Renato Freitas apresenta PL para garantir saúde íntima de presas

O projeto de lei “Saúde da Mulher no Cárcere” pretende garantir exames ginecológicos e acesso aos produtos de higiene para mulheres presas no Estado

O deputado estadual Renato Freitas (PT) apresentou, nesta quarta-feira (8), o projeto de lei “Saúde da Mulher no Cárcere”, que quer instituir um programa de atenção à saúde sexual e reprodutiva de mulheres encaradas no Paraná. O programa também trata da distribuição de absorventes gratuitamente.

De acordo com o Departamento de Polícia Penal do Estado do Paraná (Depen) há mais de 1.638 mulheres encarceradas. No Brasil, o Departamento Penitenciário Nacional afirma haver mais de 28 mil mulheres presas, fora as que estão sob custódia.

Entre as ações previstas no programa consta ainda o acesso anual a consultas ginecológicas, a realização do Papanicolau, assim como mamografia e vacinação contra o Papilomavírus humano (HPV).

O projeto determina, ainda, que o número de consultas feitas conste em relatório, bem como dados sobre exames e vacinas realizados.

Leia também: Renato Freitas, deputado eleito, diz que foi tratado como ‘suspeito’ pela PM dentro da Alep

De acordo com o projeto de lei, as mulheres encarceradas sofrem violência de gênero. “justamente por serem estruturas pensadas por homens e para homens – além da vulnerabilidade intrínseca à permanência em um sistema penitenciário reconhecidamente inconstitucional – as prisões brasileiras acabam por perpetuar também violências em relação ao gênero”, diz o texto.

O projeto de lei deve ser publicado no Diário Legislativo nos próximos dias e na sequência continua a tramitar pelas comissões da Assembleia.

1 comentário em “Renato Freitas apresenta PL para garantir saúde íntima de presas”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Plural se reserva o direito de não publicar comentários de baixo calão, que agridam a honra das pessoas ou que não respeitem níveis mínimos de civilidade. Os comentários são moderados por pessoas e não são publicados imediatamente.

Rolar para cima