2 maio 2022 - 20h27

Após caso do “McPicanha”, Burger King é acusado de não usar costela em lanche

Composição do hambúrguer utilizado no lanche tem paleta suína com aroma de costela

Após o caso dos lanches “Novos McPicanha”, do McDonald’s , que não têm picanha, o Burger King agora é alvo de reclamações de consumidores sobre o fato de o sanduíche “Whopper Costela” não ter costela em sua composição. O caso ganhou repercussão nas redes sociais devido a um vídeo publicado no TikTok pelo advogado Fernando Chagas, que produz conteúdos sobre defesa dos direitos do consumidor.

O advogado mostra as letras miúdas do anúncio do Burger King sobre o “Whopper Costela”, que informa a composição do hambúrguer utilizado no lanche: paleta suína com aroma de costela.

No site oficial do Burger King, a página do lanche de costela descreve que o produto tem o aroma de costela, mas não fala sobre o uso desse corte de carne no produto. “Um hambúrguer de carne de porco com aquele aroma inconfundível de Costelinha, pra ninguém botar defeito”, diz.

Com a repercussão do seu primeiro vídeo sobre o sanduíche de picanha do Mc Donald’s no TikTok, o advogado e produtor de conteúdo da página Seus Direitos explicou que decidiu analisar os ingredientes e a divulgação de outros lanches em redes de fast food, após receber inúmeros pedidos de seguidores nas redes sociais.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, Chagas conta que foi surpreendido com novos casos de marcas que comercializam produtos produzidos sem o principal ingrediente anunciado nas suas campanhas publicitárias. “No caso do Burger King é pior ainda, além do ingrediente não estar na composição, quem consumia o lanche não era informado que o produto é feito com paleta suína e não bovina”, afirma.

Depois de divulgar o primeiro vídeo sobre o caso do “Whopper Costela”, o advogado foi procurado pelo Burger King. “Eles me mandaram uma mensagem pedindo meus contatos, para se explicar”, diz Chagas.

Diante da polêmica, a companhia alterou a descrição do produto no seu aplicativo para celular, trazendo logo no início do anúncio a lista de ingredientes do lanche.

Sobre a acusação de publicidade enganosa, a rede de fast food afirmou que tem sido transparente com os seus clientes. Em nota, a companhia confirmou que o sanduíche não é produzido com carne de costela, mas sim com o corte paleta suína, além de um “aroma 100% natural de costela” na sua composição.

Questionado, o Burger King não respondeu se o lanche será retirado do cardápio, ou se será renomeado, como anunciou a rede concorrente McDonald’s.

Na semana passada, o McDonald’s tirou do cardápio no país os lanches chamados “Novos McPicanha”. Apesar de feitos com 100% de carne bovina, os sanduíches usavam aromas de picanha e foram notificados por diversos órgãos de defesa do consumidor e pelo Conar por marketing enganoso.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É falso vídeo que tenta ligar filho de Lula a Petrobras e a aumento de combustíveis

Diferentemente do afirmado em vídeo, o preço do barril de petróleo não é manipulado por uma empresa internacional que investe na Petrobras. O preço varia, na verdade, com a oferta e demanda do produto no mundo. Além disso, nenhum filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é sócio de empresa investidora da companhia e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os acionistas da petroleira. O conteúdo é falso

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds