31 maio 2021 - 9h05

Brasilian Serenata

Passa um carro tocando uma música – de péssima qualidade – alta. Sequer parece música, é uma batida rítmica – destas de bate estacas da construção civil – irritante que te rouba toda a atenção: não te deixa ler e/ou escrever e muito menos dormir

Hoje dia da publicação desta crônica faz uma semana que fui até uma Unidade de Saúde (US) de Curitiba para receber a vacina contra a H1N1.

Não imaginava que teria fila. Tinha e era longa.

Não fiquei: fui procurar outra US.

Mesma coisa: fila. Um pouco menor, mas fila.

Entrei: na fila. Ela era composta por pessoas idosas, e na sua grande maioria acompanhadas por outras pessoas idosas, ou seja, fila de casais de idosos.

Há um conceito legal – no Brasil – de pessoas idosas. Mas este não está na cabeça de muitas pessoas, inclusive não estava na da minha mãe.

Na fila lembrei-me dela e do seu relato quando encontrava uma pessoa idosa na rua.

Cada vez que encontrava, e era todos os dias – nunca soube e não vou saber qual era o conceito que ela tinha para idoso/a – dizia “encontrei um velhinho ou uma velhinha”, e contava uma história que ela ouviu ou um fato ocorrido. Só que este velhinho ou velhinha às vezes era mais novo do que ela.

Todos os dias – enquanto pode sair – tinha um velhinho ou velhinha na vida dela para contar histórias.

Na fila da US tinha muitos velhinhos e muitas velhinhas e a grande maioria descuidado ou descuidada. Ficavam próximos na fila, manuseavam a máscara a todo instante e alguns – não vi as “velhinhas” fazerem – velhinhos tiravam a máscara ou deixavam o nariz de fora ou até – pelo menos vi um – cobria o nariz e deixava a boca de fora para espalhar perdigotos.

Na fila sem ter o que fazer, achei o que fazer: olhar o comportamento das pessoas, ouvir as conversas e observar a praça e a redondeza.

A mulher próxima a mim insistia em falar comigo, mas como todo velhinho – eu sou um – e toda velhinha é um pouco surdo não há outro jeito de conversar senão falar alto ou ficar próximos. A opção desta mulher era ficar próxima.

Ela se aproximava e eu me afastava. Ocorre que para manter a distância – 1,5 metro, que ninguém mantinha – entre as pessoas em alguns momentos tive que fugir da fila.

Saia da fila como quem se interessou por alguma coisa, dava uma olhada e voltava com o máximo possível do distanciamento permitido naquela situação.

Nestes momentos – fila parada que não anda – a gente vê quem tem coração duro e quem tem coração mole. Para fazer este julgamento há que se ter cuidado.

Uma senhora procurou ajudar outra com dificuldades em andar e tentou coloca-la mais na frente na fila. Um fura-fila consentido – contrário do que o Greca faz permitindo que os amigos do rei fure a fila da coronavac – que foi negado por outra senhora.

Um coração “mole” bondoso e outro “ruim” maldoso?

Cuidado: muitos velhinhos, mais que as velhinhas, enganam.

Às vezes, a gente vê um idoso com dificuldade de locomoção ou mesmo em cadeiras de rodas e cara de sofrimento. A primeira sensação que toma conta da gente é de pena e piedade. A segunda é um pedido: quero envelhecer, mais não ficar assim.

Só observando é impossível saber e separar uma pessoa humana e solidária de um canalha, bandido, matador e torturador. Todos envelhecerão e poderão despertar piedade. Todos poderão ficar com jeito de velhinho bondoso e necessitado de ajuda.

Bem, esta é uma reflexão. Volto para fila da Unidade de Saúde.

A fila caminha lenta, o sol esquenta, a praça é ocupada por pouca gente e há um vento que ajuda a levar para longe os aerossóis e perdigotos que saem das nossas bocas, principalmente daqueles que usam a máscara para proteger o queixo.

Nos poucos momentos que a senhora encontrava outra pessoa para conversar, eu me colocava a pensar: O que escrever para o Plural?

A pandemia me afastou dos sebos e consequentemente das dedicatórias. Meus estoques – pessoal – de dedicatórias estão acabando e me limitam os temas.

Passa um carro tocando uma música – de péssima qualidade – alta. Sequer parece música, é uma batida rítmica – destas de bate estacas da construção civil – irritante que te rouba toda a atenção: não te deixa ler e/ou escrever e muito menos dormir.

Tento pelo menos entender que cultura originou isto que acabei de ouvir. Não, não vou entender: foi só um lampejo mental. Concluo: não é música e tampouco poesia.

Música e poesia está em Brasilian Serenata, Dory Caymi, e no LP de casa tem uma dedicatória:

José

Este é prá

estudar os arranjos, harmonias

e linhas melódicas.

Feliz aniversário

         17/7/92

Antônio César.

A música que reverencia o LP é “História Antiga” (Paulo César Pinheiro):

Na varanda da sacada /Clareando a noite nua – O olhar da minha amada / Refletia a luz da lua / E na noite enluarada / não se ouvia quase nada / Só meu violão na rua.

A pandemia tirou o violão da rua, os arranjos, harmonias e linhas melódicas e parece que só colocou bate estacas e negacionistas.

Mas antes da pandemia, a desinformação, o fascismo e a burrice colocou o pandemônio no governo central do país.

Ah! Tomei a vacina e mentalmente surgiu esta crônica.

As serenatas um dia voltarão?


Para ir além

Últimas Notícias

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br