21 jul 2021 - 18h52

Secretaria de Segurança vai comprar antiga sede da Copel no Batel. Valor da transação ainda não foi revelado

Processo de negociação deve terminar em agosto deste ano, diz o governo

A Secretaria de Segurança Pública do Paraná (SESP-PR) irá adquirir a antiga sede da Companhia Paranaense de Energia (Copel), no bairro Batel, em Curitiba. Com as negociações ainda em curso, a pasta não divulgou o valor que será pago pelo imóvel. A intenção de compra do imóvel foi formalizada na edição do dia 9 de junho do Diário Oficial do Paraná.

De acordo com o decreto, as despesas da realocação da secretaria foram sustentadas pelos recursos provenientes da Dotação Orçamentária 3901.06.181.13.5014, um crédito aprovado pelo Poder Legislativo que autoriza o uso de recursos estaduais para pagamento de despesas. O valor aprovado para a dotação na LOA de 2021 corresponde a R$153.987.817.

Procurada pela reportagem, a Secretaria de Segurança Pública do Paraná informou que a mudança é necessária “face às necessidades de espaço para atender as atividades laborais da Secretaria”. Atualmente, a estrutura da Sesp fica na Rua Deputado Mário de Barros, no Centro Cívico. “Após vencer a busca por imóveis públicos, a Sesp partiu para os particulares e, neste momento, encontrou o prédio da Copel em leilão”, afirmou a pasta, em nota.

Segundo a secretaria, a Copel foi oficiada com o valor da avaliação do imóvel feita pelo órgão estadual e aceitou o valor da transação. Ao Plural, a Sesp disse que a consolidação da proposta se dará nas próximas semanas e, por isso, não informará o valor gasto com a compra neste momento.

Conforme o decreto do dia 9 de junho, a instalação da secretaria no antigo edifício da Copel “apresenta-se como indispensável ao atendimento do interesse público, em virtude de suas características e espaço físico”. A área total do imóvel localizado na Rua Coronel Dulcídio, no Batel, é de 2.109,99 m2.

Como noticiado pelo Plural em janeiro deste ano, o prédio foi a leilão, segundo a Copel, como um meio de aproximar a direção dos funcionários e reduzir custos. “A mudança é parte da estratégia de redução de custos e da integração entre a administração e o corpo técnico para potencializar a sinergia entre as áreas dos negócios da empresa, com ambientes integrados que vão promover ainda mais o trabalho colaborativo, incentivando a inovação e a melhoria nos processos.”

Em nota, a empresa informou que o valor arrecadado com a venda do edifício só será divulgado quando o processo de mudança for finalizado, em agosto deste ano. A previsão de janeiro era alcançar, no mínimo, R$ 32,5 milhões. 

Leia a nota da Secretaria de Segurança Pública do Paraná na íntegra:

“Conforme Plano de Governo do Estado, face às necessidades de espaço para atender as atividades laborais da Secretaria da Segurança Pública (Sesp) foi desenvolvido o conceito da Cidade da Polícia, a qual teve os seus projetos executivos licitados, no entanto, houve demanda judicial entre as empresas participantes do processo licitatório, quando a execução já havia iniciado, estando, portanto, suspensa a execução contratual devido ao entrave.

Neste sentido, a Sesp precisou pensar em uma solução que atendesse as necessidades imediatas e iniciou pesquisas no âmbito da cidade de Curitiba, em busca de um imóvel com as características necessárias para integrar as instituições de segurança pública. Após vencer a busca por imóveis públicos, a Sesp partiu para os particulares e, neste, momento encontrou o prédio da Copel em leilão.

A Secretaria, então, oficiou a Copel demonstrando o interesse no imóvel, tendo sido montada uma comissão de avaliação do imóvel, a qual concluiu pela viabilidade na ocupação do mesmo pela Secretaria. Ato contínuo, foi feita a decretação de utilidade pública deste imóvel e as negociações iniciaram-se junto à COPEL. Pela via extra judicial, a Sesp oficiou a Copel com o valor de avaliação do imóvel. A Copel, por sua vez, aceitou a transação amigável e a consolidação da proposta se dará nas próximas semanas. 

Outras informações serão enviadas, quando consolidadas, e no momento oportuno.”

Confira o Diário Oficial de 9 de junho de 2021:

Reportagem sob orientação de João Frey

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Assuntos:

Deixe um comentário

Últimas Notícias

Vídeo que cita falhas já corrigidas nas urnas volta a circular fora de contexto

É enganoso um vídeo que circula sem contexto e mostra uma fala feita em 2018, no Supremo Tribunal Federal (STF), pelo advogado do Sindicato Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF Sindical) Alberto Emanuel Albertin Malta, sobre a impressão de comprovantes de votação. No discurso, o representante da entidade fala sobre falhas encontradas nas urnas eletrônicas que já foram corrigidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) antes de junho de 2018, quando a declaração foi repercutida. Essa informação não consta, no entanto, no vídeo investigado. O conteúdo voltou a circular em meio à aproximação do processo eleitoral de 2022

Projeto Comprova

Fies foi criado no governo de FHC, não na gestão Lula

É enganosa a publicação no Twitter da ex-participante do Big Brother Brasil (BBB22) Jessi Alves, que diz que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criou o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), programa que financia graduação em faculdade particular no Brasil. Lula expandiu o acesso ao programa, mas não o criou. A iniciativa surgiu ainda na gestão do presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), em 1999, após o fim do Crédito Educativo (Creduc), programa similar criado em 1975, durante o governo de Ernesto Geisel

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds