24 jan 2020 - 2h08

PM encerra ensaio de mulheres na praia e detém três instrumentistas

Grupo acusa policiais de abuso de autoridade; veja vídeo

A calçada que divide o início da Praia Brava e a Avenida Atlântica, em Matinhos, costuma receber – uma vez na semana, da 10h às 12h – os ensaios musicais do movimento Baque Mulher Matinhos. Na manha desta quarta-feira (22), o grupo de maracatu composto por mulheres teve seu ensaio encerrado por ação da Polícia Militar. Instrumentos foram apreendidos e três integrantes do grupo foram levadas à delegacia em meio a gritos de “cala boca” e ofensas.

A abordagem teve início por conta de reclamação feita por vizinhos, alegando perturbação do sossego. De acordo com Tainá Reis, coordenadora do grupo, o ensaio foi interrompido assim que as mulheres perceberam a presença policial. A integrante relata que os policiais solicitaram as responsáveis, pediram documentos de identificação e explicaram que um vizinho havia pedido representação. Durante a conversa inicial, os policiais solicitaram, conforme Tainá, que dois instrumentos fossem apreendidos para que o B.O. fosse lavrado.

Ao retornar ao grupo, no entanto, as coisas se modificaram. No vídeo, gravado por uma das integrantes do grupo, as mulheres separam dois instrumentos, os policiais, no entanto, solicitam um terceiro objeto: um dos tambores alfaia. Nesse ponto, o grupo passa a questionar a ação: “Houve uma resistência da nossa parte porque a alfaia é um instrumento caríssimo e muito importante no maracatu. Ficaríamos muito tempo sem ele”, explica Tainá. Diante do pedido dos policiais, as mulheres passam a solicitar que a apreensão aconteça na presença de uma advogada. Com a discussão, um dos policiais acaba pegando o instrumento à força. “Algumas meninas foram machucadas quando seguravam o tambor, e ele arrancou o tambor das mãos delas”, conta a coordenadora.

Quando as três responsáveis já estão dentro da viatura, os ânimos não melhoram: em meio à discussão que segue, uma das integrantes afirma ter sido chamada de “vadia” pelo policial. Ao fundo, alguém retruca com um “fascista”. As coordenadoras foram acusadas, por fim, de perturbação do sossego, resistência e desacato.

Na autuação, já na delegacia de polícia de Matinhos, o despacho emitido pelo delegado legitimou o ensaio, alegando que tanto horário, quanto lugar estavam dentro da razoabilidade, e reconhecendo a legitimidade da expressão cultural do movimento. “Foi uma vitória”, comemorou Tainá ao falar as acusações de perturbação do sossego e resistência. As investigações devem continuar apenas por parte do desacato – e tem data marcada para julho de 2020.

Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você entra na nossa lojinha, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?

Assuntos:

Deixe um comentário

Últimas Notícias

Vídeo que cita falhas já corrigidas nas urnas volta a circular fora de contexto

É enganoso um vídeo que circula sem contexto e mostra uma fala feita em 2018, no Supremo Tribunal Federal (STF), pelo advogado do Sindicato Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF Sindical) Alberto Emanuel Albertin Malta, sobre a impressão de comprovantes de votação. No discurso, o representante da entidade fala sobre falhas encontradas nas urnas eletrônicas que já foram corrigidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) antes de junho de 2018, quando a declaração foi repercutida. Essa informação não consta, no entanto, no vídeo investigado. O conteúdo voltou a circular em meio à aproximação do processo eleitoral de 2022

Projeto Comprova

Fies foi criado no governo de FHC, não na gestão Lula

É enganosa a publicação no Twitter da ex-participante do Big Brother Brasil (BBB22) Jessi Alves, que diz que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criou o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), programa que financia graduação em faculdade particular no Brasil. Lula expandiu o acesso ao programa, mas não o criou. A iniciativa surgiu ainda na gestão do presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), em 1999, após o fim do Crédito Educativo (Creduc), programa similar criado em 1975, durante o governo de Ernesto Geisel

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds