18 out 2021 - 11h23

PM atira mais de 50 vezes, mata três e imprensa chama de “confronto”

Policiais perseguiram carro com suspeitos de assalto

O vídeo chegou pra mim num grupo de WhatsApp e amigos jornalistas. Sem saber o que era, abri e fiquei estarrecido. Um motorista filmou na entrada de Maringá o final de uma perseguição policial. Ao chegar a um sinal fechado, o carro que estava sendo perseguido parou – não dá para ver tudo com clareza porque a imagem mostra a viatura policial de trás. O que se escuta, porém, é uma rajada de tiros (tentei contar, mas é impossível, a primeira saraivada parece ter mais de quarenta estampidos).

Em seguida, o carro atingido começa a rolar lentamente pela pista, provavelmente com o motorista já morto. Uma outra viatura chega e todos os policiais descem. Quando se aproximam, o que se escuta são mais uns 20 tiros. Em volta, dezenas de carros, vários deles pelo jeito filmando, outros com testemunhas oculares do que acaba de acontecer.

Eu, sempre chocado pela truculência policial, pensei que pelo menos dessa vez estava claro que se tratava de algo inaceitável. Tudo aconteceu à luz do dia. Houve um fuzilamento, um massacre. Não dá para ver se alguém do carro perseguido tentou algo, se atirou. As testemunhas certamente poderão dizer isso. Não se vê nenhum policial ferido. Mas a reação, especialmente no segundo momento, quando certamente ninguém mais dentro do carro tinha condições de fazer nada e mesmo assim os PMs metralham todos lá dentro, parecia inequivocamente fora de qualquer padrão aceitável.

Pensei que dessa vez o coro seria unânime contra o que me parecia claramente uma execução. Foi burrice minha, como descobri horas depois ao acessar os portais de notícias.

Invariavelmente os jornais chamaram o caso de “confronto”. Conheço a imprensa por dentro faz vinte e tantos anos, especialmente a imprensa paranaense, e é fácil identificar quando os textos partem todos de uma mesma fonte. Todos os textos que li, em vários sites (alguns mais respeitáveis, outros menos) pareciam variações de um mesmo release enviado pela polícia.

Nos textos dizia-se que os três homens mortos eram “suspeitos” de assaltos em Marialva. Não dizem que alguém atirou contra a polícia, o que caracterizaria minimamente um confronto: o texto da CBN, por exemplo, diz que os policiais viram os suspeitos com armas. E isso bastou.

A truculência da PM existe em boa medida porque o Estado é conivente com isso. Mas também tem culpa quem vê um vídeo desses e consegue enxergar confronto onde nitidamente o que ocorreu foi uma chuva de tiros de um lado só. Acabamos de ter o julgamento de gente do Exército por matar com mais de 250 tiros um homem, mas não adiantou nada na cultura do país. A polícia continua atirando muito e atirando sem ser responsabilizada.

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

28 comentários sobre “PM atira mais de 50 vezes, mata três e imprensa chama de “confronto”

    1. Interessante seu ponto de vista quando diz quem não teve nenhum pm ferido, que bom né ou pra ser perfeito para vc um policial que estava no seu serviço teria que ser baleado ferido ou morto pra ser uma ação legítima?

      Você atrás do seu computador sabe muito, sabe de leis, sabe abordagem policial, sabe e fica indignado ou apenas quer chamar atenção para seu blog. As vezes se a casa que os três autores é não suspeitos mortos tivessem sido roubada fosse sua vc pensaria diferente.

      Siga no seu mundo perfeito atraia atenção dos defensores desse tipo de criaturas, talvez um dia um deles pegue um dos seus aí talvez vc entenda a realidade. Abraços.

  1. Cara, você usa o seu lado “contra tudo que não for da minoria” para vender assinaturas do seu Blog.

    Tudo bem, é uma estratégia até interessante de marketing. Mas é limitador, uma vez que a sua vida se resume (e se resumirá) em reclamar, reclamar e reclamar…. Tudo para querer vender!

    Bravo, uma existência limitante, mas não deixa de ser “existida”.

    Agora, cuidado para não exagerar, o exagero (até nas minorias) te bloqueará e, logo mais logo menos, te obrigará a rever conceitos para SOBREVIVER

    1. O mais interessante é que em momento algum ele mencionou que houve um disparo no para-brisas da viatura que atingiu em cheio o peito de um policial militar. O disparo só não matou aquele policial pois estava de colete balístico.
      Este confronto aconteceu antes mesmo das filmagens feitas por motoristas no trânsito iniciarem. Tanto que no vídeo feito por um dos criminosos que admitiu em áudio enviando para a namorada que estava fazendo um assalto (comprovado através de imagens de câmeras de segurança), mostra que a viatura já havia sido atingida pelo disparo, muito antes dos motoristas iniciarem a filmagem. Mas isso não foi citado na matéria, já que convém apenas uma crítica massiva totalmente parcial que apenas condena a polícia baseada em achismo, sem ao menos ir até o local, conversar com testemunhas, conversar com o policial atingido pelo disparo, conversar com as vítimas do assalto, não há apuração, apenas falácia e achismo.

    2. O jornalista Galindo está de parabéns pela coragem de denunciar os abusos supostamente cometidos na Terra dos Pinheirais.

      A manifestação do Sr. Julio Cesar evidencia um provincianismo de parte da população que se acha infalível, perfeita e fascista, sobretudo por condenar o direito ao jornalismo crítico.

      Felizmente o mundo é bem maior do que a mentalidade de muita gente nesse estado.

      Os sulistas não são uma raça superiora, muito menos as tropas fascistas que cotidianamente agem como se estivessem acima do bem e do mal.

      Como pagadora de tributos, a população tem o direito de exercer o controle social sobre as ações policiais, inclusive o de reivindicar o fim dos tribunais militares.

    3. Ora, não vi exagero algum em noticiar a falta de imparcialidade e de profissionalismo da imprensa geral, neste caso. Aliás, exagero, pelo que vi, foi a atuação da polícia no que mais parece uma queima de arquivo.

    1. Caro Rafael, existe limites para a liberdade de expressão. Como seu comentário imputava um crime aos policiais, sem provas, ele foi editado. A internet não é terra sem lei. Cuidado com esse tipo de comentário, que pode resultar em punição não só para você, mas para o site que o publicou.

  2. É o que eu sempre digo, devidamente adaptado para não chocar os mimizentos esquerdistas-progressistas de plantão:

    Este trecho foi editado por conter apologia à violência, o que é crime sob a lei brasileira.

  3. Rogério
    O seu trabalho (e o trabalho realizado pela equipe do Plural) são de extrema importância. Fiquei estarrecido com o conteúdo apresentado nesta matéria e meu estarrecimento cresceu ainda mais quando me deparei com a indigência e a falta de escrúpulos do comentário que faz menção à necessidade de rever conceitos para sobreviver. Esse é um ato explícito de intimidação. Isso precisa ser denunciado!

  4. Desonesto demais. Os vídeos mostram que teve tiro nas viaturas e inclusive um PM levou um tiro no peito. Por sorte estava com o colete balístico!

  5. A polícia do Rato virou um esquadrão da morte . Está fazendo o que o Rato pai pedia naqueles programas policialescos que apresentava . É só fazer um levantamento dos mortos em “confronto “ nesse governo .

  6. O cerimonioso gravaram um vídeo falando que tinham feito um assalto. E o tiro que o policial levou no peito e salvo pelo colete….não conta. Esquerda sempre do lado das “ vítimas da sociedade”. Que nojo

  7. Pelo vídeo não dá pra dizer muita coisa, mas se o policial levou mesmo um tiro no colete como disseram, então foi legítima defesa. Talvez a reação dos outros policiais tenha sido excessiva, mas tem que levar em consideração que se o cara atirou no outro policial imagine como fica o estado de tensão dos outros vendo o colega ser atingido. É complicado avaliar. Uma situação de confronto em que você pode morrer é muito tensa. Sei que várias vezes os policiais se aproveitam da farda e da arma, mas tem que levar em consideração que esse trabalho não é fácil.

    1. Oi Fabrício, olha, difícil defender 50 tiras e três mortos em resposta a um tiro contra um policial. O papel da polícia é proteger a população. Abrir fogo em local público é, além de tudo, colocar em risco a população no entorno. O policial deve atirar para parar ou imobilizar o criminoso. Não para matar.
      O aumento da violência policial não é benéfica para ninguém. Ela gera aumento da violência por parte dos criminosos, que passam a se armar mais e serem mais violentos ainda. Também aumenta o gasto da Segurança Pública sem benefício à população. Nós temos uma polícia violência há décadas e os índices de criminalidade continuam aumentando. Isso sem falar que o Direito brasileiro não prevê a pena de morte.
      A única coisa que o excesso de violência da polícia conquista é o apoio de quem tem uma visão simplista do problema.
      Obrigada pela audiência,
      Abraço

      1. Sim, eu concordo com você. Sei que a polícia muitas vezes age de forma flagrantemente ilegal, mas só estou salientando que esse trabalho é complicado. Já conversei com muitos policiais e existe um risco de morte iminente na própria profissão. Quando um policial vê um colega atingido, isso abala a pessoa e é muito difícil não ter uma reação violenta. Existe um problema de uma violência estrutural da própria ação policial, mas também existe uma pessoa ali, que muitas vezes viu colegas serem assassinados em ações, que também as vezes está passando por muita dificuldade emocional. É difícil ser extremamente racional numa situação em que a sua vida está em risco. E isso é da própria natureza da ação do policial. Não estou dizendo que temos que achar normal um policial agir de forma violenta, mas apenas levar em consideração que esse trabalho não é fácil. E com o tempo muitos policiais acabam se tornando agressivos pelo fato de se verem nessas situações ruins constantemente. É muito comum policiais acabarem tendo problemas conjugais e serem pais agressivos. Vários acabam se suicidando!
        É um problema complexo. Acho que é injusto só atirar pedra na polícia o tempo todo.

      2. Minha senhora, atirar pra “imobilizar” simplesmente não existe sob NENHUMA circunstância, isso não é o procedimento em nenhum lugar do mundo com uma arma de fogo, a partir do momento que dispararam contra o PM justificaram todos os tiros disparados. Sou um grande crítico da PM em casos onde há excessos e enganos, e não são poucos… mas nesse caso, Parabéns para a polícia.

        1. Rafael, você tirou essa informação da onde? Porque o uso “razoável, necessário e proporcional” é uma diretriz da ONU desde 1990. É também parte dos diretrizes do uso de armamento letal em vários estados e municípios americanos (que é um lugar no mundo, sabe?). Em Seattle, por exemplo, o Departamento de Polícia recomenda o uso de táticas para redução da violência do conflito, de forma a limitar o uso de armamento letal. Mesmo na lei brasileira, a morte em conflitos entre pessoas e a polícia é de investigação obrigatória e nós não temos previsão de pena de morte. O nosso problema é que a PM, sendo um organismo militar, tem uma estrutura de supervisão que permite que policiais envolvidos em outros conflitos julguem colegas na mesma situação, um sistema conhecido por promover uma cultura de impunidade.
          Obrigada pela audiência

  8. Parabens !
    Todos os dias vemos a midia adestrada publicar “confrontos” onde TODOS de um lado morrem e NENHUM do outro lado sequer suja a farda .
    Sem juizo de valor, fica ridiculo esse tipo ee “jornalismo” para consumo de um certo tipo de asinino fundamentalista..
    Alguém realmente acredita na midia oficial adestrada tipo opus dei ?

  9. Parabéns pela matéria. A única que trata o fato como aconteceu. A ação da polícia foi criminosa e poderia ter levado à morte outras pessoas que trafegavam pelo local.

  10. Houve excesso ! Nao é Segredo que a policia é violenta e atira pra matar, mas corrigindo o texto, houve confronto sim, se procurar mais videos verá que uma policial levou um tiro no peito e a bala parou no colete, se olhar as lives feitas no local verá que o parabrisas de uma viatura da PM estava furado de bala que veio de fora pra dentro, quando a policia abordou o veiculo no video, o passageiro do banco traseiro já baleado apontou a arma para a janela do carro, foi quando os policiais dispararam. Eu moro bem proximo do local e acompanhei o desenrolar da ação!
    Sarandi esta tendo uma onda forte de assasinatos, ao menos toda semana dois homicidios acontecem por arma de fogo, se durante a fuga os suspeitos tivessem obedecido a ordem dos policiais de pararem o carro e se render, estariam todos vivos, ao contrario disso, manteram a fuga e ainda atiraram contra as viaturas. Não estou defendendo a ação policial, lamento muito a violencia que ocorreu, mas os suspeitos foram quem partiram para o tudo ou nada.

  11. As pessoas tem que entender, que a POLICIA representa o Estado…. Se a pessoa resolveu trabalhar nesta área tem que ser preparado para entender a sua função e principalmente o risco deste trabalho ( alias. existe condições especiais para atuar na Policia)…
    A situação brasileira se agravar cada vez mais…a fome, o desemprego amplia as desigualdades sociais. A policia tem que estar preparada….
    Com esta quantidade de tiros mostra o despreparo dos militares e o MP tem que investigar a situação . Os comentários dos leitores são rasos e carentes de conteúdo…o que se vê é a emissão de opinião igual do ultimo processo eleitoral….que elegeu uma Besta….

    1. Oi Pablo, em que momento do suposto confronto esse tiro atingiu o policial? Você sabe? Quantos tiros atingiram cada um dos mortos? Essas são perguntas que precisam ser respondidas para avaliar a validade da ação policial. No mais, estamos num espaço público de debate e é costumeiro aqui se pedir respeito. Se você insistir a usar agressão como parte do debate, vamos ter que impedir sua participação. Obrigada pela audiência

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br