9 maio 2022 - 11h30

Igreja pede para que polícia suspenda investigação sobre manifestação na Igreja do Rosário

Antes disso, Igreja emitiu uma nota chamando os atos de “invasivos, desrespeitosos e grotescos”

A Arquidiocese de Curitiba não tem mais interesse de que a Polícia Civil (PC) siga investigando o caso da entrada de manifestantes na Igreja do Rosário, ocorrida em fevereiro durante um ato antirracista. O caso envolve o vereador Renato Freitas (PT), que enfrenta pedidos de cassação do mandato por conta do episódio.

No entanto, a PC informou ao Plural que trata-se de uma ação penal pública incondicionada, o que na prática impede que os policiais deixem de investigar o caso. A reportagem não conseguiu falar com ninguém do departamento jurídico da Arquidiocese para entender o porquê do recuo. O texto será atualizado assim que houver retorno dos contatos.

Relembre

Renato Freitas e manifestantes participavam de um ato em memória do congolês Moïse Mugenyi Kabagambe, assassinado no Rio de Janeiro, espancado até a morte aos 24 anos, por ter cobrado salário atraso, bem como Durval Teófilo Filho, de 38 anos, morto pelo vizinho, um sargento da Marinha, enquanto chegava do trabalho, também no Rio de Janeiro.

O local foi escolhido porque o templo foi construído por pessoas escravizadas e tem valor simbólico para o movimento negro. Depois das falas dos manifestantes, um grupo entrou na Igreja – que estava com a porta lateral aberta. Apesar disso, o caso repercutiu como sendo uma invasão porque, segundo a Igreja, o grupo atrapalhou a celebração da missa.

Isso motivou pedidos de cassação de Freitas por quebra de decoro parlamentar. À época a Arquidiocese classificou os atos como “invasivos, desrespeitosos e grotescos”.  Só que depois a Igreja recuou, fez uma carta admitindo que não havia missa e afirmou que cassar o mandato seria um exagero.

Apoio

Nesta segunda-feira (9), o mandato do vereador e um grupo de apoiadores realizaram manifestações em defesa do petista por meio das redes sociais. Para terça-feira (10), está previsto um ato presencial em frente à Câmara Municipal, quando a Comissão de Ética deve decidir se dá seguimento ao processo de cassação ou se arquiva o caso.

O Plural é um jornal independente mantido pela contribuição de nossos assinantes. Ajude a manter nosso jornalismo de qualidade. Assine o Plural. Você pode escolher o valor que quer pagar. E passa a fazer parte da comunidade mais bacana de Curitiba.

4 comentários sobre “Igreja pede para que polícia suspenda investigação sobre manifestação na Igreja do Rosário

  1. No meu entendimento, havendo a desistência do ofendido no que se refere à suposta invasão que remete à quebra de decoro, que por sua vez, é o objeto do pedido de cassação, este se esvazia. Uma ver perdido o objeto, não há que se falar em continuidade no processo de cassação do mandato de Renato Freitas.

  2. Se a vítima perdoa que somos nós para desejar punição? Alguma coisa estão manipulando, em nome da fé, mas para o seu ódio racial. Usam a fé para seu ódio escondido, pura hipocrisia.

  3. #JuntosComRenatoFreitas
    #RenatoFica

    Plural Jornal, por favor faz uma live no youtube com Renato Freitas e alguém do Human Rights Watch Brasil e Amnesty International.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Os comentários feitos em textos do Plural são moderados por pessoas, não robôs, e não são publicados imediatamente. Não publicamos comentários grosseiros, agressões, ofensas, acusações sem provas nem aqueles que promovem tratamentos sem comprovação científica.

Últimas Notícias

Radiocaos Sueto

Radiocaos Sueto Neste episódio os textos e ideias ao léu de Andressa Nuss, Jorge Luis Borges, Ronaldo Conde Aguiar, Marcelo Sandmann, Carlos Careqa, Amarildo Anzolin, Salvatore Quasimodo, Wally Salomão, Carlos Drummond de Andrade, Ivan Justen Santana, Tom Waits, Livia Lakomy, Maria Luiza Lago, Marilia Kubota, Mauricio Pereira, William Shakespeare com Miguel Falabella, Julia Graciela, Jean Garfunkel, Roberto Prado, Alice Ruiz, Reynaldo Jardim, Luci Collin, entre outros incansáveis das letras.

Redação Plural.jor.br

É de graça


E vai continuar assim. Mas o nosso trabalho só existe porque ele é financiado por você, leitora e leitor, e por parceiros. Ajude o Plural a continuar independente. Apoie e assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

Já é nosso assinante?
Faça seu login com email ou nome de usuário

Não é assinante?  Assine por valores a partir de R$ 5 por mês.

This will close in 20 seconds