Livro gratuito reúne cartuns da Revolta da Vacina | Jornal Plural
8 fev 2021 - 9h24

Livro gratuito reúne cartuns da Revolta da Vacina

E-book mostra como a população temia a imunização 117 anos atrás

As inusitadas discussões em pleno 2021 sobre a necessidade e a segurança de vacinas contra a Covid fez com que muita gente recuasse no tempo para falar de um dos episódios mais famosos da saúde pública nacional: em 1904, a decisão do governo de vacinar a população contra a febre amarela causou uma rebelião no Rio de Janeiro.

A Revolta da Vacina tinha outras causas associadas (como a terrível reforma urbana que expulsava os pobres da região central). Mas a população de fato tinha medo de ser inoculada com um vírus – algo que não deveria mais ser o caso 117 anos depois, com tantas provas de que o processo é seguro.

Para dar uma noção mais clara de como foi o processo, o jornalista curitibano Eduardo Aguiar foi atrás do meio mais eficaz que a imprensa tem de comunicar suas ideias para o leitor: as charges e os cartuns. Na Hemeroteca da Biblioteca Nacional, ele pesquisou os principais veículos de comunicação do Rio, então capital federal, na época da vacina.

Foram selecionados 60 cartuns que mostram o clima que a cidade vivia: medo, desconfiança, revolta. Para cada um, Eduardo fez um texto explicando o que estava envolvido, contextualizando algumas imagens que para o leitor do século 21 talvez hoje façam pouco sentido (boa parte dos personagens da política da época, por exemplo, sumiu do imaginário popular).

O resultado é o livro Revolta da Vaccina, disponível de graça na Internet e que ajuda a entender as semelhanças e as diferenças entre aquele momento e o Brasil de hoje.

A diferença mais importante, talvez, está na inversão de papel dos atores. No início do século 20, era o governo, baseado na ciência do sanitarista Oswaldo Cruz, quem forçava a vacinação obrigatória, para impedir uma epidemia que poderia matar milhares de pessoas. Mas a imprensa e a população estavam contra (assim como muitos intelectuais e políticos, incluindo Rui Barbosa).

Hoje, o que se dá é o contrário: a população em geral implora pela vacina, embora alguns grupos, que aderiram à paranoia e às teorias da conspiração, resistam. E o governo, ao invés de seguir os ensinamentos de Oswaldo Cruz, nega à população as vacinas que podiam atenuar a catástrofe (já são mais de 200 mil mortos no país).

Possivelmente, os cartuns de hoje serão vistos daqui a cem anos como material para entender o período da Covid e do bolsonarismo. Quem sabe haverá um novo Eduardo Aguiar na época para explicar esse momento inusitado e terrível de nossa história.

Clique aqui para baixar o livro.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias