Surto em frigorífico coloca pequenas cidades no mapa do coronavírus | Jornal Plural
Clube Kotter
12 maio 2020 - 1h36

Surto em frigorífico coloca pequenas cidades no mapa do coronavírus

Números continuam subindo nos 22 municípios que integram a 14ª Regional de Saúde do Paraná, no Noroeste do Estado

Um surto de covid-19 em um frigorífico de Paranavaí levou duas pequenas cidades do interior a se tornarem focos da doença. São João do Caiuá e Santo Antônio do Caiuá, que juntas não chegam a dez mil habitantes, passam de 50 casos confirmados e registram duas mortes por coronavírus.

A presença das duas pequenas cidades na lista de municípios com maior número de casos no Estado chama atenção. No boletim epidemiológico da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), Santo Antônio do Caiuá, que tem só três mil habitantes, possui 19 casos e uma morte por coronavírus. Na vizinha São João do Caiuá, com seis mil habitantes, são 32 contaminados e um óbito pela doença.

“Era um motorista de ônibus, com 40 anos e diabético”, conta a enfermeira Thayse Colombo Cambririba, do Departamento de Epidemiologia de São João do Caiuá, referindo-se ao paciente que morreu de covid-19 na cidade.

Ela confirma que o município já registra 34 casos oficiais da doença e quase todos (32) estão ligados a trabalhadores infectados numa indústria de frangos, de Paranavaí. O frigorífico GT Foods chegou a ficar fechado de 9 a 23 de abril, mas já retomou às atividades.

“A empresa parou por 14 dias e todos os funcionários ficaram isolados. Só daqui (São João do Caiuá) eram mais de 100 trabalhadores. A liberação da empresa se deu após uma readaptação e aprovação pela Vigilância Sanitária”, ressalta a enfermeira. Porém, novos casos voltaram a aparecer. “Hoje mesmo tivemos uma notificação desta empresa”, afirma ela.

O Plural não conseguiu contato com o frigorífico GT Foods até o fechamento desta reportagem.

Apesar do elevado número de casos de coronavírus por habitante, São João do Caiuá continua com o comércio aberto, sendo proibidos de funcionar bares, academias e igrejas.

“Existem restrições de etiqueta respiratória e obrigação do uso de álcool em gel e máscaras. Mas a população está bem difícil, muitas vezes precisamos acionar a PM e o Conselho de Segurança”, afirma a enfermeira. “Tivemos casos de pessoas que haviam acabado de receber o resultado positivo e já estavam fazendo visitas a familiares e vizinhos.”

A cidade tem apenas um hospital e dois postos de saúde, sendo que apenas um deles atende pacientes com sintomas de Covid-19. Casos graves ou de internação são encaminhados para Paranavaí.

Noroeste

A Região Noroeste é a que tem maior incidência de casos de covid-19 no Paraná. Lá ficam os 22 municípios que integram a 14ª Regional de Saúde. A região apresenta a maior taxa de óbitos e de casos por milhão de habitantes.

De acordo com dados do último boletim epidemiológico, divulgado nesta segunda-feira (11) pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), o coeficiente de mortalidade na 14ª Regional – com sede em Paranavaí – é de 40 óbitos por 1 milhão de habitantes. O número é bem acima da segunda Regional da lista – com sede em Ivaiporã (22ª) – que tem 31 mortes para o mesmo número de habitantes.

O índice do Noroeste está abaixo da média nacional, que é de 53 por 1 milhão, mas bem acima da média do Paraná, que é de 10 óbitos por 1 milhão de habitantes.

A região Noroeste do Paraná está com 853 contaminados por 1 milhão de habitantes, enquanto no Brasil este índice é de 770, e no Paraná de apenas 161 casos para a mesma quantidade de pessoas.

As duas cidades com o maior índice de infectados pelo coronavírus no Noroeste são: Santo Antônio do Caiuá e São João do Caiuá, vizinhos de Paranavaí – município com 105 mil habitantes, 61 casos e quatro mortes por covid-19.

Leitos

Segundo a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), a taxa de ocupação dos leitos de UTI do Sistema Único de Saúde (SUS) específicos para covid-19 é de 35% no Paraná, com 191 pacientes internados. Na enfermaria, este índice é de 19%, com 207 pessoas internadas.

O Paraná tem 1.723 leitos hospitalares, entre UTIs e enfermarias, para atendimento exclusivo de pacientes com coronavírus. São 549 leitos de UTI adulto, 37 UTIs pediátricos e 1.137 de enfermaria, dos quais 67 pediátricos.

Na macrorregião Noroeste são 331 leitos – 102 de UTI e 228 de enfermaria. A estrutura está dividida entre 17 hospitais em Maringá, Umuarama, Paranavaí, Sarandi, Colorado, Mandaguari, Campo Mourão, Goioerê, Cianorte e Loanda.

Todas as vagas foram implantadas ou aprimoradas da rede hospitalar estadual já existente, além de leitos contratados em hospitais particulares. O governador Ratinho Jr (PSD) disse que não tem intenção de construir hospitais de campanha, como outros estados. 

De acordo com levantamento divulgado na quinta-feira (07) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Paraná tem 18 leitos de UTI para cada 100 mil habitantes. Já respiradores, são 31 por 100 mil habitantes. Para o mesmo número de pessoas, o Estado possui 209 médicos e 128 enfermeiros.

Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você clica aqui, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias