22 mar 2022 - 9h30

Arquitetura: a identidade na construção da felicidade

Essa identidade é confundida pelo mercado como qualidade e oferecida em massa, como se fôssemos todos iguais, quer seja aqui, no nordeste ou na Europa, gerando projetos e soluções sem critérios individuais

São tantas as buscas e os intermináveis objetivos traçados pela vida, que sempre nos questionamos sobre as nossas novas metas e os nossos novos sonhos. A resposta é sempre a mesma: “desejamos ser mais felizes e melhorar ainda mais a nossa qualidade de vida!” Mas como definir a qualidade se ela é subjetiva e peculiar a cada um de nós? Ela pode ser diferente  conforme nossa cultura, nossa personalidade, nossas raízes e nossos sonhos. A minha qualidade de vida não é necessariamente a sua e, por isso, temos que pensar em identidade.

Essa identidade é confundida pelo mercado como qualidade e oferecida em massa, como se fôssemos todos iguais, quer seja aqui, no nordeste ou na Europa, gerando projetos e soluções sem  critérios individuais.

Os conceitos aplicados hoje visam uma nova metodologia projetual, diferentemente da adotada pela necessidade de expansão urbana vivida após a revolução industrial. Os critérios pessoais estão sendo cada vez mais valorizados pois, enfim, se entendeu que impondo soluções coletivas, essas seriam, ao longo do tempo, reformuladas e adequadas de forma individualizada.

Foto: R.R. Rufino.

Isso prova que os diferentes padrões habitacionais são regidos pela identidade e necessidade local, por uma tecnologia, conceitos e conhecimentos disponíveis, e pelo domínio de um conjunto de fatores socioculturais e naturais, que, se bem explorados e aplicados, resultarão na identidade que reconhece, valoriza e acolhe o homem, ou seja, na sua qualidade individualizada, na identidade espacial.

Dessa forma, podemos até questionar: o que é padrão? O que é condição básica de moradia? Toda resposta começará por: quem somos, onde estamos  e o que cada um precisa para suprir suas necessidades com a tão sonhada qualidade, a qual pode ocorrer em uma mansão ou em um trailer. Esses dois exemplos parecem muito distantes um do outro mas, conforme o ponto de vista, a diferença pode ser simplesmente uma linha que separa o interno do externo. Ou seja, o que você precisa para ser feliz está dentro ou fora da sua casa? Dentro ou fora de você?

Foto: R.R. Rufino.

Enfim, estamos sempre buscando quebrar paradigmas, discursos e modismos para realmente atender às diferentes necessidades e precisamos aplicar com ciência cada detalhe do nosso conhecimento a favor da qualidade de vida do homem.

Foto: R.R. Rufino.

Temos que traduzir os anseios em projetos que identifique, principalmente, a personalidade do morador e que ele, nesse espaço, também se reconheça. Isso lhe proporcionará um “inconsciente” bem estar, proporcionado por um projeto inteligente que visa, além de vários outros fatores técnicos e sociais, atender valores pessoais que não são quantificados e não podem ser colocados no papel, somente usufruídos diariamente por meio de uma qualidade que identifica a sua vida, pois esta sim… não tem preço!

A coluna Arquitetura e Urbanismo tem a curadoria de conteúdo do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná (CAU-PR).

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Assuntos:

2 comentários sobre “Arquitetura: a identidade na construção da felicidade

  1. O autor é do Conselho da CAU. Li com atenção o seu texto. Queria sinceramente que refletisse o atendimento das necessidades que tenho procurado para a minha habitação. Penso que os profissionais de qualquer área estão ficando rasos! A arquitetura, por exemplo, é uma área incrível e pode mesmo refletir o que você tão bem revelou em seu texto. Já a arquitetura na prática…a engenharia….nao atendem! Minha leitura é observo com a atenção de ver retrabalhos e gastos desnecessários que os profissionais deveriam ter que se submeter ao amparo e orientação de tutores experientes, assim como o analista, o fonoaudiólogo etc.. Falo isso porque ao contratar uma, duas…. arquitetas, ao consultar engenheiros fico pasma de observar o seu despreparo e desconhecimento e falta aprofundamento e responsabilidade sobre seus trabalhos. Tão distantes do minimamente esperados….quase tanto ou mais que os mal formados que executam. As vezes perdem para eles.
    Uma lástima!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É falso vídeo que tenta ligar filho de Lula a Petrobras e a aumento de combustíveis

Diferentemente do afirmado em vídeo, o preço do barril de petróleo não é manipulado por uma empresa internacional que investe na Petrobras. O preço varia, na verdade, com a oferta e demanda do produto no mundo. Além disso, nenhum filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é sócio de empresa investidora da companhia e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os acionistas da petroleira. O conteúdo é falso

Projeto Comprova