Comunidades rejeitam militarização de escolas em Curitiba

Resultado da votação mostrou rejeição ao modelo cívico-militar, carro-chefe da educação do governo de Ratinho Junior

A maioria dos colégios estaduais de Curitiba que participaram da consulta para aderir ao processo de militarização da educação promovido pelo governo Ratinho Jr. (PSD) votou contra a adesão ao programa cívico-militar. Das 27 escolas da capital onde houve votação, 15 optaram por permanecer no atual modelo, e 12 resolveram aderir ao programa.

O resultado da votação ainda não foi divulgado e a Secretaria de Educação não confirma os números já divulgados, mas as comunidades escolares e a APP-Sindicato acompanharam a apuração na noite desta quarta-feira (29). No estado como um todo, a adesão ao programa cívico-militar saiu vencedora em 82 das 127 escolas consultadas. Outras 45 escolas disseram não ter interesse na militarização.

Confira os resultados:

Disseram NÃO à militarização

  • Colégio Estadual Ivo Leão
  • Colégio Estadual Protásio de Carvalho
  • Colégio Estadual Alfredo Parodi
  • Colégio Estadual Isabel Lopes
  • Colégio Estadual João Paulo
  • Colégio Estadual João Wislinski
  • Colégio Estadual São Paulo Apóstolo
  • Colégio Estadual Teobaldo Kletemberg
  • Colégio Estadual Roberto Langer Jr
  • Colégio Estadual Lysimaco Ferreira da Costa
  • Colégio Estadual Natália Reginato
  • Colégio Estadual Xavier da Silva
  • Colégio Estadual Maria Montessori
  • Colégio Estadual Gelvira Pacheco
  • Colégio Estadual Pilar Maturana

Disseram SIM à militarização

  • Colégio Estadual Milton Carneiro
  • Colégio Estadual Jayme Cannet
  • Colégio Estadual João Loyola
  • Colégio Estadual Guido Arzua
  • Colégio Estadual Lamenha Lins
  • Colégio Estadual João Paulo I
  • Colégio Estadual Santa Felicidade
  • Colégio Estadual Pinheiros do Paraná
  • Colégio Estadual Júlio Mesquita
  • Colégio Estadual Cruzeiro do Sul
  • Colégio Estadual Santo Antônio
  • Colégio Estadual Luiza Ross

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

O Plural se reserva o direito de não publicar comentários de baixo calão, que agridam a honra das pessoas ou que não respeitem níveis mínimos de civilidade. Os comentários são moderados por pessoas e não são publicados imediatamente.

Rolar para cima