7 fev 2022 - 9h33

Apesar de greve ser considerada ilegal, servidores de Araucária paralisam atividades

MPT notifica prefeitura para negociar com funcionalismo

Os servidores públicos da prefeitura de Araucária, Região Metropolitana de Curitiba, entraram em greve na manhã desta segunda-feira (7). Entre outras reivindicações, os funcionários públicos pedem correção da inflação, reajuste no vale alimentação, recomposição salarial de 18% e aumento linear de R$ 500 incorporados aos salários. Na sexta-feira (4), a prefeitura havia conseguido uma liminar contrária à paralisação, mas o Sindicato dos Servidores de Araucária (Sifar) decidiu não cumprir a medida.

Em nota, o Sifar alega que há falta de diálogo com a prefeitura, que cancelou mesas de negociações ao menos três vezes. “O prefeito [Hissam (Cidadania)] vem descumprindo o compromisso ao longo do ano de 2021, ao não negociar a recomposição, como fizeram os demais municípios, e mantém o congelamento salarial desde 2020 […] não concede reposição inflacionária e nem sequer recebe os sindicatos.” Ao Plural, a assessoria de imprensa do município disse que está prevista uma nova reunião para o mês que vem.

Procurada pela reportagem, a direção da entidade informou que ainda não havia percentual de adesão dos servidores à paralisação, mas que a cifra seria atualizada no fim da manhã desta segunda-feira. De acordo com a coordenação geral do sindicato, os serviços essenciais de saúde serão mantidos durante a paralisação, que não tem data para ser encerrada.

Notificação

O Ministério Público do Trabalho (MPT) enviou uma notificação para a prefeitura de Araucária para que o município participe de uma audiência na próxima semana. O documento é assinado pelo procurador do Trabalho Alberto Emiliano de Oliveira Neto.

Em nota, o Sifar diz que segue aberto ao diálogo e espera que a prefeitura cumpra a decisão do MPT, “negociando o reajuste salarial que está há mais de mil dias defasado”. A assessoria de imprensa da prefeitura foi questionada sobre a notificação pelo Plural, mas até o fechamento desta edição não havia se manifestado.

Liminar

Na última semana a prefeitura conseguiu uma liminar na Justiça, que considerou a greve ilegal. O documento autoriza o município a descontar os dias não trabalhados e ainda estipula multa diária de R$ 10 mil ao Sifar em caso de descumprimento da decisão. No mesmo dia o departamento jurídico do sindicato recorreu da decisão.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

4 comentários sobre “Apesar de greve ser considerada ilegal, servidores de Araucária paralisam atividades

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

Post adultera áudio e mente ao afirmar que Lula foi xingado em Caruaru

É falso conteúdo publicado no Facebook afirmando que Lula foi hostilizado ao participar da festa junina em Caruaru, Pernambuco. A publicação sofreu edição com a introdução de um áudio com gritos de “ladrão”. No conteúdo original, o ex-presidente é aplaudido durante um ato político de um aliado em Uberlândia, Minas Gerais. No post, é tocado um jingle de pré-campanha eleitoral

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds