10 mar 2022 - 10h07

Mamãe, assediei: o caso Arthur do Val e a desumanização do corpo feminino

Episódios como esses reforçam a importância da luta feminista para combater e superar toda forma de opressão e violência

Nos últimos dias nos deparamos com a reprodução massiva de um áudio vazado por um grupo de homens no WhatsApp, cuja autoria pertence a um deputado paulista, ao qual eu dispenso grandes apresentações, e que violentamente referenciava-se às mulheres ucranianas como “lindas e fáceis, por serem pobres”, mais repugnante ainda são os termos escatológicos também proferidos neste áudio. E claro que é chocante, ofensivo e depreciativo, mas não é surpreendente. Pelo menos não para nós, mulheres de todas as classes, raças e lugares, pois sentimos na pele as violências que o machismo impõe nas sociedades patriarcais, onde a misoginia se manifesta de diversas formas.

“Essas cidades mais pobres são as melhores.”

A opinião repulsiva do assediador em questão soa como um soco no estômago se for lida em voz alta, mas é também a exemplificação dos indicadores que apontam a desigualdade social como principal fator de risco para a violência contra mulheres, segundo revela a Organização Mundial da Saúde (OMS) . Não é coincidência que a Ucrânia, mesmo diante do atual cenário, sem qualquer grau de empatia, suas mulheres sejam vistas como objetos. A desumanização do corpo feminino é cruel e inaceitável em qualquer contexto. Como bem escreveu Jamil Chade, em texto recente no Uol: “Ao longo da história, a violência sexual é uma das armas de guerra mais recorrentes para desmoralizar uma sociedade. Ela não tem religião, nem raça. Ela destrói. Demonstra o poder sobre o destino não apenas das vidas, mas também dos corpos e almas.” A fragilização imposta a todos durante um conflito armado, cujo poder se concentra em quem tem as armas, é ainda mais pesada sobre as mulheres.

“Não tem mulher assim no Brasil, não chega aos pés da fila das refugiadas aqui.”

Esse comportamento vergonhoso é o reflexo da objetificação do corpo feminino e tem consequências graves e danosas como a estereotipação e a criação de padrões estéticos irreais que mutilam e matam mulheres todos os dias, na busca por satisfazer fantasias de homens com comportamentos condenáveis como o deste aqui citado. A objetificação também esvazia a mulher de sua subjetividade e vontade própria, enxergando-a como submissa à vontade masculina, exatamente como Arthur do Val enxerga as refugiadas ucranianas. 

A fala do deputado ocorreu às vésperas do 8 de março, Dia Internacional da Mulher. É neste dia que as mulheres se unem para ir às ruas manifestar sua potência política e reivindicar o fim da violência em todas as suas formas, principalmente a violência perpetrada pela fala do deputado.

Pela vida das mulheres e pela desconstrução do machismo, é  fundamental que este  comportamento não seja naturalizado. Que os eleitores e eleitoras deste homem repensem sobre o representante que escolheram eleger, pois ignorar este fato é dar um aval para essas violações. Episódios como esses reforçam a importância da luta feminista para combater e superar toda forma de opressão e violência que ainda existe sobre nós, mulheres de todos os lugares do mundo.

“Eu elevo a minha voz – não para gritar, mas para que aquelas que não têm voz possam ser ouvidas.”

Malala Yousafzai .

Este texto é de responsabilidade do autor/da autora e não reflete necessariamente a opinião do Plural.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

É falso vídeo que tenta ligar filho de Lula a Petrobras e a aumento de combustíveis

Diferentemente do afirmado em vídeo, o preço do barril de petróleo não é manipulado por uma empresa internacional que investe na Petrobras. O preço varia, na verdade, com a oferta e demanda do produto no mundo. Além disso, nenhum filho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é sócio de empresa investidora da companhia e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os acionistas da petroleira. O conteúdo é falso

Projeto Comprova