A crônica não mata – Parte 18

A humanidade se define, em parte, pela rica diversidade de seus sonhos. Conheci um menino que sonhava em ser padeiro. Já escrevi sobre ele, anos atrás. Todos os seus amigos sonhavam com a fama e a posteridade. Queriam ser jogadores de futebol, gamers, artistas de tevê, atores de teatro, MCs, políticos, ativistas. Ele só queria fazer pão

Luís Henrique Pellanda

Cutting

Considero a possibilidade de que o celular delas venha a ser substituído pelo estilete. Um outro tipo de suicídio consentido

Marcos Pamplona

Brooks was here

a fita é que aprendi a diferença entre preço e valor na manhã que um piazão da nossa turma tava de aniversário e esse professor tirou vintão da carteira

Richard Roch

Humor, lâmina afiada

Deixar-se cortar pelo humor pode ser sábia decisão. Deixar a lâmina aguçada do texto, da cena, da imagem abrir uns talhos em nosso mundo de símbolos instituídos

Cezar Tridapalli

Toc toc…

Ando por aí contando de 1 a 9 sem que ninguém perceba, já que minha habilidade chegou ao ponto de não precisar repetir dois passos com o mesmo pé para alcançar o objetivo

Lorena Aubrift Klenk

Centopeia

Para deixar a multidão se esvair, fico olhando o metrô da outra pista ir embora. A lacraia metálica, terra adentro

Marcos Pamplona