13 abr 2021 - 0h05

Pobreza menstrual é tema relevante, sim!

Meninas deixam de ir para a escola por não terem absorvente e perdem oportunidades futuras no mercado de trabalho, na sociedade

Algumas reações não chegam a me assustar, mas me revoltam. Há uma parcela da população, fortalecida desde as eleições de 2018, que se sente ofendida e vêm para o ataque quando colocamos visibilidade em alguns temas. Falar de algumas pautas da mulher é como agredir esse grupo. Em março deste ano, protocolei na Câmara de Curitiba um projeto que tem como finalidade oportunizar a realização de campanhas permanentes de caráter educativo na rede de ensino público municipal sobre a temática Ciclo Menstrual.

Temos de assumir publicamente que vivemos em um contexto de precariedade menstrual, em que crianças e jovens, sem acesso a absorventes higiênicos, utilizam materiais inadequados como jornal, papel higiênico, miolo de pão ou tecidos; e por consequência, seja por motivo de economia ou por falta de acesso à informação, se expõem a riscos de saúde como infecções.

Estamos propondo na lei, não apenas a campanha, mas que as escolas utilizem uma rubrica de higiene do fundo rotativo, que é um recurso extra das escolas, para terem absorventes para as alunas e contem a elas dessa possibilidade. Que a barreira para que essas meninas tenham uma vida escolar digna seja quebrada. É algo simples e essencial na vida de todas as pessoas que menstruam.

Assim que protocolei e divulguei o projeto, recebi ataques nas redes sociais. O tempo e criatividade que essas pessoas têm para agredir o projeto são enormes: fui chamada de impostora, campeã de projetos inúteis, inspirei memes super preconceituosos e machistas. Sei que não sou a única, e nem a última, vereadora vítima desses chamados haters, mas me espanto com a falta de sensibilidade, ou como alguns temas são um não-tema, que deveriam simplesmente desaparecer para determinadas pessoas.

Meninas deixam de ir para a escola por não terem absorvente e perdem oportunidades futuras no mercado de trabalho, na sociedade. Pessoas em situação de rua que estão sofrendo ainda mais na pandemia, em dias de chuva, sofrem sem ter calcinha. Esse é um tema SIM relevante e que não podemos mais ignorar. Ignorar não vai fazer o problema desaparecer.

Em pesquisa realizada pela marca Sempre Livre, da Johnson & Johnson, em parceria com a KYRA Pesquisa & Consultoria, no Brasil, Índia, África do Sul, Filipinas e Argentina, foi constatado que 54% das mulheres entre 14 e 24 anos não sabiam ou tinham poucas informações sobre menstruação no momento primeira menstruação. Da totalidade de entrevistadas 39% afirmaram pedir um absorvente emprestado como se fosse um segredo e tentam esconder de alguma forma que estão menstruadas, 31% não lavam o cabelo ou conhecem alguém que evita esta ação durante o ciclo. Nessa linha, 74% das brasileiras deixam de entrar na piscina, 66% param de praticar esportes, apenas 22% não têm medo de levantar durante a aula no período menstrual, e somente 24% não acham a menstruação nojenta. São dados que mostram a falta de conhecimento sobre o assunto que é parte delas.

Precisamos disseminar informações dentro das escolas municipais e fora delas, contribuindo para a formação social, bem como capacitar nossos professores e equipe pedagógica para implementação das ações de discussão também conscientizará as e os servidoras e servidores municipais sobre o tema. Mas, para além disso, fico pensando em como sensibilizar essas pessoas que perdem tanto tempo criando artes e memes digitais e não compreendem a falta que um absorvente faz na vida de muitas pessoas.

* Dados incluídos no projeto de lei foram retirados de menstruação, mitos e verdades em:

https://vogue.globo.com/beleza/noticia/2018/08/menstruacao-mitos-e-verdades-sexo-saude-mulher.html


Para ir além

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

Capa da revista Time com Lula é autêntica

É falso o vídeo publicado no YouTube afirmando que o ex-presidente Lula (PT) não estampa a capa da Revista Time que circulou na segunda quinzena de maio. Lula aparece na edição da semana de 23 a 30 de maio, com a manchete: “O mais popular de todos os presidentes brasileiros volta do exílio político com a promessa de salvar a nação”. A mesma edição também apresentou uma segunda capa que trata de mudanças climáticas ao redor do mundo. Segundo a Time, é comum que uma mesma edição tenha mais de uma capa. Ambas foram distribuídas para assinantes e bancas de jornais nos Estados Unidos e em outras partes do mundo

Projeto Comprova

Post deturpa falas de Beira-Mar, Youssef e Barbosa sobre Bolsonaro

É enganoso o conteúdo que atribui falas positivas sobre o presidente Jair Bolsonaro (PL) a Joaquim Barbosa, Alberto Youssef e Fernandinho Beira-Mar. As afirmações foram descontextualizadas. O post também defende que o político devolveu doação da JBS para a campanha dele, mas erra o valor e omite que a mesma quantia foi transferida novamente para o então candidato com a informação sobre o doador original suprimida

Projeto Comprova