Lona separa ala Covid-19 na UPA Cajuru | Jornal Plural
8 jul 2020 - 21h27

Lona separa ala Covid-19 na UPA Cajuru

Afastamento de profissionais contaminados aumenta pressão sobre médicos e enfermeiros

Lona separa área de atendimento exclusivo de pacientes Covid-19 dos demais

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba (Sismuc) e o Sindicato dos Médicos do Paraná (Simepar) apuram denúncias de improviso e exposição de funcionários a risco de contaminação nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da Cidade. Em um dos casos, uma lona de plástico preto faz a separação entre pacientes com suspeita de Covid-19 e pacientes regulares da UPA Cajuru.

A improvisação força funcionários a usar o pátio externo, que não é coberto, para circular pela unidade. Segundo a Assessoria de Imprensa da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a lona já foi retirada e estaria lá porque uma parede está sendo instalada no local, interrompendo a circulação no corredor que leva da frente para a parte de trás da UPA e a escada de acesso ao primeiro andar.

Na UPA Fazendinha, o Simepar recebeu informações de afastamento de pelo menos 36 funcionários, entre médicos, enfermeiros, técnicos e profissionais de apoio. “O problema é que isso aumenta a pressão sobre quem fica, já que as equipes estão desfalcadas“, explica a secretária-geral do Sindicato, Claudia Paola Carrasco Aguilar.

A situação, diz ela, é agravada pela convivência, em espaços de alimentação e vestiários, das equipes que atendem casos de Covid-19 e demais funcionários.

“A Secretaria Municipal da Saúde já contratou, desde o início do ano, 642 profissionais, entre médicos, enfermeiros e técnicos. Quando há registro de afastamentos temporários, a demanda é suprida ou por outros profissionais ou por horas extras”, informa a SMS.

Para o Simepar, a situação permanece grave. “Já alertávamos para a falta de profissionais desde o início [da quarentena]”, diz Claudia. “No Fazendinha já houve plantão com dois médicos para atender tudo, Covid e não Covid”, completa. O estresse, as horas extras e o trabalho intenso contribuem para reduzir a imunidade dos profissionais, ressalta a médica.

As UPAs Fazendinha e Cajuru atendem, por mês, cerca de 12 mil pessoas, segundo dados de 2019 do Conselho Municipal de Saúde.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas Notícias