Luana Godin, a compositora e cantora que quer te fazer dançar | Plural
15 out 2019 - 22h50

Luana Godin, a compositora e cantora que quer te fazer dançar

Cantora e compositora lança seu novo EP, “Dançaaê”, nas plataformas digitais

Nesta terça-feira (15), a compositora e cantora, Luana Godin, disponibilizou seu novo trabalho: “Dançaaê”. Com cinco músicas, o EP já entrega no nome a que veio. Esse é o segundo lançamento da cantora, que gravou seu primeiro álbum em 2016. Com raízes no reggae, as canções remontam ao início de sua carreira – como backing vocal de bandas do estilo.

“A raiz desse EP é reggae, a partir daí ele vai se abrindo: tem o dance hall, o ragga que conversa com o trap, com o drum and bass. Vai se ampliando – tem um som funk, soul“, comenta. É um pouco como uma colagem: como se fragmentos, recortes de diversas origens, se sobrepusessem para compor o som – e um pouco do que é a história – de Luana.

Natural de Maringá, no interior do estado, a cantora é filha de uma professora de piano e de um capoeirista. A mistura entre clássico e popular veio já dentro de casa: passando da música erudita às percussões das rodas de capoeira. “Vim do universo da MPB, toquei em grupos de samba, experienciei muito a música popular brasileira, mas como compositora acho que sou mais world music“, destaca.

Luana se apresenta no projeto Sofar Curitiba com o marido e parceiro musical, Luigi Castel.

Aos nove anos começou sua experimentação com instrumentos, os primeiros foram piano e violino. Irmã do meio em um trio de mulheres, Luana narra uma infância cheia de atividades: “Lembro que à tarde eu e minha irmãs ficávamos ouvindo música clássica, cantando e dançando juntas. Depois eu ia para aula de capoteira, voltava e ia para o coral – cantava MPB…”, rememora.

A música, como profissão, veio cedo: aos 16, tendo que trabalhar, optou por investir em uma carreia musical. Começou como backing vocal, em bandas de reggae, e acabou formada em Educação Artística em Artes Cênicas pela então Faculdade de Artes do Paraná (FAP), hoje Unespar. De lá para cá, a arte passou a ser sustento.

O palco, para Luana, ficou por duas vertentes: além da música, ainda na adolescência envolveu-se com o teatro – outra companhia permanente em seus projetos. Participou de grupos teatrais amadores, e foi ali que perdeu a timidez. “O teatro foi muito importante pra mim, para o desenvolvimento da minha expressão, da minha performance”, diz.

A carreira solo só veio em 2014, com o primeiro show. A época, Luana participava do grupo “Samba de saia”, pelo qual chegou a morar e tocar em Dubai. Seu primeiro álbum só veio dois anos mais tarde – “sOla” foi lançado em 2016. “Sentia falta de algumas coisas na minha vivência artística. Eu sempre estava em vários projetos, mas não conseguia trazer todos os elementos musicais que queria”, comenta sobre a busca por criar seu próprio espaço.

Hoje, com o lançamento digital do EP “Dançaaê”, Luana busca trilhar o caminho para a realização de um sonho recente – o de ter sua música na boca das pessoas: “Depois que comecei a desenvolver mais meu projeto solo, meu desejo de ver as pessoas cantando, se identificando, refletindo e se emocionando com a minha música foi algo que se tornou mais forte”, diz. Enquanto o sonho vai, aos poucos, se concretizando em realidades, Luana segue cantando e compondo suas pluralidades, fazendo uma espécie de colegam musical de estilos.

Para ouvir o novo EP de Luana Godin, você pode acessar o site da cantora e escolher a plataforma de sua preferência.

Ei, você! O Plural pretende sempre oferecer conteúdo gratuito e de qualidade. Mas isso só é possível se a gente tiver apoio de quem gosta do projeto. Olha só: você entra na nossa lojinha, faz uma assinatura de R$ 15 e ganha um jornal para a cidade. Tá barato, hein?

Últimas Notícias