O coronavírus fica por quanto tempo em materiais e ambientes? | Jornal Plural
12 abr 2021 - 20h28

O coronavírus fica por quanto tempo em materiais e ambientes?

Cientistas da UFPR respondem estas e outras dúvidas sobre a Covid-19; confira

Vindas de todo o Brasil, perguntas sobre o coronavírus e a pandemia chegaram ao projeto Pergunte aos Cientistas, da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Uma breve seleção será apresentada a seguir, pelo Plural.

Nela, pesquisadores dos setores de Educação e Ciências Biológicas da Universidade esclarecem as principais dúvidas sobre a Covid-19, sua transmissão e prevenção. Confira um compilado do Plural:

“O coronavírus fica no ambiente por quantos dias?” 

Alguns estudos mostram que o vírus permanece viável em superfícies, sendo mais estável em plástico e aço inoxidável do que em cobre e papelão. Experimentalmente, o vírus viável foi detectado até 72 horas após sua aplicação em diferentes superfícies, embora também tenha sido observado declínio na sua infectividade. Outro estudo avaliou UTIs de pacientes com Covid-19 após eles testarem negativo e demonstrou que os objetos na UTI estavam livres do vírus, mas o ar continha partículas virais por alguns dias. Limpar as superfícies com desinfetante adequado (como álcool 70%) e deixar o ambiente arejado reduz a chance de permanência do vírus nos cômodos.

“Há pessoas que pegam essa nova variante sem sair de casa ou ter contato com alguém. Por que isso acontece?” 

A variante P.1 pode ser 1,4 a 2,2 vezes mais transmissível e tem alta probabilidade (até 61%) de escapar da imunidade protetora induzida pela infecção. Estudos mostram que indivíduos contaminados com esta variante têm carga viral 10 vezes maior do que os contaminados com outras cepas do coronavírus. Além disso, estudos sugerem que indivíduos acima de 18 anos podem ser igualmente infectados com P.1, independentemente do sexo e da idade. Esses dados justificam a alta taxa de transmissibilidade e gravidade desta variante, inclusive em pessoas mais jovens, o que mudou o perfil dos pacientes graves de Covid-19: antes eram, geralmente, idosos e/ou com comorbidades, e agora podem ser mais jovens e sem doenças prévias. A transmissão acontece primariamente pelo contato entre pessoas e, de modo menos provável, pelo contato das mãos com superfícies contaminadas por gotículas infecciosas e que posteriormente irão tocar a boca, o nariz ou os olhos, sendo uma via de transmissão indireta.

“Cheirar álcool tem algum benefício comprovado cientificamente contra a covid?” 

Tentar “limpar” as vias respiratórias inalando álcool não tem nenhum efeito sobre o coronavírus pois o teor do álcool inalado nunca chegará aos 70% necessários. A concentração é muito pequena. Por outro lado, a concentração de etanol pode ser alta o suficiente para causar intoxicação alcoólica: o álcool pode ter efeito adverso sobre o epitélio e também pode ser absorvido pelo sangue. Se houver outros contaminantes voláteis no álcool, o risco pode ser ainda maior. O que é para uso externo não deve nunca ser usado internamente, nem na forma oral, nem inalado.

“O coronavírus sobrevive por quanto tempo na grama ao ar livre?

Não encontramos nenhum estudo sobre sobrevivência do vírus em grama e seu potencial de contaminação. É possível encontrar alguma informação sobre grama sintética. Nesses casos, os materiais de limpeza com algum detergente são suficientes para eliminar todo vírus. Porém, de forma geral, se o ambiente é externo, o mais provável é que o aquecimento pelo sol inative o vírus. Se chover ou mesmo chuviscar, a água lava o coronavírus para o solo, inativando-o também. Além disso, a grama representa um mini ecossistema, com uma quantidade imensa de bactérias, insetos, moluscos e fungos. Esse sistema é bastante dinâmico e, com o tempo, vai atuar sobre o coronavírus também. Se você estiver tomando cuidado de usar máscara nos seus passeios e lavar as mãos logo após, é bastante improvável que ocorra contaminação.

“Quanto tempo o vírus permanece nos ambientes, superfícies, roupas? E quais os produtos mais indicados para fazer a desinfecção do imóvel?” 

Estudos indicam que as partículas virais que são expelidas quando a pessoa tosse, espirra ou fala, podem ficar em suspensão no ar por até duas horas e 30 minutos. Já em superfícies, podem ser viáveis por alguns dias. Pesquisadores do Instituto Nacional da Saúde (NIH) dos Estados Unidos afirmam que o vírus pode permanecer viável em papelão por 24 horas e, em plástico e aço inoxidável, por até três dias. Manter o ambiente arejado e limpar as superfícies do cômodo com um desinfetante (água sanitária, álcool 70% ou outros desinfetantes comerciais) ou com água e sabão são suficientes para eliminar as partículas virais remanescentes. Acredita-se que em tecidos o vírus pode permanecer viável por três dias, mas ele é sensível ao calor, ao sabão e à água sanitária. No caso da impossibilidade de lavar as roupas em máquina, utilize água morna, sabão e deixe as roupas de molho em água sanitária a 0,05% por 30 minutos.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

3 comentários sobre “O coronavírus fica por quanto tempo em materiais e ambientes?

    1. A questão não foi respondida porque não era o tema da matéria. Leia novamente para tentar entender o escopo.
      Não percebeu que as pessoas que não saem de casa são infectadas por visitas?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias