9 nov 2020 - 15h18

Grupo que comprou Sercomtel leva Copel Telecom

A empresa Bordeaux venceu o leilão e vai pagar R$ 2,395 bilhões pela estatal de telecomunicações do PR

Dos quatro grupos habilitados para o certame, a Bordeaux Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia venceu o leilão de privatização da subsidiária de telecomunicações da Companhia Paranaense de Energia (Copel), a Copel Telecom, na tarde desta segunda-feira (9). A vencedora é a mesma que arrematou, em agosto, a compra do Serviço de Comunicações Telefônicas de Londrina (Sercomtel).

Ligada ao empresário baiano Nelson Tanure, que já foi acionista da Oi, a Bordeaux levou a Copel Telecom por R$ 2,395 bilhões. O total é cerca de 71% a mais do valor mínimo de R$ 1,4 bi estabelecido em edital para a alienação de 100% das ações do ativo da empresa, líder de mercado na oferta de fibra óptica no Paraná. Esta foi a primeira venda de empresa estatal do Paraná desde o Banestado, em 2000.

Participaram ainda do leilão, realizado pela bolsa de valores de São Paulo B3, o grupo mineiro Algar Soluções em Tic S/A, com proposta final de R$ 2,385 bilhões, e os consórcios Calgari e Economia Real, que ofertaram, respectivamente, R$ 1,402 bilhão e R$ 1,750 bilhão.

Com a venda, a vencedora terá direito de uso dos locais de torres, antenas e demais instalações da rede da Copel Telecom. Assumirá ainda a posse de todos os 36 mil quilômetros que compõem a rede de fibra óptica instalada – a maior em todo o Paraná. Além disso, a empresa também herdará os 381 contratos ativos de fornecimento de serviços para clientes corporativos.

Líder de mercado, a subsidiária tem hoje cerca de 300 mil clientes e atende os 399 municípios paranaenses. Do ponto de vista social, a Copel Telecom, fundada em 1998, promove inclusão digital em 2,2 mil escolas da rede estadual.

“Funcionários não serão vendidos”

O leilão ocorre menos de dois meses depois da aprovação e da regulamentação da venda em edital, publicado no dia 21 de setembro. A expectativa é que o processo de transição se complete, no máximo, até meados de 2021. Até lá, funcionários da Copel devem ser absorvidos nas outras ramificações da empresa.

“Esse é um processo de privatização onde as pessoas não estão incluídas. Os funcionários não serão vendidos juntos e todos eles serão transferidos para o Grupo Copel Energia”, afirmou em entrevista, após o fim do leilão, Wendell de Oliveira, diretor-geral da Copel Telecom.

Apesar de estar sendo contestada por ações distintas na Justiça, a venda ocorreu em clima de festa. Sob gritos de viva de representantes do governo do Paraná e da empresa vencedora, houve troca de abraços e apertos de mãos, contrariando as normas de segurança sanitárias estabelecidas por causa da pandemia do coronavírus.

“Modernização”

Presente na sessão, o governador Ratinho Jr. (PSD) comemorou o arremate e afirmou que a venda da subsidiária representou o pontapé de uma série de privatizações que vêm sendo costuradas pelo Executivo do Paraná. Dentro do plano, chamado de “pacote de modernização”, estão ainda a Compagás, distribuidora de gás cuja acionista majoritária é a Copel, os pátios do Detran, quatro aeroportos do estado, a Ferroeste, linha férrea operada pelo governo, e 4 mil quilômetros de rodovias federais e estaduais.

“Esse recurso vai ser investido naquilo que é a expertise da Copel, que é a transmissão e geração de energia”, declarou o governador. Ele acrescentou que, “a princípio”, o governo não pensa em privatizar nenhuma outra subsidiária da companhia.

Contestações

Na última sexta-feira (6), uma ação popular tentou suspender o leilão de privatização da empresa sob alegação de que a Justiça ainda precisa decidir sobre o processo de avaliação do valor ofertado. O argumento é de que a contratação do Banco Rothschild para análise dos bens e ativos da Copel Telecom foi realizada sem licitação.

O motivo da privatização também vem sendo discutido. De acordo com gestão de Ratinho Jr., a venda é necessária porque nos últimos dois anos a empresa não teria conseguido manter os bons resultados de antes – entre 2010 e 2018, a estatal acumulou lucro líquido de R$ 510,6 milhões.

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), no entanto, lançou um estudo que diz que os mesmos argumentos que o Executivo usa para defender a venda poderiam ser vistos como argumentos contra a privatização. O levantamento aponta que o índice da dívida líquida da empresa em proporção com o valor acumulado por ela caiu de 2,7 em 2018 para 1,2 em 2019. Isso indica que o endividamento não apenas estava sendo controlado como abria possibilidades de investimentos sustentáveis para a estatal.

Outro ponto questionado por representantes sindicais e da sociedade civil é a qualidade da conectividade da população e a função social hoje cumprida pela subsidiária.

“Em municípios pequenos o acesso à internet é subsidiado para garantir que as pessoas tenham acesso ao conhecimento. Dessa forma, esse direito básico do ser humano é garantido. Esse é o papel social dessa empresa”, defendeu recentemente o presidente do Sindicato de Engenheiros do Paraná (Senge-PR), Leandro Grassmann.

Se puder, assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. Isso faz muita diferença para nós: ser financiados por leitoras e leitores. As assinaturas nos mantêm funcionando com uma equipe que hoje tem oito pessoas e dezenas de colaboradores. Somos um jornal que cobre Curitiba em meio aos obstáculos da pandemia e fazemos isso com reportagens objetivas, textos de opinião e de cultura, charges e crônicas. Obrigado pela leitura.

4 comentários sobre “Grupo que comprou Sercomtel leva Copel Telecom

  1. Que o ratinho não tinha nenhuma expertise em administração publica ja era notório, e de negócios deve ter aprendido com o pai (Ratão) a negociar café no bule, clinicas dentárias e por ai vai…
    Agora a onda de privatizar ja começou, assim como a patifaria de militarizar escola pra isentar o estado de gerir. Uma pena , mais um governo pífio no Brasil

  2. Olha só o ato falho: “Os funcionários não serão vendidos juntos e todos eles serão transferidos”… Não serão vendidos!!! É gado!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

Radiocaos Sueto

Radiocaos Sueto Neste episódio os textos e ideias ao léu de Andressa Nuss, Jorge Luis Borges, Ronaldo Conde Aguiar, Marcelo Sandmann, Carlos Careqa, Amarildo Anzolin, Salvatore Quasimodo, Wally Salomão, Carlos Drummond de Andrade, Ivan Justen Santana, Tom Waits, Livia Lakomy, Maria Luiza Lago, Marilia Kubota, Mauricio Pereira, William Shakespeare com Miguel Falabella, Julia Graciela, Jean Garfunkel, Roberto Prado, Alice Ruiz, Reynaldo Jardim, Luci Collin, entre outros incansáveis das letras.

Redação Plural.jor.br

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds