Deputado questiona Secretaria de Educação sobre violência em escolas cívico-militares - Jornal Plural
13 set 2021 - 17h46

Deputado questiona Secretaria de Educação sobre violência em escolas cívico-militares

Questionamento veio do deputado Tadeu Veneri (PT), que quer saber ainda quais medidas tomadas pelo governo em relação aos crimes

A Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed) terá de responder se está a par de possíveis outras denúncias relacionadas a crimes contra estudantes cometidos dentro das escolas cívico-militares do Paraná. O requerimento de informação foi protocolado pelo deputado Tadeu Veneri (PT), nesta segunda-feira (13), na esteira do escândalo registrado em uma escola do modelo no interior do estado.

Na sexta-feira (10), o Ministério Público do Paraná (MPPR) denunciou dois policiais militares aposentados pelos crimes de ameaça, vias de fato, violência arbitrária, submissão de adolescente a constrangimento, corrupção passiva e prevaricação. Um deles socou um aluno e ameaçou matá-lo depois de descoberto o desenho de uma folha de maconha e da inscrição da frase “vida loca” em uma carteira escolar. O caso foi em Imbituva, na região Centro-Sul do estado, onde os denunciados atuavam como monitor e diretor militar.

No documento, o deputado pede esclarecimentos à pasta sobre quais medidas foram tomadas pelo governo em relação aos crimes apontados pelo MPPR e também sobre o destino dos policiais e a consequência dos atos. Desde o dia do episódio até hoje, não há registros de movimentação dos militares no Diário Oficial do Estado. Pede-se ainda detalhes da manifestação da Seed perante a Promotoria de Justiça de Imbituva e sobre o que prevê o protocolo da secretaria em casos como este no modelo de ensino cívico-militar – um dos principais laços entre o governo Ratinho Jr. e o presidente Jair Bolsonaro.

Por fim, o documento quer saber ainda de outras possíveis denúncias que tenham alunos como vítimas nas instituições que operam hoje sob este modelo. Em todo o Paraná, desde o ano passado, 206 instituições passaram a ter um sistema de ensino compartilhado com valores da Polícia Militar.

Este é o segundo caso recente envolvendo violência de militares contra os alunos. Em agosto, outro policial foi preso por assediar alunas de uma escola de Francisco Beltrão.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias