Autor de falas racistas contra frentista em Curitiba é identificado

Inquérito será instaurado pela Polícia Civil após repercussão das imagens nas redes sociais

A Polícia Civil (PC) do Paraná identificou o autor dos ataques racistas contra o frentista Juan Pablo de Castro, 18, ocorrido neste fim de semana em Curitiba. O acusado é Marcelo Francisco da Silva, que é microempresário.

O caso repercutiu nas redes sociais depois de que o vídeo com xingamentos xenofóbicos e racistas contra o trabalhador viralizou. Silva chama a vítima de “neguinho” e “macaco”.

O ataque ocorreu porque os funcionários de um posto de combustível do Boqueirão, onde o autor do crime estava, pediram para que ele pagasse pelos produtos antes de consumir.

Assista:

Sobre o/a autor/a

4 comentários em “Autor de falas racistas contra frentista em Curitiba é identificado”

  1. É só mais um Silva, pardo que se acha viking, microempresário do Simples Nacional que se acha acionista de uma multinacional, que vai a um posto de gasolina fazer um”miojo” (parece piada) destrata, agride, insulta, menospreza um funcionário com falas racistas e xenofóbicas, tudo isso na República de Curitiba. Esse Silva, pardo e pobre Premium é que deveria ir ao nordeste para aprender a ser gente, porque até então é só um bêbado, drogado, infeliz e mal amado que necessita humilhar para ter um momento de satisfação na vidinha medíocre que leva. Não sinto raiva, tenho dó.

  2. Catharina do Amaral Mendonça

    É só mais um Silva, pardo que se acha viking, microempresário só Simples Nacional que se acha acionista de uma multinacional, que vai a um posto de gasolina fazer um”miojo” (parece piada) destrata, agride, insulta, menospreza um funcionário com falas racistas e xenofóbicas, tudo isso na República de Curitiba. Esse Silva, pardo e pobre Premium é que deveria ir ao nordeste para aprender a ser gente, porque até então é só um bêbado, drogado, infeliz e mal amado que necessita humilhar para ter um momento de satisfação na vidinha medíocre que leva. Não sinto raiva, tenho dó.

  3. Racismo às escâncaras, assim…com requinte de crueldade, como se o frentista por ter nascido negro fosse somente mais um escravo. Os ataques não param por aí. Ao colocar pra fora todo seu ódio, o racista ainda deixa claro que quer agredi-lo. Covarde agressor! Covarde! Racista! facista! Isso tem que ter punição exemplar!

  4. Romeu Gomes de Miranda

    Por certo, o racista Marcelo da Silva, vai dizer que não quis ofender o frentista ofendido e vai tudo ficar por isso mesmo. Está é uma das razoes da persistência do racismo entre nós,: a quase absoluta impunidade. Espero que esse Conselho que recém tomou posse, não deixe este caso parar em mais uma gaveta da impunidade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Plural se reserva o direito de não publicar comentários de baixo calão, que agridam a honra das pessoas ou que não respeitem níveis mínimos de civilidade. Os comentários são moderados por pessoas e não são publicados imediatamente.

Rolar para cima