Meninas paranaenses são finalistas em prêmio nacional de Ciência | Jornal Plural
11 out 2020 - 16h12

Meninas paranaenses são finalistas em prêmio nacional de Ciência

Minifoguete para reflorestamento foi escolhido entre 1,7 mil projetos; alunas de escola pública em Palotina, elas têm apoio da UFPR

Criar uma solução inovadora para um problema real em uma situação concreta. Para responder a esse desafio, três alunas de um colégio agrícola de Palotina, criaram um minifoguete para reflorestar áreas de difícil acesso. O projeto está entre os dez finalistas do Prêmio Respostas para o Amanhã, divulgados na quarta-feira (07).

As idealizadoras do trabalho paranaense são as estudantes Estephany Alves, Kawany da Rocha e Marina Grokorriski, do 1º ano do Ensino Médio. Elas desenvolveram o protótipo de um minifoguete com cano de PVC para lançar sementes e reflorestar áreas de difícil acesso. A ideia nasceu durante as atividades entre o Colégio Agrícola Estadual Adroaldo Augusto Colombo e o projeto Meninas nas Ciências, do Setor Palotina da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

O trabalho, intitulado Rocket Girls: Meninas na Astronomia e na Astronáutica, começou após um incêndio atingir mais de 60% do Parque Nacional de Ilha Grande, no Noroeste do Paraná, em agosto de 2019. A inspiração veio dos pássaros, que soltam sementes durante o voo. O protótipo, criado com materiais simples a um custo de R$ 50, sobe até 300 metros, quando a peça com os grãos se desencaixa e desce até o solo, espalhando sementes de pitanga e ipê branco, nativas da região do parque. Os minifoguetes devem ser lançados no período de chuvas, no verão de 2021, época propícia para germinação das sementes.

Foguete tem custo de R$ 50. Foto: UFPR

O prêmio

O prêmio ‘Respostas para o Amanhã’, promovido pela Samsung, recebeu 1,7 mil trabalhos de todo o Brasil. O projeto de Palotina foi o único do Paraná a ser escolhido e está entre os dez finalistas. O colégio agrícola e o professor orientador, Emmanuel Zullo Godinho, receberam computadores por passarem pela fase semifinal.

As alunas também foram premiadas por chegarem à final. “É uma grande conquista ter um projeto desse com estudantes mulheres. Vemos que estamos ganhando espaço em um lugar que é predominantemente de homens, isso é muito bom”, avalia a estudante Estephany Alves.

Em 19 de novembro devem ser anunciados os três projetos vencedores e o mais votado na escolha popular. A votação estará aberta ao público de todo o Brasil entre 12 e 18 de novembro pelo site do prêmio.

Protótipo em produção. Foto: UFPR

Meninas na Ciência

O projeto Meninas nas Ciências “é um trabalho grande e amplo, formado por alunos da UFPR e das escolas. É um ponto positivo a aproximação ente universidade e escola, principalmente na parte interdisciplinar”, avalia a professora da UFPR de Palotina e coordenadora do trabalho, Mara Fernanda Parisoto.

Segundo ela, a premiação é um grande incentivo para todos os estudantes. “No curso de técnico em agropecuária, que é o que as meninas estudam, tinha poucas meninas, então é uma forma de incentivá-las também a ingressarem nessas áreas. Não só na Física, Química e Computação, que é prioritariamente masculina, mas também na área da técnica agrícola”, conclui a docente.

Estudantes finalistas do prêmio. Foto: UFPR

Reportagem: Lais Murakami/UFPR

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias