29 mar 2021 - 8h07

O tiroteio

Não havia nenhum motivo pra ele parar naquela cidadezinha, exceto o tiroteio. Era uma cidadezinha desenxabida e desinteressante, os prédios pintados num tom de amarelo…

Não havia nenhum motivo pra ele parar naquela cidadezinha, exceto o tiroteio. Era uma cidadezinha desenxabida e desinteressante, os prédios pintados num tom de amarelo estrambótico, que fazia os olhos doerem, brilhando sob a luz do feroz sol tropical. Uma nuvem de projéteis assassinos, porém, atravancava o caminho. Zumbia, tirava lascas das paredes e, na maior sem-cerimônia, arrancou o boné da cabeça de um velho que estava na praça jogando dominó – bem no momento em que ele ficou puto por não ter um cinco.

O forasteiro se protegeu atrás de um Ford Ka, estacionado meio atravessado, em cima do passeio. O motorista afastou os olhos do celular e tirou a cabeça pra fora da janela. Quis saber:

– O que está fazendo aí?

– O quê?

– Por que está engatinhando aí, ô cara?

– É que…

– Você é maluco?

Resmungou, furibundo, algo sobre não se ter mais paz naquela terra, deu a partida e arrancou rápido dali, fazendo os pneus girarem em falso, atirando pedrinhas nas canelas do caminhante. Exposto ao chumbo, o forasteiro correu pra se abrigar numa loja de coletes, apinhada de gente, mesmo com o calor batendo os 31º C.

– Estão vendendo coletes? – perguntou, intrigadíssimo.

– É o que parece.

– E por que tanta gente quer um colete?

– Você é maluco?

– É um tiroteio!

– Mas são coletes de lã!

– Os melhores coletes de lã, senhor.

– E o preço é ótimo!

O forasteiro argumentou que coletes de lã eram muito pouco eficazes na hora de impedir que um balaço entrasse no seu coração. E ainda se podia ter um piripaque vestindo aquilo debaixo de um sol de rachar.

– E o que você sugere?

– É melhor isso do que nada!

– Quer que eu saia na rua só de meia soquete e camiseta?

Foi expulso a pontapés. Cruzou a rua principal aos tropeções e procurou refúgio em um bar, no mesmo momento em que uma rajada de balas espatifava a janela. A cabeça do dono apareceu atrás do balcão. Arqueou uma sobrancelha:

– Por que é que você não está de colete?

Pensou um pouco e emendou:

– Você é maluco?

O forasteiro repetiu que considerava os coletes de lã escudos muito pouco sólidos. E questionou por que todo mundo estava andando meio a esmo de um lado pro outro no meio de um tiroteio.

– É sábado. O que vai ser?

– Há quanto tempo estão atirando?

O homem no balcão deu de ombros:

– Faz uns meses.

– E quem está lutando contra quem?

– Ninguém está lutando contra ninguém não.

– E por que não param de atirar?

– Amor ao esporte, acho.

Uma saraivada de balas destruiu a garrafa de cerveja sobre o balcão. Deu no pé, assustado. Sob a cobertura de um posto de gasolina, o forasteiro viu um homem correndo no meio da rua. De repente ele parou, virou pra trás, deu quatro tiros e retomou a corrida. O forasteiro insistiu:

– Por que esse cara atirou?

– O prefeito disse que não tem o que fazer.

– É a vida.

– Vai acertar quem tiver que acertar.

– Depois volta ao normal.

– Um dia vai passar.

– Por que você não está de colete?

O forasteiro não ficou satisfeito:

– E quem é o prefeito?

– Aquele lá em cima. No mirante. Consegue ver?

– Aquele com um rifle?

– Isso.

– Feio como um urubu albino?

– Esse mesmo.

Saiu dali tentando imaginar um jeito de dar o fora daquele lugar. O motorista do Ford Ka passou por ele a 60 quilômetros por hora, deu um cavalo de pau e brecou bem na sua frente, como na cena de um filme de ação ruim hollywoodiano. Se esticou dentro do carro e abriu a porta do passageiro. Falou também como o personagem de um filme de ação ruim hollywoodiano:

– Quer uma carona?

A noite estava caindo, e o tiroteio ainda era cerrado, mas nos limites da cidadezinha as balas zuniam menos. O motorista abriu de novo a porta e enxotou o forasteiro aos empurrões. Advertiu:

– Quem você pensa que é?

– Eu…

– E nunca mais volte aqui!

Arrancou e sumiu de vista o mais rápido que conseguiu. No lusco-fusco, o forasteiro olhou um letreiro de neon que começava a piscar, como em um puteiro de quinta categoria, dando as boas-vindas aos visitantes. Dizia: “A esperança é a última que morre. Ela enterrará todos nós”.

Saltou por cima de um cadáver com a cabeça explodida e foi embora – para Tonga.


Para ir além

Últimas Notícias

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br