Dissídio dos médicos de Curitiba tem nova audiência marcada

Próxima audiência foi marcada para o dia 21 de maio e deve acontecer no Tribunal Regional do Trabalho em Curitiba

Negociações do dissídio coletivo, envolvendo os médicos da Rede de Saúde Pública de Curitiba e a Fundação Estatal de Atenção à Saúde (FEAS), avançam. Próxima audiência foi marcada para o dia 21 de maio e deve acontecer no Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região em Curitiba.

As tentativas de acordo entre a FEAS e os médicos do Paraná, representados pelo Sindicato dos Médicos do Estado do Paraná (Simepar), têm sido acompanhadas pelo Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (TRT-PR).

Na última audiência, que ocorreu em 09 de maio, as instituições apresentaram suas propostas. A FEAS propôs um reajuste de 2,83% referente ao período de maio de 2023 a março de 2024. Os trabalhadores da Rede Pública de Saúde apresentaram pretensão de um reajuste salarial calculado pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) referente aos meses de maio de 2023 a abril de 2024.

Leia também: Médico pode romper sigilo em caso de ideação homicida, diz Conselho

Além disso, os médicos buscam também um aumento real de 1%, bem como a manutenção de todas as cláusulas hoje vigentes na norma coletiva anterior. Na proposta apresentada pela FEAS, não haveria reajuste no ganho real, mas seriam mantidas as cláusulas atualmente vigentes na norma coletiva anterior.

As audiências de tentativa de acordo serão presididas pelo vice-presidente do TRT-PR, desembargador Marco Antônio Vianna Mansur. O objetivo do acordo é chegar a valores comuns para a celebração de um novo Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) para a categoria.

O Plural entrou em contato com o Sindicato dos Médicos do Estado do Paraná que preferiu não se manifestar até que as negociações sejam finalizadas.

Sobre o/a autor/a

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Plural se reserva o direito de não publicar comentários de baixo calão, que agridam a honra das pessoas ou que não respeitem níveis mínimos de civilidade. Os comentários são moderados por pessoas e não são publicados imediatamente.

Rolar para cima