23 mar 2022 - 11h36

Depois de fechar maternidades, SUS de Curitiba teve quase 900 cesáreas a mais por ano

As duas unidades, fechadas na pandemia, tinham as menores taxas de cesárea da cidade

Fechadas em 2020 como parte das medidas de enfrentamento da pandemia de Covid-19, as maternidades Bairro Novo e Vitor do Amaral podem ter tido um impacto no aumento do número de cesáreas na cidade. Dados relativos a nascimentos de 2017 a 2021 apontam que a rede SUS teve um aumento de 5 pontos percentuais no índice de cesáreas da capital depois do fechamento das unidades.

Os dados usados nesta reportagem podem ser consultados no projeto Nascer Bem, que foi realizado e é mantido pelo Plural.

As duas unidades tinham os menores índices de cesárea da rede e eram referência para parto humanizado na cidade, apesar de realizarem, cada uma, cerca de dois mil partos por ano.

Segundo os dados do Datasus analisados pelo Plural, a rede pública de saúde curitibana tinha taxa de cesárea de 45% entre 2017 e 2019, quando as duas unidades ainda estavam ativas. O índice já era muito superior aos 10 a 15% recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), mas inferior aos 84% da rede privada da cidade.

Já em 2020, quando as maternidades foram fechadas, a taxa de cesárea subiu para 50%, o que implica na realização de quase 900 cirurgias a mais. O índice se manteve em 50% em 2021. Tanto em 2020 quanto em 2021, houve uma queda no número total de nascimentos da cidade em relação aos anos anteriores.

Os mais de 4 mil partos que deveriam acontecer nas maternidades fechadas foram transferidas principalmente para a Maternidade Mater Dei, que é privada, mas presta serviço para o SUS, o Hospital do Trabalhador e o Hospital de Clínicas, que absorveu a Maternidade Vitor do Amaral.

Tanto a OMS quanto o Conselho Nacional de Saúde recomendam o parto vaginal por respeitar a fisiologia do desenvolvimento do feto e do processo natural de nascimento.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

5 comentários sobre “Depois de fechar maternidades, SUS de Curitiba teve quase 900 cesáreas a mais por ano

  1. Porque não constam dados relativos à Maternidade Nossa Senhora de Fátima , uma das mais antigas e tradicionais de Curitiba. Tampouco da Maternidade Santa Brígida, outra maternidade também com alto número de atendimentos obstétricos . Como ex-obstetra e professor na UFPR ( atuando em diferentes maternidades durante quase quatro décadas ) posso constatar que os números assustam mesmo , e que não é de ontem o alto índice de partos operatórios (cesáreas) por aqui. Isso vale para o Brasil todo, principalmente nas grandes cidades. E li também que o número aumenta nas segundas-feiras . Isso é estatístico. Fácil de entender ! E também nos dias que antecedem grandes feriados. Uma triste realidade. #pramercer

  2. Muito necessario esse quadro comparativo mostrado na materia. E akranente preocupante o crescimento do percentuak de partos cesareos. Pra piorar, existe uma lei recente no Paraná que autiriza a gestante a escolher a cesarea!!! Precisamos de um ambiente acolhedor para a mulher que pode e quer ter parto vaginal, com boa informação , lugar pra caminhar, acompanhante todo k tempo com els

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

Radiocaos Sueto

Radiocaos Sueto Neste episódio os textos e ideias ao léu de Andressa Nuss, Jorge Luis Borges, Ronaldo Conde Aguiar, Marcelo Sandmann, Carlos Careqa, Amarildo Anzolin, Salvatore Quasimodo, Wally Salomão, Carlos Drummond de Andrade, Ivan Justen Santana, Tom Waits, Livia Lakomy, Maria Luiza Lago, Marilia Kubota, Mauricio Pereira, William Shakespeare com Miguel Falabella, Julia Graciela, Jean Garfunkel, Roberto Prado, Alice Ruiz, Reynaldo Jardim, Luci Collin, entre outros incansáveis das letras.

Redação Plural.jor.br

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds