20 out 2021 - 19h39

Mais uma vez, a casa da ativista trans Renata Borges foi invadida

Militante entende as invasões como ameaças à sua luta pelos direitos humanos

No sábado (16), Renata Borges viajou para acompanhar a Parada LGBT de Londrina e teve sua casa, em Apucarana, invadida outra vez. “O menino que foi cuidar das minhas coisas me ligou dizendo que, de novo, estava tudo revirado. Eu não consigo saber quem são os invasores, como faço pra lidar com o medo?”, questiona a ativista. 

Recentemente, o Plural publicou uma reportagem sobre a investigação insuficiente conduzida pela forças de segurança de Apucarana em 2018, quando a Delegacia da Mulher se negou a apreender duas facas deixadas sobre a cama de Renata durante outra invasão. Na ocasião, ela também estava fora, cumprindo agenda na defesa dos direitos humanos em Curitiba.

No último fim de semana, o amigo de Renata responsável por cuidar da casa registrou novo boletim de ocorrência mencionando as constantes ameaças sofridas pela ativista e sinalizou que “este poderia ser o motivo para o ocorrido nesta data, como já ocorrera em outras datas”, conforme consta no documento lavrado pela Polícia Civil. 

Ele ainda relatou que “ao chegar na residência percebera que esta estaria com a porta aberta, não apresentando sinais de arrombamento, e o interior desta, com os móveis desarrumados, objetos e roupas jogados pelos cômodos.” Nenhum pertence de Renata foi furtado.

Foto: arquivo pessoal

Na segunda (18), Renata foi à delegacia exigir uma investigação séria. Hoje, uma viatura se deslocou até sua residência. “Eu consegui trocar as fechaduras e quero fazer uma vaquinha para colocar câmeras”, fala a militante trans. A Polícia Civil informou à reportagem que está apurando a situação. “Uma equipe foi deslocada para apurar indícios de autoria e materialidade.”

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Um comentário sobre “Mais uma vez, a casa da ativista trans Renata Borges foi invadida

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É falso vídeo que tenta ligar filho de Lula a Petrobras e a aumento de combustíveis

Diferentemente do afirmado em vídeo, o preço do barril de petróleo não é manipulado por uma empresa internacional que investe na Petrobras. O preço varia, na verdade, com a oferta e demanda do produto no mundo. Além disso, nenhum filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é sócio de empresa investidora da companhia e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os acionistas da petroleira. O conteúdo é falso

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds