14 abr 2022 - 12h46

“Eneida”, de Heloisa Passos, fala de uma reconciliação entre mãe e filha

Documentário da curitibana Heloisa Passos foi selecionado para o Festival É Tudo Verdade e estreia nos cinemas em junho

“Eneida” transcorre em tempo real. A história começa quando, numa viagem a caminho de Trás dos Montes, em Portugal, Eneida e a filha Heloisa relembram o tempo e as pessoas que perderam. Então Eneida pede a ajuda da filha cineasta para se reaproximar primeiro da neta, Marianna. Para depois entrar em contato com a mãe de Marianna, Maysa, a filha primogênita com a qual não fala há décadas. 

Com partes rodadas em Portugal e outras, no Brasil, o documentário da cineasta curitibana Heloisa Passos fez parte da seleção do Festival Internacional É Tudo Verdade. “Eneida” fala da reconciliação entre a irmã mais velha da cineasta e sua mãe, Eneida. A estreia do filme nos cinemas está prevista para junho. 

Eneida

“Aos 80 anos, Eneida sabia que já não tinha mais muito tempo a perder. O filme nasce do amor materno, do desejo do reencontro e da consciência de sua idade e seu lugar na família”, diz Passos.

É quando Eneida e Heloisa começam o esforço de se reconciliar com Maysa. Nesse momento, a cineasta e sua câmera passam a registrar a viagem de forma despojada, como um diário. Aos poucos, o registro de viagem foi tomando corpo – e acabou virando um filme.

Mulheres

De acordo com a cineasta, a busca de Eneida é longa e vai além da procura pela filha Maysa. Passando pela memória afetiva de cada uma das mulheres, Passos procura compreender como a separação aconteceu para, através do cinema, promover o reencontro e a reflexão sobre o que é ser mulher no mundo atual.

Em seu segundo longa-metragem, a diretora toca em temas que envolvem o afeto e o autoritarismo. Por meio de sua própria família, ela expõe os caminhos e as contradições da sociedade.

Assim, ao retratar a trajetória de Eneida, ela consegue falar sobre opressão, alienação e autonomia. Enfim, a mãe sonha com a possibilidade de transformar sua realidade. 

Transformação

“Foi importante descobrir que minha mãe não se entrega à tragédia e que, nessa odisseia, ela descobriu que o mais importante é sair transformada de sua jornada, independente de se chegar ao destino”, diz Passos.

A certa altura do filme, a cineasta diz: “Minha mãe, eu e minhas irmãs – nós, as mulheres ignoradas – nos perdemos nessa história”.

Para ela, existe um momento muito importante do filme. “É quando eu paro de julgar e passo a entender que nós, as mulheres ignoradas, cada uma do seu jeito, achou um caminho para seguir.”

Filme

“Eneida”, de Heloisa Passos, tem previsão de estreia nos cinemas em junho.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

Deixe um comentário

Últimas Notícias

Vídeo que cita falhas já corrigidas nas urnas volta a circular fora de contexto

É enganoso um vídeo que circula sem contexto e mostra uma fala feita em 2018, no Supremo Tribunal Federal (STF), pelo advogado do Sindicato Nacional dos Peritos Criminais Federais (APCF Sindical) Alberto Emanuel Albertin Malta, sobre a impressão de comprovantes de votação. No discurso, o representante da entidade fala sobre falhas encontradas nas urnas eletrônicas que já foram corrigidas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) antes de junho de 2018, quando a declaração foi repercutida. Essa informação não consta, no entanto, no vídeo investigado. O conteúdo voltou a circular em meio à aproximação do processo eleitoral de 2022

Projeto Comprova

Fies foi criado no governo de FHC, não na gestão Lula

É enganosa a publicação no Twitter da ex-participante do Big Brother Brasil (BBB22) Jessi Alves, que diz que o governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) criou o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies), programa que financia graduação em faculdade particular no Brasil. Lula expandiu o acesso ao programa, mas não o criou. A iniciativa surgiu ainda na gestão do presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC), em 1999, após o fim do Crédito Educativo (Creduc), programa similar criado em 1975, durante o governo de Ernesto Geisel

Projeto Comprova

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds