3 mar 2022 - 10h00

Novo “Batman” conta com um herói melancólico e mais humano

Nova versão do Homem-Morcego se afasta do mundo fantástico dos super-heróis para ocupar a realidade sombria e cínica do film noir

Quando Christopher Nolan lançou, em 2005, sua versão realista do Batman, poucos acreditaram estar diante de um dos filmes mais influentes dos anos 2000. Na época, “Batman Begins” foi um fracasso de bilheteria e só alcançaria o status de fenômeno cultural alguns anos depois.

Com “O Cavaleiro das Trevas” (2008) e “O Cavaleiro das Trevas Ressurge” (2012), a abordagem de Nolan se transformou no padrão dos sonhos dos executivos da Warner. Assim, o estúdio procurou reproduzir o sucesso da trilogia Batman em outras franquias. Isso explica o Superman que quebrou o pescoço do General Zod em uma Metrópolis em ruínas (“Homem de Aço”, de 2013) e um segundo Batman que assistiu à destruição que um ser todo poderoso poderia promover no planeta Terra (“Batman vs. Superman: A Origem da Justiça”, 2016).

Nenhum desses títulos alcançou o êxito financeiro desejado. Além disso, depois do fracasso de “Liga da Justiça” (2017), o estúdio passou a focar em filmes mais contidos, como “Coringa” (2019). Este, além de se sair bem nas bilheterias, deu a Joaquin Phoenix o Oscar de ator. Agora, uma nova versão do Batman chega aos cinemas, incentivado pelo sucesso de “Coringa”.

Assassinato

Dirigido por Matt Reeves, que assina o roteiro ao lado de Peter Craig, “Batman” encontra a cidade de Gotham na noite de Halloween em que o prefeito é morto pelo misterioso Charada (Paul Dano). No local do crime, o assassino deixa um cartão para o Batman (Robert Pattinson). E, com o cartão, pistas que levam à descoberta de um esquema de corrupção envolvendo os homens mais poderosos da cidade.

Porém, o prefeito é apenas a primeira vítima do Charada. O vilão desenvolve uma série de armadilhas sádicas para expor os integrantes da quadrilha que domina Gotham há décadas. Cabe ao vigilante mascarado seguir os rastros dessa intrincada trama e salvar a cidade do caos no qual o Charada pretende mergulhá-la.

Enquanto “Coringa” foi muito influenciado pela obra de Martin Scorsese, o “Batman” de Matt Reeves busca inspiração em David Fincher, tanto na estética quanto na narrativa. Essa versão se afasta do mundo fantástico dos super-heróis e se firma na realidade sombria e cínica do film noir.

O personagem-título assume sua persona de “maior detetive do mundo”. E a investigação que conduz se torna uma solução eficiente para a exposição no filme. Pois cada passo da busca leva a conversas com criminosos, aliados e inimigos. Batman é um investigador meticuloso e o público passa a conhecer cada detalhe do caso que ele monta contra o Charada.

Luto

Esta é a terceira encarnação de Bruce Wayne no cinema em menos de duas décadas (sem contar as animações). A versão de Robert Pattinson abandona a imagem de playboy e apresenta Wayne como um homem recluso e solitário, em luto pela perda dos pais. Esse Batman melancólico talvez seja a manifestação mais humana do personagem até aqui. Congeladas na memória de Bruce, as vidas virtuosas de Thomas e Martha Wayne assombram o filho que, a qualquer custo, procura honrar o legado dos pais, celebrados filantropos de Gotham.

No entanto, Bruce tem uma fúria dentro de si que a caridade não pode apaziguar. A cidade que seus pais pretendiam resgatar os matou, então ele a pune enquanto tenta salvá-la. Criminosos serão capturados nem que Gotham tenha que arder em chamas para tirá-los de seus esconderijos.

Um dos destaques de “Batman” é a Selina Kyle da atriz Zoë Kravitz, cuja dinâmica com Batman estabelece um companheirismo divertido de acompanhar. No entanto, a personagem é subutilizada no roteiro de Reeves e Craig, que também pouco faz com o James Gordon de Jeffrey Wright e o Alfred de Andy Serkis. Enquanto algumas sequências de ação se alongam demais, personagens interessantes são explorados superficialmente.

Com 2 horas e 55 minutos de filme, Batman solidifica uma direção alternativa para filmes de super-herói, demonstrando que eles não precisam existir em universos expandidos compartilhando referências sem fim. Se a qualidade mais duradoura dessas histórias está na identificação do público com o personagem, o destino de uma única cidade pode ser tão significativo quanto o futuro do multiverso.

Cinema

“Batman” está em cartaz nos cinemas.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

Um comentário sobre “Novo “Batman” conta com um herói melancólico e mais humano

  1. Um super herói impotente diante de uma sociedade com tantos problemas. Mas não se pode perder a esperança.. um Batman humano com problemas humanos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

Post adultera áudio e mente ao afirmar que Lula foi xingado em Caruaru

É falso conteúdo publicado no Facebook afirmando que Lula foi hostilizado ao participar da festa junina em Caruaru, Pernambuco. A publicação sofreu edição com a introdução de um áudio com gritos de “ladrão”. No conteúdo original, o ex-presidente é aplaudido durante um ato político de um aliado em Uberlândia, Minas Gerais. No post, é tocado um jingle de pré-campanha eleitoral

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds