Monumentos entre a força e a poesia

Erguer monumentos públicos é um ato que pode tocar em profundas feridas abertas da sociedade. Quando um marco da cidade fere toda uma classe, a sua retomada pelo povo deve ser encarada como um processo histórico, não como ato de vandalismo, não importando se a sua natureza é a poética que ressignifica ou a força que derruba

Gustavo Paris