20 jun 2022 - 18h54

“Sandman”, a HQ inovadora de Neil Gaiman, vira série da Netflix

Série que adapta “Sandman”, um clássico dos quadrinhos criado por Neil Gaiman, ganha um trailer e chega à Netflix em agosto

Divulgado há alguns dias, o trailer do seriado “Sandman”, que estreia na Netflix em 5 de agosto, provocou rebuliço nos fãs. Trata-se da adaptação de uma das séries mais revolucionárias dos quadrinhos norte-americanos, e seu caminho envolve muitas reinvenções e até confusões (por exemplo, o nome do personagem principal não é Sandman, mas Sonho) antes de chegar na HQ que angariou uma legião de leitores.

O seriado se inspira na revista Sandman, publicada mensalmente pela DC Comics entre 1989 e 1996 – com algumas edições especiais durante este período e depois. O roteirista de todas estas histórias e a mente por trás do conceito da saga é o britânico Neil Gaiman, que começou a carreira como jornalista e depois migrou para quadrinhos e literatura.

Sandman

A história de Sandman na DC Comics, entretanto, precede em décadas o nascimento de Gaiman, em 1960. Houve três super-heróis com este mesmo codinome antes de o britânico começar a trabalhar para a editora.

Quando o Superman foi criado, em 1938, inaugurou-se uma “Era de Ouro” nos quadrinhos norte-americanos: a explosão do gênero dos super-heróis. Em 1940, surgiu um milionário com preocupações sociais que, sem poderes mas com muito dinheiro, usava um traje bizarro à noite para combater o crime.

Embora lembrasse muito o Batman, este herói era o Sandman – a primeira versão dele na DC. Seu codinome refletia ao Sandman do folclore anglo-saxão, uma entidade poderosa que leva sonhos (ou pesadelos) às pessoas. Esta versão do Sandman durou pouco tempo e o nome ficou esquecido por décadas.

O Sandman criado nos anos 70 tinha apenas duas coisas em comum com o original: o codinome e o fato de ser um super-herói. No mais, morava em uma Dimensão dos Sonhos e atuava, como muitos poderes, entre pesadelos e reinos fantásticos. Este personagem chegou a ter um sucessor, o terceiro Sandman, mas também não durou muito.

Entra Neil Gaiman

O contexto é importante para mostrar o quanto o primeiro número da revista mensal Sandman, agora escrita por Neil Gaiman, surpreendeu ao ser lançada em 1989. Era uma revista da DC, editora da Liga da Justiça, e o título fazia menção a super-heróis coloridos. Podia-se esperar heróis, vilões, identidades secretas e batalhas épicas – e não veio nada disso.

Mês após mês, Gaiman e os artistas envolvidos entregaram histórias que iam do terror à fantasia. Saem de cena os uniformes, poderes e planos secretos e entram mitologia, horror sem filtros, lirismo e citações eruditas – o título da primeira saga é homenagem a Chopin. O leitor foi pego no contrapé.

O protagonista de Sandman é Sonho, uma espécie de entidade imortal muito mais antiga e poderosa que a humanidade. As tarefas e dificuldades particulares de Sonho envolvem, como seu nome diz, o mundo onírico para onde as criaturas vivas vão quando não estão despertas.

DC Comics

Gaiman deu um jeito de amarrar o início de sua série às versões anteriores de Sandman na DC Comics. E foi muito mais além. Se o protagonista é uma criatura imortal e sua matéria-prima são os sonhos, qualquer tempo histórico e local podem servir de base. Assim, a Grécia Antiga recebe a fábula “A Canção de Orpheus”, inspirada na mitologia, enquanto uma Bagdá de milênios atrás é palco da bela história “Ramadã”.

Nos oito anos em que foi inicialmente publicada, a série ganhou o Eisner Awards, o Oscar dos quadrinhos norte-americanos, 19 vezes, em diferentes categorias – a revista foi eleita a melhor série em três anos, e Neil Gaiman venceu por quatro vezes como melhor roteirista. Sucesso de público, “Sandman” também é periodicamente retomado em edições especiais, como minisséries ou graphic novels, e novos Eisner Awards foram conquistados aí.

Não é à toa que o trailer provocou tanto burburinho. Se, criada sem expectativas a partir de personagens obscuros, Sandman foi tão longe, seus fãs podem sonhar que a Netflix consiga levar um pouco de seu brilho para o audiovisual.

Onde assistir

“Sandman” estreia na Netflix no dia 5 de agosto. Confira o trailer aqui.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

Radiocaos Sueto

Radiocaos Sueto Neste episódio os textos e ideias ao léu de Andressa Nuss, Jorge Luis Borges, Ronaldo Conde Aguiar, Marcelo Sandmann, Carlos Careqa, Amarildo Anzolin, Salvatore Quasimodo, Wally Salomão, Carlos Drummond de Andrade, Ivan Justen Santana, Tom Waits, Livia Lakomy, Maria Luiza Lago, Marilia Kubota, Mauricio Pereira, William Shakespeare com Miguel Falabella, Julia Graciela, Jean Garfunkel, Roberto Prado, Alice Ruiz, Reynaldo Jardim, Luci Collin, entre outros incansáveis das letras.

Redação Plural.jor.br

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds