Podcast - Onde perdemos o rumo? | Jornal Plural
18 out 2020 - 14h13

Podcast – Onde perdemos o rumo?

Deve ter sido lá atrás, quando éramos acostumamos com a escravidão

Deve ter sido lá atrás, quando éramos acostumamos com a escravidão. Foram mais de trezentos anos, no campo e na cidade, em todas as regiões do país, a presença dos negros escravizados, trabalhando, produzindo, carregando, limpando, cabeça baixa, sem reclamar pra o dono não ser obrigado a castigar. Foi nesse tempo, aliás, que um conceito muito torto de “bondade”, “generosidade” foi se formando. A pessoa que sofria com o sofrimento dos escravos, a pessoa que evitada castigá-los, a pessoa que lamentava o estado de coisas enquanto a escrava tirava as xícaras do chá da tarde. E então, quando os negros e negras tentavam fugir ou mesmo diante de uma malcriação, vinha a desilusão: “tanto que se fez por eles e elas, serviu de quê? “O mundo era mesmo injusto”, lamentavam as tristonhas sinhás.

Ou então deve ter sido quando acabou a escravidão e logo, quase imediatamente, quisemos apagar esse assunto. O hino da República, composto apenas um ano depois da Lei Áurea, já dizia: “Nós nem cremos que escravos outrora/ Tenha havido em tão nobre País” . E os novos tempos vão bradar: Esqueçam essa história, pra que ficar repisando esse assunto, já passou, o que será que querem agora, reviver essas coisas, pra gerar revanchismo, vingança?

Mas acontece que se a condição jurídica foi de fato eliminada, os efeitos econômicos e sociais permaneceram praticamente intactos. Nem é preciso lembrar:  todos nós sabemos disso. Os números estão aí para dizer: todos os índices de ascensão social e qualidade de vida é negativo para os negros; todos os índices de violência, morte, pobreza, doença, falta de moradia, população carcerária é positiva para os negros. Só nos anos 90, ou seja, há 30 anos, agiu-se institucionalmente para começar a reverter esse cenário, com a política de cotas. E logo a ladainha se fez ouvir: “como assim, cotas? Então agora querem ser diferentes, ter vantagens?” E recentemente, quando uma empresa privada criou um programa de treinamento exclusivo para negros e negras, porque descobriu que tinha mais de 50% de funcionários pretos e pardos mas só 16% em cargos de gerência, a grita voltou com força e ouvimos o que parecia irreal, risível: “racismo”, disseram os críticos do programa.

Deve ter sido então quando colocamos nossos filhos na escola e não havia nenhum professor negro; deve ter sido então quando entramos no restaurante chique para comemorar o aniversário de casamento e não havia nenhum negro no salão; deve ter sido então quando fomos a vida inteira em médicos particulares e nenhum deles era negro. Deve ter sido quando nunca reparamos nisso.

Em algum momento perdemos o rumo. Em 1823, José Bonifácio, o patriarca da Independência, já dizia: “A sociedade civil tem por base primeiro a justiça, e por fim principal a felicidade dos homens; mas que justiça tem um homem para roubar a liberdade de outro homem, e o que é pior, dos filhos deste homem, e dos filhos destes filhos?” Já estava lá, no início do país independente, a liberdade e a igualdade como fundamentos da felicidade dos brasileiros. Faltava apenas combinar com os fazendeiros, com os traficantes e com os comerciantes. E os “direitos” deles, como ficaria? José Bonifácio não pensou nos seus “companheiros”? Afinal, sem escravos, como tocar os negócios? E quando, nos anos 30, começam os negros a pegar em armas, na Bahia, no Pará, no Maranhão, o Estado não demora e vai fixando suas diretrizes e seu perfil mais acabado: que a Nação seja lembrada apenas nos hinos e nas comemorações. Os privilégios deveriam ser o sinônimo de direitos. E os negros e pobres, ao tentar romper a bruta cerca que os separava de uma vida digna, eram os fora-da-lei. Que fossem obrigados a respeita-la. E de lá pra cá, com paciência, resiliência e muita submissão, alguns desses negros e pobres foram cooptados aos níveis intermediários e até mesmo um ou outro ganhou passe de entrada nos salões federais. Para provar que basta “fazer tudo certinho”. Não dá é pra virar uma balbúrdia e por em risco os direitos das pessoas de bem.

Onde perdemos o rumo? Em lugar nenhum. O rumo sempre foi esse.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias