Projeto social ensina tênis a crianças de escolas públicas

O projeto também descobre talentos e revela atletas. O principal exemplo é Heitor Schott, de 12 anos, que já disputa campeonatos pelo instituto

O Instituto Raquetes Salvam Vidas (IRSV) atende crianças da rede pública de ensino da capital. Desde a sua fundação, houve um aumento de 33% no número de participantes, e hoje ensina cerca de 80 crianças. O projeto social em Curitiba tem como objetivo massificar a prática do tênis para que mais pessoas tenham acesso a modalidade.

O esporte cresceu mais de 12% no Brasil em 2022, e continua com tendência de crescimento, segundo pesquisa realizada pela Federação Internacional de Tênis (ITF). No Paraná, mais de 32 mil atletas são filiados à Federação Paranaense de Tênis. Entre eles Thiago Wild, primeiro colocado no ranking da Confederação Brasileira de Tênis, que avalia a pontuação de atletas em torneios nacionais e internacionais. Cinco outros atletas paranaenses se encontram no top 50.

Para Cristiano Nunes, fundador do IRSV, uma das principais missões do instituto é ampliar a prática do esporte e trazer mais crianças das comunidades. “O Instituto surgiu para dar para essas crianças, que vem de uma formação humilde como eu, a oportunidade de jogar tênis, e a gente quer criar um espaço para que elas se desenvolvam por meio do esporte.”, afirma. 

Participante do projeto é vice-campeão brasileiro de tênis

Para além do propósito de gerar oportunidades sociais às crianças e adolescentes, o projeto também descobre talentos e revela atletas. O principal exemplo é Heitor Schott, de 12 anos, que já disputa campeonatos pelo instituto. 

O aluno de tênis já foi vice-campeão brasileiro da Copa Instituto Ícaro, que reúne estudantes de tênis dos estados do Paraná, São Paulo e Minas Gerais. Segundo Cristiano, essa conquista é o maior resultado do instituto, e traz bastante orgulho para o pai de Heitor. 

Leia também: Lei Pétala, aprovada pela Alep em 2022, será regulamentada pelo Governo do PR

O pai de Heitor, Alexandro Schott, já fazia aula de tênis com Cristiano, que ao fundar o instituto convidou o menino para participar das aulas. Heitor foi o primeiro aluno do Instituto Raquetes Salvam Vidas. 

Para Alexandro, a prática do tênis beneficia muito seu filho. “Ele gosta do tênis, ele ama o tênis. Tanto que quando não tem aula, ele fica triste. Eu tenho que levar ele para bater bola em quadras públicas. E isso tudo, a dedicação dele, só veio a somar na vida dele”.

Ele pratica o esporte desde os 5 anos de idade, e, inspirado por atletas profissionais com histórias semelhantes a sua, pensa em seguir carreira profissional. “Hoje eu sou bem feliz porque faço esse esporte. Me inspiro no Alcaraz, e penso em ser profissional e jogar bem que nem ele”.

Instituto foi criado em 2016

O professor de educação física Cristiano Nunes fundou o Instituto Raquetes Salvam Vidas, em 2016. Localizado no Pilarzinho, o projeto busca ampliar a prática de tênis pelas crianças de escolas públicas e tornar-se referência nacional na formação de novos atletas profissionais. 

O projeto tem apoio de patrocinadores, além da Lei de Incentivo ao Esporte, para oferecer aulas gratuitas a crianças de escolas públicas.

De acordo com Cristiano, o papel do professor é muito importante para realizar os objetivos do instituto. “Nós pensamos primeiro no ser humano e depois no atleta.  Nós seguimos um caminho em que os professores ensinam para as crianças, e elas vão nos direcionando. Nós também aprendemos com as crianças, e assim o nosso trabalho se torna muito amoroso, carinhoso e lúdico.”

O projeto conta com quatro colaboradores, que ensinam e incentivam as crianças. Para a professora de tênis Izabella Lopes, o projeto é uma oportunidade para as crianças aprenderem, através do esporte, quem elas são e quem podem ser.  Ela ressalta, ainda, que a convivência entre os professores e as crianças é saudável e divertida.

Por Bernardo William, Krissians Torres e Tayná Machado, estudantes de jornalismo da PUC.

Sobre o/a autor/a

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Plural se reserva o direito de não publicar comentários de baixo calão, que agridam a honra das pessoas ou que não respeitem níveis mínimos de civilidade. Os comentários são moderados por pessoas e não são publicados imediatamente.

Rolar para cima