Curitiba pode ter cotas para negros e indígenas em concursos | Jornal Plural
8 fev 2021 - 13h57

Curitiba pode ter cotas para negros e indígenas em concursos

Proposta é da vereadora Carol Dartora, do PT

A Câmara de Curitiba deverá discutir a possibilidade de reservar 20% das vagas de todos os concursos públicos da cidade para negros e indígenas. O projeto de lei foi protocolado por Carol Dartora (PT), primeira vereadora negra da história da cidade.

Na justificativa do projeto, a vereadora aponta que 19,7% da população da cidade se autodeclara negra, de acordo com o IBGE. Somando-se a população indígena, o número passa de 21%, o que explica o porcentual escolhido para a reserva de vagas.

De acordo com a proposta, o próprio candidato faz a autodeclaração na hora em que se inscreve. Se ficar constatado que na verdade o candidato não é negro ou indígena, será eliminado da seleção.

Nos concursos federais, já existe uma reserva de vagas desse tipo desde 2014.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

2 comentários sobre “Curitiba pode ter cotas para negros e indígenas em concursos

  1. Como x% se auto-declara branco, y% se auto-declara amarelo, z% se auto-declara azul, se deveria reservar quotas para eles também, Nesses tempos de politicamente correto, meu comentário parecerá racista, mas sou anti-racista e de esquerda. Acontece que mudanças estruturais se farão pela luta contra as estruturas que desigualam e pelo empoderamento das minorias: melhor educação, por exemplo. Que tal, a cada Concurso Público, provermos cursinhos especiais dedicados exclusivamente aos egressos de escolas públicas, independentemente de cor?

    1. E por que não as duas coisas, até que se “tire o atraso”?

      É esse o princípio que rege, por exemplo, a defesa de cotas para mulheres em cargos de chefia.

      Uma coisa não anula a outra. E as duas podem andar (até que seja necessário) lado a lado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias