada), que vive em situação de rua em Curitiba há mais de três décadas; Vanessa, que além de liderar um projeto especializado e estar em contato com o público-alvo da FAS, já dormiu nos abrigos e pode dizer como eles funcionam; e a própria FAS, responsável por essas casas.

500 camas vazias por noite nos abrigos

A FAS nos disse que possui 27 unidades de atendimento – oficiais e parceiras – com capacidade para abrigar 2.047 pessoas em uma única noite. Três dessas unidades têm canis para atender os animais das pessoas em situação de rua, além de ração e água à disposição. São, ao todo, 18 vagas. “Os animais são levados para as unidades junto com seus donos e o transporte é feito em caixas para pets que existem em todas as kombis do Resgate Social”, fala a assessoria, ressaltando que os bichinhos recebem atendimento da Rede de Proteção Animal.

“Nas Unidades de Acolhimento Institucional (UAIs), os abrigados são acompanhados pelas equipes técnicas, que desenvolvem planos individuais de atendimento. O objetivo é fazer com que eles consigam fazer novos planos de vida e sair das ruas. Eles participam de atividades coletivas direcionadas ao processo de autonomia, participam de cursos e capacitações (neste momento on-line) para elaboração de currículo para busca de emprego”, segue o órgão.

Segundo a assessoria, em todas as UAIs são servidas quatro refeições por dia, com alimentos fornecidos por empresa contratada. “A FAS possui uma nutricionista que faz o controle nutricional dos alimentos servidos. Nos hotéis sociais, café da manhã e jantar (pessoas saem para trabalho durante o dia). Nas Casas de Passagem, café da manhã, almoço e jantar. Na UAI Boqueirão, por exemplo, a coordenação faz contato com empresas para auxiliar na busca do emprego, todos os usuários têm cama individual, armários individuais, recebem 4 refeições diárias e vale-transporte para busca de emprego.”

Mesmo assim, a recusa é grande. Em média, 500 camas ficam vazias por noite. Levantamentos internos da FAS apontam como principais motivos: a burocracia (normas das unidades, horários para chegada, alimentação, banho); vestuário; percurso até unidades; segurança (ameaça, brigas, inclusive de territórios); e alimentação.

Violência e sopa aguada nos abrigos

Soraia cita quase todas as razões mencionadas pela própria FAS para não buscar atendimento. Ela passou por várias unidades, mas teme principalmente pela falta de segurança. “Antes, na Conselheiro Laurindo, a Guarda Municipal ficava lá na frente. Hoje em dia nem isso tem mais. Se acontece alguma coisa, tem que ligar pra eles, então, resumindo, até a polícia chegar, já deu merda”, conta.

“Você não tem segurança nenhuma lá dentro. Se você quer acordar com o seu tênis, tem que colocar embaixo do travesseiro. Já vi várias ocorrências de pessoas que foram dormir em albergues e não acordaram mais. Por quê? Vamos dizer assim que eu tenho uma rixa com outra moradora de rua e a gente vai dormir no albergue. Na madrugada ela pode me matar sufocada. Ninguém vê nada. Já vi muitas situações desse tipo, principalmente na ala masculina.”

As condições de higiene, na opinião de Soraia, são precárias. “Escova você tem que ter a sua. Se você não tiver pasta, eles dão um pouquinho. Kit higiene não tem. Você tem direito a um banho com um pedaço de sabonete. Eles cortam o sabonete no meio e aquela metade é dividida em mais três pedaços. Não tem xampu, condicionador, nada. Só o sabonete. A água é quente, mas depende do lugar e do horário. Tem um horário que a água está morna, praticamente fria.”

Ela ainda se queixa da péssima alimentação ofertada. “É só uma vez por dia. Comida boa que vai pra lá também não é dada pros moradores de rua, eles dividem entre eles. Se você comer a sopa que é dada, você fica de cara. Dava pra dar uma comida bem decente, um arroz e feijão bem bom, mas não, eles dão uma sopa aguada, com alguns legumes e sem tempero.”

É por isso que, para ela, vale mais a pena ficar na rua do que aderir ao serviço da FAS. “A gente que é morador de rua sempre procura ficar no mesmo lugar, pras pessoas saberem que a gente não é má influência. Aí a pessoa pega confiança em você e sempre vem perguntar se você almoçou, se tem agasalho… A gente trata o povo como o povo trata a gente. Quando começa a gear, como a gente já conhece algumas pessoas ali, chega e fala: você não sabe quem tem um colchão, um cobertor pra dar? Eles próprios dão pra gente.”

Foi a solidariedade da população que manteve Soraia viva durante todos esses anos. “Ajudar não faz mal a ninguém. Tem um velho ditado que diz assim, ó: fazer o bem sem olhar a quem. Importa que Deus conhece o seu coração e sabe que você fez na boa intenção. O que a pessoa faz com a sua ajuda vai te fazer deixar de ajudar?”

Desgosto e despreparo

“Quando a gente fala sobre a população em situação de rua, a gente tá falando sobre uma população que já vive todos esses percalços de não conseguir administrar o domicílio, de dormir na rua, o vento, o frio, o papelão molhado e todas essas peculiaridades”, começa Vanessa, responsável pelo Projeto Mãos Invisíveis.

Para ela, o principal problema da FAS é a falta de treinamento dos servidores para as necessidades reais do público-alvo. “As pessoas que são alocadas pra trabalhar como educadores sociais ou que estão dentro da FAS, não são pessoas que gostam da população em situação de rua ou que recebem algum tipo de treinamento pra que esse atendimento seja humanizado. Então é sempre muito truculento, né? Eles são vistos assim como a sociedade os vê, num senso comum que julga de uma maneira completamente errada e não tem nenhum tipo de treinamento que faça com que isso mude.”

As abordagens são o segundo ponto crítico apontado pela líder do projeto social. “Todas as abordagens são feitas em parceria e acompanhadas pela Guarda Municipal, que historicamente tem vários relatos de truculência e de violência contra a população em situação de rua. Então quando a Kombi chega, chega junto com a Guarda Municipal pra fazer a abordagem e ver se aquela pessoa quer ou não ir pro acolhimento”, diz, indicando que as pessoas se sentem intimidadas.

“Em Curitiba, não tem acolhimento, hoje, funcionando, que possa receber cachorros, por exemplo, de médio ou grande porte”, ressalta. “Tem, teoricamente, mas não está funcionando, e existem vagas lá no Bairro Novo pra pessoas em situação de rua que têm cachorro de pequeno porte, cinco vagas. Então, se você tem o seu animal, você não tem pra onde ir. Se você tem companheiro ou companheira, também não, porque não existe nenhum abrigo que contemple casais. Existem algumas vagas no Bairro Novo que são prédios no mesmo lugar, mas são prédios diferentes, onde fica o homem de um lado e a mulher do outro.”

Para Vanessa, os horários rígidos das casas terminam de dificultar o acesso. “Se você não for na abordagem espontânea, que é aquela que eles fazem nas ruas com a kombi, ou se não for alguém ligando pro 156 pra você ser abordado, você precisa ir pra uma fila e pegar um voucherzinho pra poder ter acesso a essa casa de passagem. Ela tem um horário pra entrar, que normalmente é até 18h, aí lá dentro servem uma sopa muito ruim ou pão com mortadela.”

O resultado é que as pessoas perdem as ações sociais da sociedade civil, que geralmente se organiza à noite, com maior qualidade. “Eles perdem a boca do rango, que é como eles chamam – tanto nas regiões centrais como periféricas – as comidas mais elaboradas, que a galera das ONGs e da sociedade civil leva, além de doação de roupas, enfim… Tudo isso pra chegar na FAS às 18h.”

“Conforme você vai ficando mais bonitinho, você tem acesso a serviços um pouco melhores. Você pode chegar, sei lá, até 21h na casa. De qualquer forma, você precisa sair no máximo até 7h30 da manhã”, aponta. “Então, por exemplo, a pessoa está com frio de madrugada no Centro. Chega a abordagem, pega essa pessoa, leva pra um dos abrigos da Prefeitura, ela toma um banho, deita, e invariavelmente vai ter que sair na manhã seguinte. Hoje, em Curitiba, não existe nenhum serviço aberto que atenda essa população durante o dia.”

Por todos esses fatores somados, ela critica a posição desinformada do prefeito. “Imagine só: a pessoa é abordada, vai parar no Bairro Novo, depois tem que voltar pro Centro, que é onde ela consegue dinheiro, bico, resto de comida, enfim, pra depois voltar pra lá?”, questiona. “É muito irônico você pensar que uma pessoa que passa por todos esses percalços ainda prefere ficar na rua do que se sujeitar a esse tipo de coisa.”

Serviço

Viu uma pessoa passando frio e quer ajudar? Pergunte a ela como ela gostaria de ser ajudada. Caso ela aceite a ajuda da Prefeitura, ligue para o 156. Senão, a melhor opção é oferecer cobertores e roupas de frio, além de alimentação.

O Projeto Mãos Invisíveis também recebe doações para viabilizar seu trabalho. Clique aqui e saiba como ajudar.

Contrapontos

Na segunda (1), após a repercussão, a FAS se posicionou sobre pontos mencionados na reportagem. Os tópicos abordados pela assessoria estão listados abaixo.

– A média diária de atendimento é de 1.200 pessoas em situação de rua.

– A média diária de recusas de acolhimento é de 80 pessoas, o que representa 6,6% do público abordado.

– Todos os acolhimentos do município possuem segurança da Guarda Municipal. São 2 servidores em cada turno que trabalham em turnos de 12×36 horas.

– Todos os acolhimentos possuem guarda-pertences, ofertando com segurança este serviço.

– Não existe registro de ocorrência de pessoas que foram dormir em abrigos e não acordaram mais.

– Todos os acolhimentos ofertam produtos de higiene pessoal, banho e roupas limpas.

– Através de programação de educação permanente, os servidores são capacitados para o serviço.

– Os horários nos acolhimentos são flexíveis e repassados ao conhecimento de todos. Todos funcionam 24 horas, sem a obrigatoriedade de desocupação com exceção dos hotéis sociais que funcionam diariamente das 18 às 9 da manhã (pernoite).

– Toda alimentação é ofertada por empresa terceirizada através de marmitex, sendo de uso exclusivo às pessoas acolhidas acompanhadas por nutricionista. Existe cardápio com programação mensal, com oferta de refeições especiais apenas para pessoas com necessidade de dietas especiais.

– Além disso, a o município desenvolve o programa Mesa Solidária que já garantiu 424 mil refeições gratuitas para a população em risco social desde o seu lançamento em dezembro de 2019. A iniciativa do município tem garantido dignidade à mesa para pessoas que vivem em situação de rua, desempregados e idosos carentes. No Mesa Solidária, todos podem se alimentar em lugares limpos e confortáveis.

– No dia a dia, as abordagens sociais da assistência social envolvem apenas educadores sociais da Fundação de Ação Social (FAS) e seguem solicitações que chegam à Central 156 ou por meio de busca ativa ou roteiros de busca em áreas pré-determinadas. As únicas abordagens acompanhadas pela Guarda Municipal acontecem durante as chamadas Ações Integradas, que são desencadeadas pelas Administrações Regionais e contam com a participação de representantes de outras políticas públicas, entre elas a Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

– A FAS possui três unidades que possuem 18 vagas em canis, além de casinhas para cachorros produzidas pela marcenaria da fundação. Em função da caraterística do animal, os gatos podem ficar soltos. Nas unidades que possuem canis, os animais recebem ração e água e podem dormir com cobertores. Todos são periodicamente acompanhados pelas equipes da Rede de Proteção Animal, da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, para vacinação, aplicação de vermífugo, antipulgas e chip, além de entrarem na fila para castração. Os animais são levados para as unidades com seus donos e o transporte é feito em caixas para pets que existem em todas as Kombis do Resgate Social. Mas há situações em que cachorros e gatos chegam aos abrigos com protetores que fazem busca espontânea ao serviço. Desde o início da Ação Inverno – Curitiba Que Acolhe, em 15 de maio, as unidades do município fizeram 485 atendimentos a animais de estimação.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

38 comentários sobre “Por que, mesmo com o frio intenso, os abrigos de Curitiba têm vagas sobrando?

  1. Parei de ler quando uma pessoa que “prefere” morar na rua reclama que no acolhimento não tem xampu e condicionador pro cabelo…

    1. E só pq ela mora na rua não tem direito!!! Ela não pede marca, pede o necessário, ou vc acha que 1/6 de sabonete é o suficiente? Tenha empatia, são seres humanos assim como eu e você, apenas oq diferencia é a situação no momento!!!

    2. Vc lava o cabelo com xampu princesa?? Conseguiria lavar com um pedacinho d sabonete q não dá nem pro corpo direito? Haaa taaa, mas é pq vc deve ser bem melhor q a entrevistada neh bonecaaaa

      1. Só levo em conta a opinião de um político quando ele é usuário daquilo que ele defende… A partir do momento que o greca habitar nessas casas nas mesmas condições do pessoal que mora na rua ele vai poder dar uma opinião bonitinha a respeito.

  2. Fico triste ou ouvir um único relato para justificar o número de camas vazias da Fas. Em nenhum momento foi sitada a dependência química e dificuldade das pessoas em situação de rua com a abstinência. Este é um grande problema, muitos tentar acessar as casas de passagem, mas antes mesmo de irem para a cama pedem para sair alegando ” fissura “. Infelizmente uma fatia grande dessa população tem dependência química. Um único relato não trás a realidade vivida diariamente ☹️

  3. Parabéns pelo excelente artigo, Jess! Isso dá uma luz enorme numa situação quase invisível na cidade. Me pergunto se não valeria a pena continuar isto com uma enquete voltada pras pessoas em situação de rua, a fim de entender como reformar a FAS para melhorar seu atendimento.

    1. Acho muito válido ouvir mais pessoas sim, convido a passar o dia em uma das unidades sem se identificar e ai sim ver o real atendimento prestado a população em situação de rua.

  4. Tem muitas inverdades nesse texto, antes de publicar algo assim, seria bom confirmar essas informações…essa pessoa da ong, não fala o que realmente acontece, todas as kombis tem caixas para recolher os animais de estimação… se quer publicar notícias sérias, é melhor confirmar as informações, quem sabe visitando os lugares de acolhimento…

    1. Quarto parágrafo da reportagem: ““Os animais são levados para as unidades junto com seus donos e o transporte é feito em caixas para pets que existem em todas as kombis do Resgate Social”, fala a assessoria, ressaltando que os bichinhos recebem atendimento da Rede de Proteção Animal.”

  5. Coordeno o “Domingo Fraterno Ação Solidária”. Tudo que está nessa excelente reportagem está correto. Não deixamos e atender aos domingos e quartas-feiras porque não julgamos os que decidem ter melhores chances nas ruas. A FAS tem que ser priorizada e recursos não faltam, mas sim vontade política. Se sua equipe quiser dar um giro na noite de domingo conosco, poderá documentar melhor a situação.

      1. Oi Gabriela. Desculpe, mas não fui notificada de sua resposta. Meu whatsapp é 99875-9500. Será um prazer poder esclarecer.

  6. Jess, ainda tem aqueles moradores de rua que são trabalhadores da reciclagem, que têm seu carrinho. Esses são excluídos totalmente, porque não tem nenhum abrigo que permita a entrada com o carrinho e que ofereça segurança pro unico bem que a pessoa possui, além de não haver transporte pra isso. (um carrinho não cabe numa kombi).

    1. Se o prefeito invés de comprar água são peregrino as nossas custas, poderia comprar kit higiene para os moradores de rua. Tipo aquele dado nos motéis. Mas cadê a boa vontade política. Mesmo sendo eles moradores de rua eu acho que ela tem direito de querer um shampoo e um condicionador. Não, está errada ela.

  7. Mais essencial que a política publica em funcionamento é o modo da relação dos profissionais com as e os usuários e usuárias – Por isso muitas pessoas acabam confundindo tudo e não defendendo o serviço publico, que nas áreas mais vulneráveis, são atendidas pela maioria de pessoas que não gostam do que fazem e não acreditam no que estão fazendo. é lamentável, parabéns ao jornal pela matéria.

  8. ótima matéria, bem explicativa.

    Eu achava que os mendigos não gostavam de ir pro albergue pq eles eram obrigados a tomar banho! kkkkkkk

    1. Pois também criticava muita paz pois fui conhecer o seu trabalho pois acho que hoje o morador de rua tem muitas regalias que um pai de família não tem pois tem pouca responsabilidade pois não querer cumprir regras achar que pode pôr uma droga das unidades achar que pode fazer o que quer é por isso que ele não quer ajuda eu se eu fosse a prefeitura convidaria esse jornalista para passar um dia de como funciona a unidade da fas antes de falar bosta conhecer o seu trabalho do que criticar sem saber a verdade …

  9. Muito legal! Sempre me perguntei onde as pessoas iam parar, não sabia que tinha esse tipo de atendimento, ainda que precário e destoante da realidade!

    1. A gente não quer só comida
      A gente quer comida
      Diversão e arte
      A gente não quer só comida
      A gente quer saída
      Para qualquer parte… ( Arnaldo. Antunes – Titãs)
      Eu acrescentaria aí, A gente quer trabalho educação e fé

  10. Deixei de ler quando a pessoa disse que está mais segura na rua do que no abrigo.
    Se ela está a 3 décadas na rua é porque não tem vontade de sair.

  11. Deprimente ler tanta abobrinha. Conheço o trabalho da FAS. A Fundação pode até ter o recurso, mas as pessoas que estão na ponta, ou seja, que trabalham diretamente com a população de rua, é que sabem a dificuldade do convencimento para uma atuação mais efetiva. É muito fácil dar comida e cobertas. Agora tentem trabalhar os individuos e suas famílias. Essa é a questão.

  12. Uma única moradora de rua foi entrevistada para a matéria, e ainda dizem que ouviu todos os lados? Sinceramente esperava bem mais dessa matéria. E essa mulher só sabe reclamar, quer dizer que na rua ela tem shampoo e condicionador para o cabelo, bainho quente e um sabonete só para ela. Então é melhor ficar na rua sem um teto, do que se abrigar do frio? è isso mesmo?
    Claro que sempre pode melhorar, quem sabe algum motel possa patrocinar quites de higiene individual. Sabemos que se a faz compra escovas de dentes para todos os moradores de rua receberem uma escova todos os dias novinha, irá faltar para alimentar e manter os abrigos abertos, assim como para sustentar sabonetes e shampoos condicionadores novos todos os dias para todos tornará o abrigo inviável para qualquer entidade. É para ser um lugar de passagem para que a pessoa mude sua situação, e não moradia gratuita e com benefícios. Como a moradora mesmo disse, conforme você vai ficando bonitinho(tomando rumo na vida) vai tendo acesso a mais benefícios. A FAS é para ajudar e não para sustentar pessoas em situação de rua. Ingatidão, é assim que se fala?

    1. Tenho que concordar com vc. Apesar de entender a situação dos moradores de rua, cada um com suas particularidades e problemas, é difícil entender o que leva uma pessoa a ficar 3 décadas na rua e ainda reclamando do que é oferecido. Já participei de entidades para levar alimento e ouvido a essas pessoas, e confesso que o que ouvi estava muito alem de financeiro, muitas pessoas que conversei carregavam muitas mágoas, falta de perdão, odio de seus familiares, alem de muitas crenças limitantes. Acredito que ajudar essas pessoas vai muito além de comida e cobertor, muitas dessas pessoas não tem acolhimento entre os seus, tem dificuldades com elas mesmas, além de vícios com álcool e drogas. De muitos que vi nos abrigo meu coração ficou quentinho por uma família que estava se programando para sair para sua casa de aluguel naquele mês, o marido tinha arrumado emprego e eles estavam conseguindo sair da situação precária e o albergue tinha ajudado muito eles. Não é uma crítica, somente um comentário, mas acredito que quem realmente quer a pessoa consegue sair se alguém estender aos mãos,mas infelizmente vemos muitos que não querem, só aguardam ajuda da população. Enfim, é a vida, cada um tem seu livre arbítrio para viver essa jornada vida como achar melhor, então aprendi a ajudar sem julgar, mas ainda assim acredito que precisaríamos ensinar a pescar e não dar o peixe.

    2. Perfeito comentário , Extremamente sensato , infelizmente a sociedade está assim , falar bonitinho é o que dá Ibope. Falou a verdade , doa a quem doer, logo vem os militantes de plantão do mundinho lindo da Alice no país das maravilhas te criticar e te cancelar. (Aguarde logo chegarão aqui)
      Voltando a matéria realmente é complicado de entender alguém reclamar de algo (fas) , estando em um lugar que sem dúvida é muito pior (rua).
      Se alguém tem alguma dúvida disso que o faça o teste… Se entrevistar qualquer cidadao pobre de um país africano e contar essa história no mínimo ele classificará uma pessoa dessas de ingrata.

    3. Eu também não entendo como uma pessoa pode preferir a rua do que um abrigo, nem como pode ser mais segura, pois da mesma forma que podem roubar ou ferir dentro da FAS, não vejo porquê na rua seria diferente.
      Agora funcionários comerem as comidas doadas e darem sopa rala para os moradores de rua é INACEITÁVEL. Sempre elogiei o programa de acolhimento do Greca, mas se quer fazer propaganda, dê condições mínimas e humanas às pessoas. Se eu fosse moradora de rua também não iria para essa palhaçada.

  13. Acho difícil repudiar ou enaltecer um dos lados, mas acredito que trabalhar com esse pessoal que mora nas ruas seja realmente difícil mas ainda assim são pessoas que merecem respeito

  14. Se a prefeitura desse sabonete, condicionador, cremes para o corpo, pet para os cachorros, seguranca armado e a palmerinha fazendo a comida deles ….ainda assim reclamariam pois a jntencao de grande parte destes “vulneraveis” é nao sair da rua.

  15. Fui cobrador de onibus e diversas vezes cobrei no FAS.
    Não é bem assim, os moradores de rua me falavam que no FAS não deixavam tomar cachaça por isso não iam no abrigo.

  16. A realidade é que, mesmo que dessemos a melhor vida ou todo conforto possível, eles não aceitam, pois na rua eles se sentem livres, onde podem : usar drogas, só comer e dormir, beber bebidas alcoólicas a vontade, porque muitas pessoas achando que estão ajudando , dão dinheiro a eles. Em muitos países, quando alguém passa a morar na rua , eles são ajudados com empregos, um lugar para morar, e se necessário, um tratamento psicológico. Também, as pessoas são proibidas de ajudá-las a permanecer na rua dando comida e dinheiro. No Brasil é assim, nós não ajudamos a situação dessa gente, por dar comida e dinheiro a eles. Devemos dar a vara de pesca e não o peixe

  17. Então se a rua é mais confortavel e quentinha nessas madrugadas geladas de Curitiba do que nos abrigos então boa sorte para eles já que preferem isso fui!!!

  18. Tanto trabalhador levantando as 5 h da manhã com 0 graus e indo buscar seu 1 salário mínimo pra sustentar uma família, 2, 3 as vezes até mais pessoas, chega no fim do mês não tem um sabonete ,uma mistura pra fazer uma sopa, ou um pão com mortadela pra dar pros filhos e esse povo fazendo alvoroço pq os moradores de rua não tem shampoo nos abrigos por isso não vão pra lá. Aff.. vão lavar uma louça.

  19. Acho que a reportagem está certa, e acredito que além de sabonete inteiro, shampoo e condicionador eles deveriam ter direito também a uma sala de lazer com sinuca, piscina aquecida (que nesse frio é complicado), churrasqueira, anfiteatro, e biblioteca. Sou a favor também de deslocarem metade da contingência policial da cidade para segurança armada do local, contratação de um renomado chefe de cozinha para uma alimentação mais digna e satisfatória. Se melhorar isso aí… Largo meu emprego e vou viver na rua também e a noite fico lá, se deixarem vou ficar o tempo todo, e vou ajudar a não sobrar vaga, e todo mundo vai ficar contente. Esse país é uma piada… Arrumem emprego para esse povo, nem que seja para capinar asfalto e paguem com metade do salário dos políticos, que está muito alto.

  20. Nem tudo que foi comentado na matéria e verdade ,conheço o trabalho da Fas e sei que nos locais de abrigo existe sim sabonete shampoo e até escova nova para escovar os dentes ,roupas para alguns que chegam com as vestes em situação precária ,e serviço Marmitex suco e frutas para almoço ou janta ,de manhã café com leite e pão com mortadela ,conheço muito pai de família que mesmo trabalhando não consegue colocar isso em casa ,seria legal se antes de publicarem a matéria fossem no local pra ver como funciona os albergues ,

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias