10 jun 2020 - 19h39

Efeito borboleta e sangue arterial

Todo sangue derramado até hoje é vermelho, e de um vermelho bem vivo de morte. Por isso, é urgente que os corações daqueles que têm sangue vermelho sigam batendo

A Entropia é uma grandeza física que mede o grau de liberdade molecular, sendo explicada como uma função de Estado. Estado, a despeito das polêmicas, é resumidamente a forma organizacional dentro de um sistema. E o grau de liberdade dentro do sistema é determinante para a reversibilidade e previsibilidade de fenômenos. Assim, sumariamente, graus de liberdade maiores conduzem a maiores chances de mudanças futuras. Essa equação, que faz parte da Teoria do Caos estudada pelo matemático Edward Lorenz, ficou conhecida como “Efeito Borboleta”, que ludicamente diz que o bater de asas de uma borboleta poderia provocar uma tempestade de vento em algum outro lugar distante no mundo. Estudos de questões climáticas e meteorológicas, o mercado financeiro, ou a genética usam de projeções que seguem essa lógica.

E esta também se aplica à nossa presente condição, em vários sentidos. Um exemplo que está bastante evidente nos tempos atuais é o de que o caos está em nossos corações. É o que a ciência diz. É um engano pensar que o coração bate periodicamente, previsível como a mecânica de um relógio que obedece à uma ordem predeterminada. A matemática demonstra que os corações foram evolutivamente selecionados para que funcionassem em sistema caótico. E mais, recentemente um artigo da medicina traz a conclusão que pacientes com corações com comportamentos mais caóticos tendem a prognósticos mais positivos. Isso se deve ao fato de que comportamentos caóticos, e suas múltiplas possibilidades, nos conferem resiliência pela capacidade de resposta rápida e adaptação às condições do meio. A química sanguínea, a sensação de sangue fervendo, como arte érea esculpida com fogo, é a confirmação prática de que nossos corações podem pulsar mais forte se necessário for. Todo coração que bate, bate no ritmo do caos. E, apesar da má reputação, o caos é o fator primordial para organização. Em sistemas caóticos, cabem muitos tipos de organização.

Pois é, é difícil entender o coração. Aprendi na escola sobre circulação sanguínea e lembro-me daquele desenho esquemático, da diferença entre sangue arterial, que é vermelho, e o sangue venoso, que é ilustrado em azul. O sangue arterial é rico em oxigênio, e o venoso, em dióxido de carbono. E há uma membrana vertical que divide o que está à esquerda e à direita, em que o sangue vermelho só circula do lado esquerdo, e o azul somente do lado direito. Esse desenho é metodológico, mas há quem reduza a vida ao esquema e acredite em sangue azul. Talvez seja uma questão de anacronismo daltônico ou, ainda, é possível que esses achem que o lado direito não sangra. A mim, parece que este é mais um daqueles problemas cada vez mais frequentes, aqueles que não são uma questão de opinião. Todo sangue derramado até hoje é vermelho, e de um vermelho bem vivo de morte. Por isso, é urgente que os corações daqueles que têm sangue vermelho sigam batendo. Para que nada seja como antes, que batam como as asas de uma borboleta. Suavidade e subversão. Beleza e balbúrdia. Desordem em progresso. Bem-vindo seja o caos.

Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você clica aqui, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br