UFPR vai enfrentar ações judiciais por adiar concurso da Polícia Civil | Jornal Plural
22 fev 2021 - 21h06

UFPR vai enfrentar ações judiciais por adiar concurso da Polícia Civil

Candidatos e Governo querem cobrar prejuízos com o processo, que pode ser investigado por CPI na Alep

“Queremos o ressarcimento de nossos gastos. Gastamos com hotel, com ônibus, com avião, alimentação”, diz uma candidata, moradora de São Paulo, em frente a um dos locais de prova do concurso da Polícia Civil, em Curitiba. “Eu quero fazer a prova na minha cidade agora, não vou mais sair de lá”, diz outro inscrito vindo de Goiânia (GO). Com eles, pessoas de Minas Gerais, Rondônia e diversos Estados brasileiros, que se deslocaram à Capital paranaense apenas para realizar o teste que poderia lhes garantir uma vaga na Polícia Civil do Paraná (PC-PR).

O anúncio do adiamento do concurso da PC-PR, algumas horas antes da aplicação das provas, neste domingo (21), não trouxe apenas decepção aos candidatos. Muitos tiveram prejuízos que prometem colocar na conta do Núcleo de Concursos da Universidade Federal do Paraná (NC-UFPR), organizador do processo seletivo. E, de acordo com especialistas, o hiato deixado pela suspensão pode, sim, provocar uma enxurrada de processos contra a entidade, motivada também pelo Executivo estadual.

“Vamos entrar com ação coletiva para pedir ressarcimento pelos gastos grandes que tivemos e vamos exigir nosso dinheiro de volta. E a ação vai ser contra todo mundo, contra banca, contra Estado, contra Polícia Civil pois todos são responsáveis, inclusive o senhor governador Ratinho.”

Além de reclamações dos inscritos, o Governo do Paraná adiantou que também vai à Justiça buscar garantias. A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) já foi mobilizada. Na sessão da Assembleia Legislativa (Alep) desta segunda (22), o líder do governo na Casa, Hussein Bakri (PSD), sugeriu aos deputados a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar os motivos que provocaram a postergação dos exames.

Centralizado em Curitiba e Região Metropolitana, o concurso atraiu 106 mil candidatos à Capital, dos quais cerca de 55 mil vieram de outras regiões do Paraná e até mesmo de outros estados. Todos foram pegos de surpresa com o adiamento. Ao longo da semana, o NC e o governo do Paraná asseguraram até mesmo em âmbito jurídico garantias para a realização das provas – dando improcedência a pelo menos quatro mandados de segurança e uma ação civil pública que pediam o adiamento do concurso diante das incertezas decorrentes da pandemia da Covid-19.

Por isso, a aplicação das provas era dada como certa pelos candidatos, muitos dos quais agora prometem buscar reparação pelo tempo e dinheiro perdidos. No entendimento da advogada Sthefani Peres, mestranda em Direito pela UniCuritiba e sócia do escritório Melissa Pilotto, as fissuras deixadas pelo adiamento do concurso dão direito de ressarcimento tanto por danos materiais quanto morais.

Cláudia Silvano, coordenadora do Procon-PR, concorda. “O cancelamento do concurso causou um transtorno para as pessoas que fariam as provas, até porque muitas vieram de outros locais, de outros Estados e tiveram um considerável gasto para poder chegar aqui em Curitiba”, pontua diretora.

Para reparação por danos materiais, Silvano orienta buscar unidades do Procon, seja qual for o Município. Com este tipo de recurso, é possível pedir, por exemplo, devolução de valores gastos com passagens, hotel, transporte e alimentação.

Segundo a advogada, há ainda outras duas possibilidades: uma é percorrer o trâmite administrativo – acionando canais de comunicação diretos da UFPR, como a ouvidoria – e outro é optar diretamente pelo Judiciário. Na Justiça, o caminho é buscar o Juizado Federal, o antigo “pequenas causas”. Por se tratar de um processo local, o correto é ajuizar diretamente na Justiça Federal do Paraná – com a possibilidade de fazer tudo pelo site do órgão.

“No juizado não precisa de advogado. Pode ter auxílio da Defensoria Pública ou do advogado, porém não é necessário. O que tiver de comprovante de despesa pode ser usado como meio de provar que houve esse prejuízo financeiro, inclusive da volta, não só da ida. É o caso de muitas pessoas que tiveram que fazer remarcação de passagem, de voo ou aqueles que não conseguiram e tiveram que aguardar horas para poder voltar para casa”, explica Sthefani Peres.

Danos morais

Os impactos, porém, não se limitam ao tempo e dinheiro jogados ao vento, afirma a chefe do Procon-PR. De acordo com Claudia Silvando, a violação de bens de ordem moral também pode ser considerada em situações como esta.

“Caso queiram uma indenização por danos morais , é possível procurar o Poder Judiciário. Esse é o caminho. É importante que você tenha nota de tudo o que foi gasto porque isso auxilia numa demanda judicial e também na abertura de um processo administrativo”, observa.

Para Peres, ressarcimento por danos morais cabe principalmente aos candidatos que percorreram grandes distâncias para fazer o concurso e que, por isso, precisaram se dedicar à organização de outros pormenores que não só da prova.

“Vale principalmente para pessoas que vieram de longe e tiveram dificuldade de achar hotel, que dormiram na rodoviária, dentro de carro. São situações que foram geradas por causa do adiamento do concurso. No caso, a própria distância percorrida pela pessoa que atravessou o Brasil poderia ser considerado dano moral. É claro que quem for apreciar o pedido vai analisar cada caso, mas também pesa a frustração da pessoa que estudou”, comenta a advogada.

Conforme o Plural mostrou, a especulação no mercado de hospedagem explodiu com a chegada dos candidatos. Por causa das restrições da pandemia, o valor das diárias subiu nos sites de busca: de R$ 150 para R$ 7 mil, e muitos quartos ofertados já não estavam mais disponíveis nos hotéis para a data da prova desde semana passada. A reportagem apurou ainda que alguns lugares divulgados aos candidatos de fora como sendo em Curitiba ficavam a mais de 100 quilômetros de distância.

Responsabilidade do Estado

O Governo do Paraná adiantou ainda neste domingo (21) que deve processar a UFPR. Em coletiva de imprensa, o delegado-geral da Polícia Civil, Silvio Jacob Rockembach, afirmou que o Estado vai entrar com processo administrativo por quebra de contrato, com possibilidade de indenização e de impedir o NC-UFPR de contratar com o Governo por dois anos.

“A pedido do governador, a CGE já destacou seus especialistas em procedimentos e contratos administrativos, bem como atos correcionais da Corregedoria-Geral do Estado do Paraná para que todo o processo seja apurado, dentro do processo legal, e responsabilizados todos os atores responsáveis por esta tomada de decisão desproporcional”, reforçou na coletiva o Controlador-Geral do Estado, Raul Siqueira.

Mas a advogada do escritório Melissa Pilotto observa que há possibilidades de o Governo do Paraná também ser puxado para dentro dos processos.

Recurso extraordinário discutido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no ano passado, no âmbito do tema 512 de repercussão geral, colocou o Estado como responsável subsidiário por danos materiais causados a candidatos de concurso público organizado por pessoa jurídica de direito privado e cancelados por indícios de fraude.

O provimento reformou acórdão da Turma Recursal da Seção Judiciária do Estado de Alagoas a respeito de um concurso de 2007 para preencher vagas na Polícia Rodoviária Federal (PRF) no Pará e no Mato Grosso. O processo foi suspenso por suspeita de fraude e, diante dos processos, o STF entendeu que caberia à União Federal responder, subsidiariamente, por danos materiais relativos às despesas com taxa de inscrição e deslocamento.

“O caso concreto, que chegou ao STF, era um caso de fraude. Nesse sentido, essa repercussão geral é importante para avaliar o entendimento do STF em casos que sejam semelhantes. Neste caso, a responsabilidade do Estado é subsidiária, e claro que isso vai ser efetivamente discutido na Justiça, mas significa dizer, basicamente, que alguém vai ter que pagar a conta. Em primeiro lugar, a organizadora, a empresa contratada pelo Estado. Porém, se a organizadora não tiver condições financeiras para arcar com o ressarcimento, o Estado deve pagar”, acrescenta a advogada.

A Defensoria Pública do Estado do Paraná também apura possíveis danos causados aos candidatos e nesta segunda-feira (22) solicitou informações ao NC da UFPR sobre os motivos do adiamento no dia da prova, sobre a não previsão dos requisitos de segurança com a devida antecedência e ainda sobre como a instituição pretende minimizar os danos sofridos pelos candidatos lesados. O prazo para resposta é de 15 dias.

Soma de fatores

Em nota publicada em sua página na internet, o Núcleo de Concursos da UFPR informou que a decisão de manter as provas mesmo na pandemia foi do Governo, que, por sua vez, justificou a necessidade de recompor o quadro da Segurança Pública, afetado pela crise sanitária. A estimativa era que 70 mil pessoas fizessem a inscrição, mas, depois de concluído o prazo, a conta fechou em 106.506 inscritos.

Para cumprir com a decisão da comissão do exame, o NC submeteu à Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) um protocolo de biossegurança para minimizar as chances de transmissão viral.

Apesar de garantir que tomou todas as precauções, o NC-UFPR citou problemas de logística “inesperados e insuperáveis” como causas do adiamento. Conforme apurou o jornalista Rogério Galindo, do Plural, escolas desistiram de servir como local de prova de última hora e termômetros para medir a temperatura dos candidatos chegaram com atraso e, ainda, sem pilhas.

“Diante de tal conjuntura, colocando em primeiro lugar, como sempre fez, preservar a integridade, a lisura e o tratamento isonômico entre todos os participantes no certame, e também tendo em conta a saúde e segurança dos candidatos e colaboradores do concurso em razão da situação da pandemia que assola o país, e apesar dos transtornos daí advindos, foi tomada a difícil decisão de suspender a execução do concurso a fim de que todas as condições ideais de competição dos candidatos, bem como todas as condições de biossegurança, estivessem completamente atendidas. Entendeu-se que essa decisão de suspensão do certame, por mais radical que seja, seria menos traumática que uma execução das provas (que potencialmente colocaria em risco candidatos e colaboradores) que teria uma altíssima probabilidade de anulação e refazimento posterior”, diz o texto.

Conforme a UFPR, a garantia da isonomia de todos os candidatos permanece assegurada. Após o adiamento, o NC demitiu o responsável pela pasta, Altair Pivovar, substituído por Alexandre Trovon, e anunciou o adiamento do vestibular 2021 da UFPR.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

18 comentários sobre “UFPR vai enfrentar ações judiciais por adiar concurso da Polícia Civil

  1. A tal cidade modelo passa vergonha nacional mais uma vez, coisa corriqueira, prefeito fala mole, governador rato, e agora a toda poderosa UFPR e seu sucateamento.

  2. Isso è uma palhaçada e irresponsabilidade para com as pessoas que se deslocaram e tiveram além dos gastos,o tempo perdido .
    Isso é danos a população!
    Todos envolvidos devem responder,tanto Banca,polícia,e o Estado…..isso é inadmissível..
    Estão brincando com a cara das pessoas e fica por isso mesmo!
    A responsabilidade é objetiva por conta do Estado e responde também subdiariamente os outros órgãos!
    Por falta de seriedade.
    Para com a soberania que é o povo!

  3. Isso foi algo surreal e inacreditável. Foi humilhante e desgastante tudo o que aconteceu nesse fim de semana: site fora do ar, cartão de ensalamento na véspera da prova, comunicação falha por parte da NC UFPR e uma série de pataquadas inaceitáveis. Temos que acionar o PROCON, Juizado Federal, Ações coletivas e o que mais couber e for viável para amenizar um pouco o transtorno que sofremos.

    1. A UFPR tem que tomar um PAU, os servidores desta instituição, quando tem algum direito seu, tem que entrar na justiça para poder ter o seu direito preservado e adquirido. É lamentável, os integrantes no NC-UFPR, tem que ser responsabilizados. O conceito de suspeita de fraude, não pode cancelar um evento dessa magnitude. PAU, na UFPR.

  4. Foi uma sequência de desrespeito e cancelar o concurso no dia da prova tivemos gastos enormes, estresse pois a lista de locais e horários só foi divulgado na sexta-feira a noite e congestinou o acesso, temos que ser ressarcido das nossas despesas, pois fomos prejudicados, financeiramente e emocionalmente

  5. O NC da UFPR demonstrou não qualquer capacidade técnica, moral e administrativa para comandar um concurso público, pois cometeu erros e omissões bárbaros, digno de instituto “pé de escada”, de quinta categoria. Foram recusados mais de oito pedidos de adiamento por parte da banca examinadora, com pedidos judiciais feitos pela Defensoria Pública, Ministério Público e outras instituições públicas sérias, e, esclareça-se, todos os pedidos de adiamento dosados com fundamentos consideráveis, sendo todos rechaçados pela banca estúpida e ignorante contrata pelo Estado do Paraná para realizar um concurso tão sério. Grande parte dos candidatos veio de muito longe, com gastos extremamente consideráveis, deixando famílias, filhos e mulheres nas cidades e Estados de origem. Pessoas dormiram em cadeira e chão de aeroportos por falta de acomodações. Todos estavam crentes da realização do certame, um a vez que a bancada de jumentos que compunha a banca examinadora foi contra todos os pedidos de adiamentos, para, apenas na madrugada do dia da realização das provas, se postar em suas patas ruminantes e decidir de forma unilateral pela não realização das provas. A legislação penal brasileira doravante deveria se debruçar melhor e criar normas punitivas severas contra quaisquer formas de violações de um certame para provimentos de cargos públicos.

  6. A UFPR tem que tomar um PAU, os servidores desta instituição, quando tem algum direito seu, tem que entrar na justiça para pode ter o seu direito preservado e adquirido. É lamentável, os integrantes no NC-UFPR, tem que ser responsabilizados. O conceito de suspeita de fraude, não pode cancelar um evento dessa magnitude. PAU, na UFPR.

    1. Está falta de atenção do NC-UFPR, é resultado do SUCATEAMENTO da instituição, quase 20 por cento da instituição estão terceirizadas, reflexo de um governo, sem compromisso com o ensino, público, gratuito, democrático e competente. É ainda com um processo em andamento do FASCISMO, impregnado na instituição.

  7. Pior de tudo é deixar o emprego de lado e fazer o curso preparatório on line em busca de um sonho. Enfrentar mudanças no cronograma devido a pandemia e depois de tudo, acreditar que ainda vai dar certo. Na reta final, suportar aulas intensivas de reforço, preparar todo material necessário para realização da prova, buscar como barata tonta o local de ensalamento e na hora H dar com os burros na água. Isso não pode ficar assim, foi quase um ano de dedicação para o concurso… todo o resto ficou de lado… E AGORA??

  8. Tentaram justificar o injustificável. só blá blá bla´. Não teriam coragem de fazer o mesmo com outra classe de candidato. Só o fizeram porque tinham a certeza de que os mesmos não reagir com violência e ter seu RG manchado em um possível confronto com os meios de segurança e ser prejudicado quando na hora de necessitar provar bons antecedentes. não fariam isso com os vestibulandos, por exemplo.
    Não duvido muito tenham feito acordos espúrios com com Grupos Hoteleiros e Companhias de Transportes para abortar a o concurso ao apagar das luzes.

  9. Tentaram justificar o injustificável. só blá blá bla´. Não teriam coragem de fazer o mesmo com outra classe de candidato. Só o fizeram porque tinham a certeza de que os mesmos não iriam reagir com violência e ter seu RG manchado em um possível confronto com os meios de segurança e serem prejudicados na hora de necessitar provar bons antecedentes. Não fariam isso com os vestibulandos, por exemplo.
    Não duvido muito tenham feito acordos espúrios com com Grupos Hoteleiros e Companhias de Transportes para abortar a o concurso ao apagar das luzes.

  10. Deixaram para chamar pessoal para aplicação de última hora. A sexta feira a noite e as escolas que iriam ceder o espaço, não tinham certeza de nada. Fora o descaso com a equipe. O lanche para o dia todo seria: uma barrinha de cereal, uma torrada e um suco. Na minha opinião, falta de pessoal para atuar nas aplicações foi um dos motivos. Eu mesma fui uma a desistir diante tamajai humilhação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias