Associação Comercial quer lojas abertas já na segunda | Jornal Plural
9 abr 2020 - 18h00

Associação Comercial quer lojas abertas já na segunda

Entidade diz que não pode se omitir aos apelos dos associados e que é preciso amenizar os prejuízos do comércio durante a quarentena

A Associação Comercial do Paraná (ACP) emitiu hoje (9) uma nota em que convida os comerciantes do Estado a retomar suas atividades a partir da próxima segunda-feira (13). A justificativa são os pedidos dos associados que, segundo a entidade, registram prejuízos por causa do período de quarentena, decretado pelo governo do Estado em 16 de março.

A ACP recomenda o retorno ao trabalho dizendo que “compreende a preocupação das autoridades sanitárias mundiais, mas não pode se omitir aos apelos de seus associados, em grande parte microempresários, que não podem mais permanecer inteiramente fechados”.

A entidade acredita que é possível reabrir todo o comércio do Paraná e, ainda assim, não promover a proliferação do coronavírus entre a população. Para isso, propõe um horário diferenciado com equipes de trabalho reduzidas e com acesso limitado a 50% da capacidade de cada estabelecimento.

“O comércio funcionaria das 10h às 16h evitando acúmulo de pessoas nos horários de pico no transporte público. Cada estabelecimento comercial deve promover a restrição de acesso para não haver acúmulo de pessoas num mesmo espaço, fornecendo máscaras e álcool gel para os colaboradores em cada estabelecimento”, diz o texto.

Já abertos

No Alto Maracanã, em Colombo, o comércio já estava aberto nesta quinta (9)

Em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, o comércio já foi flagrado aberto nesta semana. Na Estrada da Ribeira, moradores registraram revendas de veículos, lojas de calçados e outros segmentos não essenciais abertas. “A sensação é de abandono e descaso. As pessoas acham que está tudo certo, há lojas não essenciais abertas, cultos são realizados normalmente, mercados não fazem controle de clientes. É um absurdo. Ninguém se compadece com a vida das pessoas”, diz uma moradora da Cidade que preferiu não se identificar.

A Prefeitura de Colombo reforçou a situação de emergência decretada e “a suspensão das atividades dos serviços não essenciais e que não atendam às necessidades inadiáveis da população”.

Segundo a administração pública, “diariamente carros de som percorrem os bairros para orientar os cidadãos e comércios para que evitem aglomerações de pessoas. PM, GM e Defesa Civil do município auxiliam na fiscalização e abordagem, além de restringir a circulação de pessoas na
cidade sem necessidade”.

Loja Havan de Colombo também já abriu as portas nesta semana

Ratinho insiste no isolamento social

Questionado pelo Plural, o governo de Ratinho Júnior lembrou que estabeleceu, por decreto, as atividades essenciais que devem permanecer em funcionamento. “A orientação é para que os estabelecimentos adotem as normas de prevenção estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde e o Ministério da Saúde. Em relação aos demais segmentos, há uma recomendação para que apoiem o distanciamento social, conforme preconizam as autoridades sanitárias, para ajudar a conter a disseminação do novo coronavírus.”

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) reforçou a defesa da manutenção do isolamento social como medida importante no combate ao coronavírus. Segundo a entidade, eventuais medidas de abertura do comércio serão analisadas pelos promotores de cada Comarca, que têm autonomia.

Curitiba

A Prefeitura de Curitiba disse que mantém a recomendação para que apenas o comércio essencial se mantenha aberto e reforça que conta com a responsabilidade de todos os setores para conter o avanço da doença na Capital.

Nota ACP

“A Associação Comercial do Paraná, atendendo aos pedidos da maioria dos seus associados, vem a público convidar os comerciantes a retornarem às atividades a partir da próxima segunda-feira (13/04), como forma de amenizar os graves prejuízos acumulados pelo comércio com o período da quarentena em razão do coronavírus (Covid-19).

Para não promover a difusão do vírus entre a população paranaense, a ACP propõe um horário diferenciado com equipes de trabalho reduzidas e com acesso limitado a 50% da capacidade de cada estabelecimento. O comércio funcionaria das 10h às 16h evitando acúmulo de pessoas nos horários de pico no transporte público. Cada estabelecimento comercial deve promover a restrição de acesso para não haver acúmulo de pessoas num mesmo espaço, fornecendo máscaras e álcool gel para os colaboradores em cada estabelecimento.

A ACP compreende a preocupação das autoridades sanitárias mundiais, mas não pode se omitir aos apelos de seus associados, em grande parte microempresários, que não podem mais permanecer inteiramente fechados. Os governos federal e estadual tomaram medidas para reduzir os problemas financeiros das empresas, tais como concessão de empréstimos com juros reduzidos, prorrogação para pagamento de impostos, dentre outras medidas. Todas elas são fundamentais para este momento crítico, mas a reabertura dos estabelecimentos comerciais é necessária para não aniquilarmos por completo as micro e pequenas empresas, que são grandes geradoras de emprego e renda.

A Associação Comercial do Paraná tomou a iniciativa de fechar as atividades não essenciais. Agora seguimos na vanguarda para recomendar o retorno ao trabalho, já na próxima segunda-feira. Trabalhadores dos grupos de risco devem continuar a quarentena, se valendo das medidas do governo para garantia de renda até o final do isolamento social.”

Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você clica aqui, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?

Um comentário sobre “Associação Comercial quer lojas abertas já na segunda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias