Liberdade também se exerce com bom senso, vereadora | Jornal Plural
20 jul 2021 - 16h44

Liberdade também se exerce com bom senso, vereadora

Parlamentar do NOVO resolveu se contrapor ao grito de Viva o SUS, com militância vazia e sem sentido

A vereadora do NOVO, Indiara Barbosa, comemorou ter sido vacinada no último fim de semana de 17 de julho agradecendo aos profissionais de Saúde e ao capitalismo. O post no Instagram acabou atraindo fãs e detratores, com várias agressões à parlamentar em mais um daqueles exemplos de como as redes sociais são péssimos espaços para o debate público.

Óbvio que o Plural condena toda e qualquer agressão à vereadora, muitas das quais têm aquele componente misógino tão frequentemente direcionado a mulheres na política. Debate e questionamento não se faz com o tacape na mão, muito menos desprezando o interlocutor. A falta de respeito, no entanto, começou com Indiara.

Não estamos num processo de desmonte ou extinção do capitalismo. A comemoração da parlamentar poderia ter sido muito bem um viva a descoberta do fogo, a invenção da roda, a chegada do homem à Lua, a invenção do motor à combustão.

Mas claro, não foi. Foi uma contraposição a quem diz Viva o SUS! no que, me parece, ser claramente um momento de falta de bom senso e despropósito da parlamentar. Porque , claro, temos liberdade para comemorar o que for, mas a civilidade, especialmente daqueles com formação acadêmica, educação familiar e oportunidades sociais, nos ensina a usar essa liberdade com parcimônia.

O Viva o SUS não é um ataque a nada. É um grito de desabafo de uma nação que vela seu seus mortos. Mortos cujas vidas foram perdidas para uma doença evitável.

A democracia tem uma liturgia que reserva a momentos de tristeza um silêncio educado, um adiamento de embates. Claro, essa liturgia, já pouco observada na democracia brasileira, se perdeu totalmente nos últimos anos.

Mas confesso que esperava de Indiara e de outros novos parlamentares uma camada de civilidade um pouco mais significativa. No entanto, nessa oportunidade, a vereadora achou aceitável usar a pandemia, com todos seus mais de 500 mil mortos no país, como fundo para uma lacração juvenil em rede social. E em nome do quê? O que exatamente a parlamentar estava defendendo?

É o SUS uma contraposição ao capitalismo, vereadora? Descansa militante.

O SUS não é do PT, do PSDB, da direita ou da esquerda. O SUS é um patrimônio do país, o maior sistema público de saúde do mundo. As pessoas celebram o SUS, Indiara, porque neste momento de grave crise, foi ele que esteve ao lado dos brasileiros, todos os brasileiros. E muitos dos seus servidores ficaram pelo caminho.

A vacinação é um momento de grande alegria. É uma luz no fim do túnel. Mas é também um lembrete de quantos desafios temos pela frente. É uma pena que a parlamentar tenha aproveitado para insistir numa dicotomia ideológica tola, numa militância vazia e sem sentido. A cidade, vereadora, merecia mais respeito de quem a representa.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Assuntos:

9 comentários sobre “Liberdade também se exerce com bom senso, vereadora

  1. Por favor, use a crase!
    Um texto sem percalços linguísticos é levado muito mais a sério. O descumprimento das normas da linguagem culta, que deve ser usada numa matéria jornalística, demonstra descaso, desconhecimento e falta de seriedade com o leitor.
    Fica a dica!

  2. Certeiro o artigo, Rosiane.
    Lamentável o nível de conhecimento da vereadora e triste ver que foi a mais votada em Curitiba. Pelo jeito nunca ouviu falar em Louis Pasteur, Salk, Sabin, enfim em Ciência.

  3. Parabéns, este é um texto necessário no momento em que vivemos. Ele é inteligente no sentido de trazer à tona o subtexto da lacração da vereadora. Por baixo de uma vazia ode ao capitalismo, há os chamados apitos de cachorro, palavras específicas que chamam atenção de grupos específicos. A autora é feliz em mostrar que não há no Ocidente contraponto ao capitalismo. Ao contrário, quando se evoca o capitalismo em termo tão genérico, ataca-se tudo o que não é mercado e competição, incluindo o SUS e qualquer política de bem-estar social. A vereadora não sabe ou esquece que o desenvolvimento de vacinas foi altamente subsidiado por diversos governos. Seus apoiadores certamente não são aptos a pesquisar. Rosiane nos brinda com um retrato da indigência ideológica daqueles que trabalham para capturar todos os aspetcos da sociedade e transformar em lucro para grupos econômicos às custas do sofrimento da população.

  4. pois é, esse pensamento binário direita-esquerda está tão comum, que dá pena.
    Tudo o que a pessoa diz e pensa é só para se contrapor à “esquerda”, aos “comunistas” e o que mais couber no ódio a que estão submetidos por pseudo-filósofos.
    tempos tristes.

  5. Só a leitura do texto da jornalista Rosiane, sem demérito dos demais jornalistas do Plural, já justificaria a assinatura desta revista eletrônica. Mas ela foi além, nos mostrou o quanto é possível combater o vazio cultural sem agressão, “atirando” literalmente na jugular dessa suposta representante do povo, sem derramar uma única gota de sangue. Só posso bater palmas de pé. Parabéns e que venham outros textos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias