Mulheres querem mais espaço na política de Curitiba | Jornal Plural
19 set 2020 - 9h19

Mulheres querem mais espaço na política de Curitiba

Coletivos suprapartidários trabalham por maior representatividade feminina nas Câmaras Municipais de Curitiba e da RMC

Apesar das mulheres representarem 52% do eleitorado brasileiro, a representatividade feminina na política ainda é baixa. Em Curitiba, elas são apenas oito entre os 38 vereadores. A diferença pode ser reduzida nestas eleições, porém, muitos eleitores não conhecem as propostas de governo das candidatas. Para tornar as informações políticas mais acessíveis à população, foram criados alguns movimentos em Curitiba. Entre eles, o ‘Vote Nelas Curitiba’ e o ‘Vota Mulheres’.

Nas redes sociais, o coletivo suprapartidário (independente de qualquer partido, mas reúne mulheres com opiniões diferentes) ‘Vote Nelas’ trabalha em busca da ampliação do lugar de fala das mulheres na política, com o objetivo de aumentar a ocupação delas nos espaços de poder. A iniciativa é nacional e existe em todos os estados brasileiros, tendo o foco central de eleger mais mulheres para o Congresso Nacional e para as Assembleias Legislativas.

O Vote Nelas de Curitiba está atuando na divulgação de quem são as pré-candidatas a vereadora de Curitiba, fornecendo espaço para que essas mulheres se apresentem ao eleitor e divulguem as suas principais pautas. Com as eleições de 2020, o grupo de Curitiba vai expandir as ações também para a Região Metropolitana.

A tarefa pela igualdade não é fácil, já que a Capital segue o padrão nacional de pouca representatividade feminina. Mesmo a lei 9.504/97 garantindo 30% das candidaturas de cada partido para as mulheres, nas duas últimas eleições para a Câmara Municipal de Curitiba (CMC), o resultado não foi expressivo. Em 2012, das 38 cadeiras de vereadores, apenas cinco eram ocupadas por mulheres. Em 2016, esse número aumentou para oito (21%), mas o Legislativo continua dominado pela presença masculina.

O ‘Vote Nelas’ integra mulheres com diferentes visões políticas. Campanhas semelhantes têm surgido em todo o país e com o único propósito de transformar a política – majoritariamente vista como masculina – em um ambiente plural e com maior representatividade feminina.

Vota Mulheres

Para as eleições de 2020, há outros movimentos que visam incentivar a representação feminina regional na política. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as mulheres também são maioria em Curitiba e representam 53,8% dos votos na Capital. Um desses coletivos é o ‘Vota Mulheres’, que tem divulgado no Instagram o perfil das candidatas à Câmara Municipal de Curitiba no processo eleitoral de 2020.

O ‘Vota Mulheres’ divulga candidaturas femininas, de todos os partidos, até o dia da eleição municipal, em 15 de novembro. A ideia é aproximar o eleitorado, principalmente as mulheres, da diversidade de candidatas e de suas propostas de mandato.

O grupo lembra que as mulheres enfrentam menor disponibilidade econômica e, consequentemente, um acesso menor a recursos para divulgação de suas propostas.

As idealizadoras do movimento, Daiane Lohse e Helena Salvador, explicam que buscam facilitar o contato do eleitorado com as candidatas. “O Instagram pode mediar o contato entre as eleitoras e as mulheres políticas de uma maneira dinâmica e informativa.”

As candidatas que quiserem divulgar suas candidaturas pelo perfil ‘Vota Mulheres’, podem entrar em contato com o projeto no link disponível na bio do perfil no Instagram.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Um comentário sobre “Mulheres querem mais espaço na política de Curitiba

  1. Prioridade na Educação, referente à práticas educativas escolares independente das séries, políticas públicas decentes, respeitar e atualizar salários dos professores, buscar professores aposentados para realizar trabalhos temporários de motivação, porém remunerados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias