11 abr 2022 - 11h58

Professores da rede estadual aprovam paralisação para o dia 29 de abril

Ato vai lembrar o “massacre do Centro Cívico”

No próximo dia 29 de abril, professores da rede estadual de ensino pretendem paralisar as atividades em todo o Paraná. A paralisação será no mesmo dia em que aconteceu o “massacre do Centro Cívico”, em 2015. À época, educadores e educadoras protestavam contra o então governador Beto Richa (PSDB). Uma ação truculenta da Polícia Militar deixou cerca de 200 feridos.

O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (App-Sindicato) pretende mobilizar os núcleos do interior para que se desloquem até Curitiba. A concentração para o ato será às 8h na praça 19 de Dezembro e o início às 9h, no Centro Cívico.

Além da memória, professores também querem discutir a data-base da categoria, que é em maio. Eles pedem reposição salarial (cujo percentual pode chegar a 34%), recomposição de perdas salariais, análises de progressões e promoções, bem como lembrar o aniversário do sindicato, que completa 75 anos no dia 26 de abril.

A paralisação da categoria foi decidida em assembleia realizada no último sábado (9), de forma virtual, com a participação de 800 pessoas.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É falso vídeo que tenta ligar filho de Lula a Petrobras e a aumento de combustíveis

Diferentemente do afirmado em vídeo, o preço do barril de petróleo não é manipulado por uma empresa internacional que investe na Petrobras. O preço varia, na verdade, com a oferta e demanda do produto no mundo. Além disso, nenhum filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é sócio de empresa investidora da companhia e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os acionistas da petroleira. O conteúdo é falso

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds