31 ago 2021 - 15h31

Policial de escola cívico-militar é preso suspeito de assediar alunas no interior do PR

Um policial militar da reserva que integrava a equipe de uma escola cívico-militar em Francisco Beltrão, no Sudoeste do Paraná, foi preso na sexta-feira (27)…

Um policial militar da reserva que integrava a equipe de uma escola cívico-militar em Francisco Beltrão, no Sudoeste do Paraná, foi preso na sexta-feira (27) sob suspeita de abusar de alunas. O 21º Batalhão da PM cumpriu mandados de prisão e de busca e apreensão expedidos pela Justiça Militar. Na casa dele foram encontrados celulares, notebook, um colete balístico e 265 munições de variados calibres. O nome do suspeito e da instituição de ensino não foram revelados.

A investigação começou após denúncias de alunas que procuraram uma equipe policial que patrulhava a região escolar para saber se era praxe que policiais homens revistassem alunas mulheres. Ao serem questionadas sobre o motivo da pergunta, elas informaram que o militar, integrante da equipe escolar, estava constrangendo as alunas e aproveitando da situação para assediá-las.

Segundo os relatos, o militar ainda deu carona a diferentes alunas e, durante o trajeto, tentou assediá-las. Além das caronas e das revistas, as alunas relataram ter recebido mensagens via WhatsApp com conversas que não condizem com assuntos do colégio.

Denúncias anônimas também chegaram ao Ministério Público do Paraná, que informou ter “encaminhando ofício à Chefe do Núcleo Regional de Educação para que fossem tomadas as medidas necessárias e afastamento do diretor, bem como requisitou instauração de inquérito policial”. Na sequência, houve complementação das denúncias, enviadas pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos – Disque 100.

O militar foi imediatamente afastado, sendo que a delegada responsável pelo recebimento da requisição de instauração de inquérito policial entendeu se tratar de crime militar, de competência da Justiça Militar, razão pela qual os documentos foram encaminhados para o Comando do 21º Batalhão da Polícia Militar, sendo então instaurado o Inquérito Policial Militar, culminando com a prisão preventiva do investigado.

O MP destaca que os procedimentos são sigilosos, portanto não é possível indicar nomes dos envolvidos ou a instituição de ensino.

“A Promotoria de Justiça da Comarca de Francisco Beltrão manterá o acompanhamento por meio do Procedimento Administrativo acima mencionado, visando o encaminhamento das alunas envolvidas para atendimento psicológico”, diz o MP.

A Secretaria Estadual de Educação informou que a escola comunicou Núcleo Regional de Educação, que informou a SEED, que afastou o militar das funções na escola.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

2 comentários sobre “Policial de escola cívico-militar é preso suspeito de assediar alunas no interior do PR

  1. E uma vergonha aqui em Foz tornaram uma escola tradicional o Grupo escolar Bartolomeu Mitre em colégio militar sem respeitar a lei pois o estabelecimento de ensino está sob processo de Tombamento como patrimônio histórico e descaracteizaram está correndo no MP a questão

Deixe um comentário

Últimas Notícias

Vídeo que cita falhas já corrigidas nas urnas volta a circular fora de contexto

É enganoso um vídeo que circula sem contexto e mostra uma fala feita em 2018, no Supremo Tribunal Federal (STF), pelo advogado do Sindicato Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF Sindical) Alberto Emanuel Albertin Malta, sobre a impressão de comprovantes de votação. No discurso, o representante da entidade fala sobre falhas encontradas nas urnas eletrônicas que já foram corrigidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) antes de junho de 2018, quando a declaração foi repercutida. Essa informação não consta, no entanto, no vídeo investigado. O conteúdo voltou a circular em meio à aproximação do processo eleitoral de 2022

Projeto Comprova

Fies foi criado no governo de FHC, não na gestão Lula

É enganosa a publicação no Twitter da ex-participante do Big Brother Brasil (BBB22) Jessi Alves, que diz que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criou o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), programa que financia graduação em faculdade particular no Brasil. Lula expandiu o acesso ao programa, mas não o criou. A iniciativa surgiu ainda na gestão do presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), em 1999, após o fim do Crédito Educativo (Creduc), programa similar criado em 1975, durante o governo de Ernesto Geisel

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds