20 out 2021 - 10h00

À beira da cassação, Francischini é avisado de que TSE pretende ser duro com fake news

Deputado já tem três votos pela perda de mandato e inelegibildade

O início do julgamento do processo contra o deputado Fernando Francischini (PSL) deixou claro que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deve cassar o mandato do parlamentar pela acusação de fake news. Além disso, Francischini poderá ficar inelegível por oito anos – uma pena até mais dura, uma vez que o atual mandato dura apenas mais um ano.

Na primeira sessão do julgamento, três ministros votaram pela cassação de Francischini. Bastava apenas mais um voto para que ele perdesse o mandato quando o ministro Carlos Bastide Horbach pediu vistas ao processo, interrompendo a votação. Agora o julgamento só será retomado quando o ministro terminar de analisar o caso.

Francischini está sendo julgado por um vídeo que divulgou no seu Facebook no dia das eleições em 2018. Na época o deputado denunciou uma suposta fraude nas urnas eletrônicas que estaria prejudicando a eleição de Jair Bolsonaro para presidente. Ficou claro que se tratava de uma mentira, e o TSE deve pela primeira vez fazer uma cassação por fake news.

O relator, Luiz Felipe Salomão, considerou que a página do deputado, equivale a um meio de comunicação, e para isso citou as seis milhões de visualizações que o vídeo teve. A tese é polêmica e nunca foi aceita pela Justiça Eleitoral antes.

O que se diz é que Francischini está sendo cassado numa demonstração de força do TSE, para deixar claro que não aceitará mentiras sobre o processo eleitoral e as urnas eletrônicas no ano que vem. Francischini seria o meio de transmitir o recado, até por ter sido próximo ao presidente Bolsonaro, maior difamador do sistema eleitoral brasileiro.

Caso Francischini caia, a composição da Assembleia Legislativa paranaense deve mudar em quase 10%. Com 427 mil votos, Francischini ajudou o PSL a eleger uma bancada significativa, de oito parlamentares. Sem os votos dele e do subtenente Everton (PSL), cassado nesta terça pelo TSE, os quatro deputados menos votados da chapa devem perder a vaga. Além de Francischini e Everton.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Um comentário sobre “À beira da cassação, Francischini é avisado de que TSE pretende ser duro com fake news

  1. Que seja cassado e que a bancada da assembleia legislativa paranaense seja limpada de pelo menos mais quatro que não fazem nada e ainda votam contra o povo e os servidores públicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Radiocaos Convescote

Neste episódio os textos e ideias prazerosas de Otto Leopoldo Winck, William Cruzoé Teca, Guilherme Zarvos, Sergio Viralobos, Edilson Del Grossi, Gabriele Gomes, Bernardo Pellegrini, Amarildo Anzolin, Francisco Cardoso de Araujo, Marielle Loyola, Flavio Jacobsen, Maurício Popija, Adriano Samniotto, Leonard Cohen, Wally Salomão, Natalia Barros, Trin London, Daniel Quaranta, Marcelo Brum-Lemos, Michel Melamed, Julio Cortazar, Mauricio Pereira, entre outros não menos alvissareiros.

Redação Plural.jor.br