Três dramas franceses para ver no Festival Varilux em Casa | Jornal Plural
Clube Kotter
14 maio 2020 - 18h59

Três dramas franceses para ver no Festival Varilux em Casa

“Um instante de amor”, “O filho uruguaio” e “Agnus Dei” estão disponíveis gratuitamente na plataforma Looke até agosto

Há 11 anos o Festival Varilux traz ao Brasil os filmes mais recentes da França. No isolamento, devido à pandemia, o Festival ganhou uma versão “em casa” – assim como outros eventos. Cinquenta títulos do festival estão sendo disponibilizados gratuitamente, numa espécie de rodízio, dentro da plataforma Looke.

A seguir, confira três opções selecionadas pelo Plural.

“Um instante de amor” (2016)

No longa, dirigido por Nicole Garcia, Marion Cotillard interpreta Gabrielle: uma estranha e bela mulher que lida de maneira muito peculiar com seus impulsos sexuais. Em meio a um casamento arranjado, com o pedreiro José, a protagonista sofre um aborto e vai tratar de problemas renais em uma clínica.

Durante o internamento, Gabrielle encontra – em um tenente à beira da morte – uma paixão avassaladora. O romance dramático terminar com uma espetacular reviravolta do enredo, e faz o espectador se questionar sobre o que, de fato, pode ser “o amor”.

Um prato cheio de atuações – com destaque para a interpretação de Cotillard –,  longa tem 120 minutos e classificação etária 14 anos.

“O filho uruguaio” (2017)

Sylvie é uma francesa que teve o filho sequestrado pelo ex-marido. O menino vive há quatro anos no Uruguai, aos cuidados da família do ex. Quando finalmente encontra a criança, Sylvie elabora um plano para sequestrar o menino de volta e leva-lo para casa com o auxílio de um assistente social.

Aos poucos o drama da mãe vai ficando mais claro – em especial quando o plano, claro, não se concretiza e Sylvie precisa encarar a quebra das próprias expectativas. No fim, o longa fala sobre os sacrifícios e o amor na maternidade e questiona o que significa ser mãe.

Com interpretações cativantes, o filme tem classificação etária 12 anos e 97 minutos de duração.

“Agnus Dei” (2015)

A invasão da Polônia pelo exército alemão marcou o início da Segunda Guerra Mundial. Ao fim do conflito, os poloneses também sofreram nas mãos dos soldados russos. “Agnus Dei” conta uma história real, vivida por freiras polonesas que foram estupradas por soldados invasores – muitas das quais acabaram grávidas.

O drama mostra o conflito das mulheres ao lidarem com o trauma da violência e em conciliar sua fé em Deus. Também retrata a luta de uma enfermeira francesa, Mathilde, para tentar conquistar a confiança dessas mulheres, e ajudá-las a viver depois do ocorrido.

Esse é, sem dúvida, o drama mais denso entre os três. Com classificação etária 14 anos, o longa tem 115 minutos de duração.

Serviço
Todos os filmes  estão disponíveis gratuitamente na plataforma Looke, dentro do catálogo do “Festival Varilux de Cinema Francês em Casa”. Saiba mais sobre o uso da plataforma.

Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você clica aqui, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Assuntos:

Últimas Notícias