5 nov 2020 - 19h55

Às vésperas do leilão da Copel Telecom, ação popular tenta parar privatização

É o terceiro processo judicial que contesta legalidade e transparência da venda pelo Governo Ratinho

Programado para o dia 9 de novembro, o leilão da Copel Telecom é contestado novamente na justiça. A terceira ação popular que tenta parar a privatização foi aberta nesta quarta-feira (4). O objetivo é a suspensão da desestatização até que a legalidade do contrato seja decidida.

O valor da empresa está avaliado em R$ 1,4  bilhão e a ação atual se refere ao processo aberto em dezembro de 2019 pelo ex-deputado federal do Paraná Nelton Friedrich, que ainda está correndo na justiça. Desde então, a contratação do Banco Rothschild para avaliação dos bens e ativos da Copel Telecom está sendo contestada por ter sido realizada sem licitação.

Agora, os advogados Gustavo Martinelli, Ramon Bentivenha, João Eduardo Moreira e Rogério Bueno alegam a necessidade do processo ser definido. Eles defendem que se espere o ‘trânsito em julgado’, ou seja, que todas as opções legais tenham sido esgotadas. Assim, a legalidade da venda da estatal de telecomunicações seria garantida.

Procurada pelo Plural, a Copel Telecom diz que não foi notificada sobre a nova ação judicial e, por esse motivo, não se manifestará sobre o assunto.

Contestações à venda

Desde que foi confirmado que a empresa seria vendida, no final do ano passado, a decisão da presidência da estatal e do Governo Ratinho é reprovada por organizações da sociedade civil. A ação popular lançada em dezembro de 2019, e que contesta a falta de licitação para a contratação, foi apenas o primeiro questionamento público.

Leandro Grassmann, presidente do Sindicato de Engenheiros do Paraná (Senge-PR), acompanha a questão e diz que desde o início não houve espaço para um diálogo aberta sobre a privatização. “Os sindicatos sempre cobraram, mas nunca fomos respondidos realmente. A decisão veio do governador, sem nenhuma discussão. Ele já tinha decidido que a venda ocorreria”, conta ele.

Em agosto deste ano, uma audiência pública foi realizada e foi este o único momento em que informações técnicas que justificariam a venda da Copel Telecom foram compartilhadas com o público. No entanto, por causa da pandemia de coronavírus, a audiência foi virtual, o que também ocasionou críticas da sociedade e, depois, um processo judicial, que foi negado pela primeira instância.

Presidente da Copel Telecom, Wendell Oliveira. Foto: Divulgação Copel
O presidente da Copel Telecom, Wendell Oliveira, também foi criticado pela venda acontecer durante a pandemia, o que dificulta a participação popular. Foto: Copel

“Nós perdemos essa ação na justiça, mas o fato é que nem todos têm internet com qualidade suficiente para acompanhar a discussão e fazer perguntas. Além disso, nossas perguntas nem foram respondidas. É difícil chamar isso de um processo participativo”, afirma Grassmann.

Os próprios motivos para a venda foram colocados em dúvida com um estudo lançado pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) no final de outubro. Para os técnicos da pesquisa, os dados que são usados pelo governo paranaense para defender a venda da Copel Telecom também podem ser vistos como provas de que a empresa é competitiva e continua a ser líder de mercado de telecomunicações.

Essa interpretação também é defendida por João Eduardo Moreira, autor da mais nova ação popular protocolada no Tribunal de Justiça do Estado do Paraná. Ele acredita que a internet é essencial para a vida da população, principalmente no que diz respeito ao mercado de trabalho atual e, sendo assim, o acesso deve ser garantido e visto como um direito básico. “Não há motivos financeiros para  vender essa empresa que é patrimônio do povo paranaense e que é estratégica para o futuro do emprego e de outras áreas do Estado.”

Legalidade do leilão

Ainda assim, a privatização não é o que o processo judicial de Moreira e seus advogados está contestando. Para eles, a questão é que a desestatização já iniciou de forma ilegal, quando a contratação do Banco Rothschild – para avaliação dos bens e ativos da empresa – foi realizada sem licitação. Esse é um passo obrigatório quando uma instituição pública contrata um serviço.

“O governo do Estado diz que não precisava [da licitação] porque  o Banco Rothschild é líder de mercado nessa área. Mas isso não é motivo para dispensar uma norma legal. Não estamos colocando em discussão o mérito da privatização, mas sim de como ela foi planejada e colocada em ação. Foi um movimento ilegal do Estado”, diz Moreira.

Grassmann concorda e ressalta que esse é um dos motivos pelo qual o Senge apoia a ação judicial. “Há outras empresas que fazem este serviço e não foram nem consultadas.”

Outro ponto levantado por eles é que, caso o leilão da Copel Telecom ocorra no dia 9 e a venda seja efetuada para uma das 13 empresas interessadas, ela pode ser considerada ilegal depois, e então contestada. Por isso, o melhor seria esperar.

“E se um juiz considerar que o processo foi ilegal após a venda? Como fica a população? Afinal, essa é uma empresa pública. Não há motivos para as coisas serem feitas assim, às pressas. A não ser que seja para beneficiar alguém ou um grupo que não é o povo paranaense”, conclui Grassmann.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias

Radiocaos Fosfórico

Neste episódio os textos e ideias combustíveis de Trin London, Merlin Luiz Odilon, Menotti Del Picchia, Alana Ritzmann, Otto Leopoldo Winck, Gabriel Schwartz, Cyro Ridal, Robson Jeffers, Guilherme Zarvos, Carlos Careqa, Clarice Lispector, Luciano Verdade, Giovana Madalosso, Charles Baudelaire, Arnando Machado, Edilson Del Grossi, Francisco Cardoso, Liliana Felipe, Valêncio Xavier, Carlos Vereza, Ícaro Basbaum, Mauricio Pereira, Mano Melo, Monica Prado Berger, Amarildo Anzolin, Antonio Thadeu Wojciechowski, Marcelo Christ Hubel, Cida Moreira, entre outros não menos carburantes.

Redação Plural.jor.br