28 out 2021 - 12h27

TSE cassa o mandato de Francischini por mentira sobre fraude na urnas

Corte formou maioria pela cassação do diploma do parlamentar e pela sua inelegibilidade pelo período de oito anos

O Tribunal Superior Eleitoral cassou o mandato do deputado estadual Fernando Francischini. No fim da manhã desta quinta-feira (28), a Corte formou maioria pela cassação do diploma do parlamentar e pela sua inelegibilidade pelo período de oito anos.

Francischini foi cassado por um vídeo que divulgou no seu Facebook no dia das eleições em 2018. Na época o deputado denunciou uma suposta fraude nas urnas eletrônicas que estaria prejudicando a eleição de Jair Bolsonaro para presidente. Ficou claro que se tratava de uma mentira, e o TSE deve pela primeira cassou um mandato por fake news.

O relator, Luiz Felipe Salomão, considerou que a página do deputado, equivale a um meio de comunicação, e para isso citou as seis milhões de visualizações que o vídeo teve. A tese é polêmica e nunca foi aceita pela Justiça Eleitoral antes.

Em seu voto pela cassação, o ministro Edson Fachin destacou que o vídeo teve mais de 400 mil compartilhamentos e 105 mil comentários.

Alexandre de Moraes afirmou que Francischini pegou carona no discurso bolsonarista de fraude eleitoral e que o caso é ainda mais grave, tendo em vista que ele no momento era deputado federal e é um delegado da Polícia Federal.

O presidente do Tribunal, Luis Roberto Barroso disse que vivemos um momento crucial na democracia brasileira que vivemos atualmente um o esforço de se estabelecer a veracidade do que se fala. “Acusar a existência de fraude e acusar a Justiça Eleitoral de estar mancomunada com a fraude é um precedente muito grave que pode comprometer todo o sistema eleitoral”, afirmou.

O deputado cassado criticou a decisão do TSE. “Lamento demais esta decisão que afeta mandatos conquistados legitimamente. É um dia triste, mas histórico na luta pelas liberdades individuais. Nós vamos recorrer e reverter esta decisão lá no STF, preservando a vontade de mais de meio milhão de eleitores paranaenses”, disse.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

6 comentários sobre “TSE cassa o mandato de Francischini por mentira sobre fraude na urnas

  1. Creio que desde a greve do funcionalismo público em 2015, esperávamos por uma resposta aos desmando desse filhote da ditadura. É a volta do cipó de arueira!!!!

  2. A ditadura do judiciario e totalmente arbitria as suas vontades viral lei. ignoram a lei e impoe a sua vontade. esta na hora do legislativo. determinar que juiz e para cumprir a lei e nao fazela a sua vontade auturitarimente.

  3. Uma luz nesse final de túnel tão desrespeitado chamado República….já é um começo…Agora falta tirar o “poderoso chefão “…..
    ELE NUNCA MAIS!!!!!

  4. A decisão da justiça eleitoral por fomentar fak news não encontra precedentes. Porém, passou da hora de responsabilizar os fomentadores pois vem crescendo como cresce erva daninha. Infelizmente, sobrou para o Franceschini, um político ativo. Justiça é para ser cumprida. Continuem decidindo assim ministros da justiça eleitoral.

  5. Tem que cortar o mal pela raiz, estão cortando o mau pelo meio, a raiz é o Bolsonaro; tem que caça o mandato dele também, Bolsonaro já deveria ter caído expulso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É falso vídeo que tenta ligar filho de Lula a Petrobras e a aumento de combustíveis

Diferentemente do afirmado em vídeo, o preço do barril de petróleo não é manipulado por uma empresa internacional que investe na Petrobras. O preço varia, na verdade, com a oferta e demanda do produto no mundo. Além disso, nenhum filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é sócio de empresa investidora da companhia e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os acionistas da petroleira. O conteúdo é falso

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds