Surto de coronavírus fecha duas escolas na Região Metropolitana de Curitiba | Jornal Plural
18 fev 2021 - 20h26

Surto de coronavírus fecha duas escolas na Região Metropolitana de Curitiba

Outras 14 em Maringá e quatro em Foz do Iguaçu também estão isoladas por contaminação entre os educadores

As aulas remotas na Rede Estadual de Ensino no Paraná voltaram hoje (18) para um milhão de alunos. O retorno presencial dos estudantes está previsto para 1º de março, mas antes disso já tem instituição fechada por surto de Covid-19 registrado entre os profissionais de Educação. Uma delas fica em São José dos Pinhais e outra em Araucária, ambas na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Também há quatro colégios em quarentena em Foz do Iguaçu, Oeste do Estado, e 14 fechados na Região de Maringá, no Noroeste, onde os leitos para pacientes com coronavírus chegam a 96% de ocupação.

O fechamento dos colégios foi anunciado por 14 dias, resultado de casos da doença detectados em funcionários e professores, que voltaram para as escolas na semana passada. Eles foram chamados para participar de reuniões pedagógicas presenciais.

Uma das escolas fechadas fica na área rural de São José dos Pinhais; é o Colégio Estadual de Campo Eunice Borges da Rocha, que “estará interditado por 14 dias, retornando para o modelo de aula 100% on-line no período de 11 a 24 de fevereiro”, diz o comunicado no portão.

Cartaz anuncia caso confirmado em São José dos Pinhais. Foto: APP-Sindicato

Em Araucária, o Colégio Professor Júlio Szymanski fechou as portas em 15 de fevereiro e só retorna no dia 22 “para isolamento de professores e funcionários em razão de casos de Covid-19 na nossa equipe de trabalho”, esclarece o texto fixado na entrada da instituição.

Em Araucária, há mais profissionais contaminados e suspeitos . Foto: APP-Sindicato

“É lamentável. É um atentado à vida. Se isso aconteceu desta forma com a presença de professores e funcionários, imagina quando estiverem os estudantes circulando?”, questiona o presidente da APP-Sindicato, professor Hermes Silva Leão.

Além das denúncias de educadores contaminados, o sindicato – que representa os professores do Estado – recebeu relatos de falta de produtos e equipamentos básicos, como sabonetes, álcool em gel, máscaras e treinamento. A dificuldade no cumprimento dos protocolos de segurança fez com que os professores decidissem por greve geral pra aulas presenciais a partir de 1º de março.

“O governador e o secretário parecem desconhecer a realidade das escolas públicas e do que é a dinâmica de uma escola repleta de estudantes. As aulas presenciais, neste momento onde a vacinação não chegou à grande maioria da população, é um atentado à vida. O governo do Paraná está levando nossos professores, funcionários e estudantes para um caminho que pode resultar em inúmeras mortes. Isso é grave, é desumano”, reforça o presidente da APP.

A Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed-PR) confirmou que está ciente dos relatos e vai proceder conforme a resolução 98/2021 da Secretaria da Saúde, que prevê a “possibilidade de cancelamento das atividades presenciais de forma parcial ou total, de uma turma ou mais e, eventualmente, de toda Instituição de Ensino, conforme orientação das autoridades sanitárias locais e regionais”, na presença de casos suspeitos ou confirmados de Covid-19 na comunidade escolar ou acadêmica.

Denúncias

É possível realizar denúncias anônimas sobre a situação das escolas por meio de um formulário disponibilizado pelo sindicato. Fotos podem ser enviadas para o e-mail [email protected].

Para os profissionais que foram contaminados, o sindicato lembra que é essencial o preenchimento da Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT), “especificando que contraíram o coronavírus após convocação para o trabalho presencial”. O documento deve ser protocolado no Núcleo Regional de Educação. “Os(as) sindicalizados(as), também podem procurar a APP-Sindicato para orientações sobre a denúncia junto ao Estado.”

Nesta quinta-feira (18), o Paraná registrou 3.027 casos de coronavírus e 92 mortes pela Covid-19, de um total de 10.907 óbitos pela doença desde o início da pandemia, em março de 2020. Só em Curitiba, foram 12 mortes e 437 novos casos nas últimas 24h.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias